Pular para o conteúdo principal

As encenações de Dona Hosana

Encenação: Aos pés da cruz
A professora Hosana Lopes Martins foi responsável por momentos marcantes e apresentações no antigo Cine S. Francisco. As suas peças quase sempre tinham como pano de fundo a Bíblia, quando não enalteciam o caráter religioso ou altruísta – a exemplo da encenação “Aparição de Na. Sra. de Fátima”.
As pequenas estrelas em geral eram suas alunas, as quais ensaiavam incansavelmente os textos, citemos desta época: Ângela Souto, Benigna Consolato, Dalvina Ferreira, Elba, Magna e Norma Coelho, Fátima e Paula Fracinete Meira, Herbert Spencer, José R. F. Filho (Zezito), Lourdinha e Leda Mateus, Lúcia Luna, Moema Nóbrega, Neusa Caetano, Rosany Araes, Socorro Acioli e Socorro Pequeno.
Com a colaboração de Lourdinha Vasconcelos (Lourdinha Mateus), através de seus comentários no grupo criado por Cida Galdino (Esperança - terra mãe!) podemos recompor alguns aspectos de suas apresentações da a velha mestra: “O martírio do dever” e “Aos pés da cruz”.
O enredo da primeira peça era o seguinte: o padre (Maria irmã de Dorinha Gomes) foi acusado injustamente por um roubo, mas não poderia revelar porque soube do roubo em confissão de um moribundo. As duas filhas (Lourdinha e Linda) queriam a condenação do religioso, mas desconheciam que o ladrão naquela representação era o próprio pai. O vigário acabou na prisão, mas não revelou o segredo. 
carcereiro era Cilinha de seu Zé Costa. O juiz foi Carminha Cândido (filha de dona Chiu), na promotoria estava Dalvina Ferreira e como advogada (defensora) Lourdes Coêlho. 
No júri simulado onde Paulo (personagem) teria sido condenado por roubo a uma pena de dez anos de cadeia.

Encenação: O mártir do dever
Na foto figura Aristeu é um dos soldados. Os jurados (da direita para a esquerda) são: João Cabelo de Fogo, Paulo de Deus, Fernando Lapada (irmão de Lourdinha), Edmilson, Soni Mendes (filho do prof° Heráclito) e Marcos Celestino (filho de seu Titico). O drama foi encenado no Cine S. Francisco.
A peça “Aos pés da cruz” foi realizada junto com o “Bailado das Flores”, entre os dias 22 e 23 de setembro de 1961, também n cinema de seu Titico.

Bailado das Flores
Bailado das flores, realizado junto com o Certame Aos pés da Cruz nos dias 22 e 23 de Setembro de 1961 ou 1967, está meio borrado. no Cine S. Francisco. Entre os participantes estavam Lourdinha Vasconcelos, Dalmira Ferreira e Herbert Spencer.

Martírio do dever: cena da prisão
A professora Hosana Lopes “Possuía cunho autoritário, mas pertinente à Educação de seu povo” (Livro do Município, p. 46). Esta deixou saudades em julho de 1985, depois de 49 anos dedicados ao magistério. A semente plantada em suas representações desabrochou em outros espetáculos encenados em nosso município.

Rau Ferreira

Fontes:

- BRASIL, Evaldo. Cultura & Arte: síntese de uma estória sem começo nem fim. Manuscrito. s/d. Disponível em: http://evaldobrasil.blogspot.com/. Acesso: 22/12/2008.

- ESPERANÇA, Livro do Município de. Projeto Gincana Cultural/84. Descubra a Paraíba. Ed. Unigraf. João Pessoa/PB: 1985.

- FERREIRA, Rau. Banaboé Cariá: Recortes da Historiografia do Município de Esperança. A União. Esperança/PB: 2016.
- Imagens/texto: Grupo "Esperança - terra mãe". Rede social. Comentários: Maria de Lourdes Vasconcelos. Adm. Cida Galdino.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Esperança caminha para instalação do seu instituto histórico e geográfico/ IHGE

Em reunião deliberativa autoridades, intelectuais, poetas, acadêmicos e algumas das principais instituições ligadas à história e à cultura de Campina Grande e Esperança, estiveram em reunião, na tarde desta quinta-feira (14/12), no Centro Cultural e Biblioteca “Dr. Silvino Olavo”, em torno do ideal da fundação do IHGE – Instituto Histórico e Geográfico de Esperança. A ideia que surgiu em 2014, volta a ser discutida pela sociedade esperancense, na perspectiva de resgate da memória local, com o apoio dos Institutos Paraibano, representado pela Dra. Maria Ida Steinmuller, Campinense (Edmilson Rodrigues) e de Serra Branca, na pessoa do Prof. Thomas Bruno Oliveira (IHGP, IHCG e IHGSB),  Nuphel – Núcleo de Pesquisa e História Local/UEPB, pelo Professor Flávio Carreiro, Fórum Independente de Cultura de Esperança, com o ativista Evaldo Brasil (FIC) e da Sociedade Parahybana de Arqueologia (SPA), através do escritor Vanderley de Brito. Participam ainda o Secretário de Educação do Município, pa…

Antiga Capela do Cemitério

A ampliação do cemitério público acontecida há alguns anos fez desaparecer a antiga capela que existia no centro deste Campo Santo. Muitos ainda se lembram daquele galpão dedicado as orações, onde se acendiam velas às almas. Não era muito grande, mas o suficiente para se encomendar o corpo com as exéquias. Ali se encerrava o cemitério, existindo poucas covas por trás daquele edifício e em sua volta, por onde se passava com dificuldades. Até 1930 a administração do cemitério era atribuição da igreja, por ter sido por esta construída, segundo a tradição, no final do Século XVII por obra do missionário Padre Ibiapina para enterrar as vítimas da cólera. Através do Ofício nº 70, de 17 de dezembro de 1930, em ordem ao Decreto Estadual nº 29 do mesmo mês e ano, que direcionava às prefeituras municipais todos os cemitérios existentes no Estado, solicitava o Vice-prefeito Inácio Rodrigues de Oliveira da autoridade eclesiástica local as chaves do cemitério. Foram entregues à edilidade não apenas…