Pular para o conteúdo principal

Postagens

O Patrono José Gomes Coelho

Discurso pronunciado pelo Acadêmico Josemir Camilo de Melo quando da sua posse na Cadeira nº 14, do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano (IHGP), que tem como patrono, José Gomes Coelho, sendo fundador e primeiro ocupante, Humberto Nóbrega, e segundo ocupante, Wellington Aguiar, em data de 13/11/2015: “Eis-me, pois, nos arcanos recantos da memória da Paraíba, na companhia invejável de seus guardiães. Tenho no patrono José Gomes Coelho, um precursor daqueles estudos a que aderi, ou seja, os princípios da Escola dos Anais (École des Annales), do grande Fernand Braudel, que pregava a pesquisa multidisciplinar, invocando fortemente a História e a Geografia. Era o que fazia José Gomes Coelho, ainda de maneira empírica. Nosso patrono parece também ter vivenciado o problema do deslocamento espacial e social, pois nascido em Esperança, na transição Agreste/Brejo, em 1898, fincou suas raízes na cidade da Paraíba, onde faleceu em 1954. Diplomou-se pela Escola Normal do Estado da Paraíba e c…
Postagens recentes

SOL: Cordialidade – 1ª Série, N. York

Um dos livros menos comentados de Silvino Olavo é “Cordialidade”, de cuja obra não se tem um único exemplar, conhecendo-se apenas as notícias que anteverem a sua publicação, e aquelas mencionadas pelo próprio autor, em seus livros de poesias. Agora, pois, faço o resgate desta obra, com os comentários de jornal de sua época, e com o pouco conhecimento que consegui amealhar, em minhas pesquisas. Corria o ano de 1927. Há pouco havia o autor se licenciado (junho) do seu cargo de 1º Promotor da Capital Parahybana para rever amigos na capital federal (Rio de Janeiro), onde foi banqueteado por Murilo Araújo, Pereira da Silva, Théo Filho, Haroldo Daltro, Adelino Magalhães, Pádua de Almeida, Gastão Franca Amaral e outros literatos no Club Assyrio. Viajara o vate ao Rio para tratar de suas publicações: “Sombra Iluminada”, que estava para ser editado naquele ano (1927) e, “por motivo também de regozijo do próximo aparecimento, volume de estudos literários em que o celebrado poeta de ‘Cysnes’ focal…

José Gomes Coelho: nos contornos da Paraíba

É inegável a contribuição de Irineu Jóffily (1843/1902) no mapeamento que deu contorno ao Estado da Paraíba. Em suas notas de viagem, registrou os limites estaduais corrigindo os equívocos outrora existentes, para definir a paisagem paraibana e suas confrontações. O que pouca gente sabe, é que outro esperancense (Jóffily também o é), igualmente ilustre, também colaborou com o seu trabalho, para a definição do mapa da Paraíba. Estamos falando em José Gomes Coelho (1898/1954), autor de “Escorço de Chorographia da Parahyba” (1919). A ideia do livro nasceu, por assim dizer, quando o professor foi designado para participar de uma comissão (1915), que tratava sobre a questão dos limites entre Ingá (PB) e Itambé (PE). É que os moradores de Serrinha (Município de Ingá/PB) reclamavam contra a intervenção dos agentes fiscais de Itambé (Pernambuco), que insistiam em cobrar, indevidamente, impostos municipais para o vizinho Estado. José Coelho apresentou um esboço topográfico, delimitando a região,…

O que tenho fome, poema de Hauane Maria

O que tenho fome??
Eu tenho fome que todos usem seus olhos para verem, seus ouvidos para ouvirem, suas bocas para falarem e suas narinas para cheirarem o cheiro de quando algo nao vai bem.
Eu tenho sede que todos usem seus sentidos para lutarem contra quem tenta colocar uma baixa em ti para, então, te cegarem, te mutarem, te surdarem, para então, tu deixar de ser homen e virar apenas massa.
Hauane Maria, 15 anos

Louvação (Inspirado no Salmo 148)

Ao amigo José Mário da Silva Branco
Louvai ao Senhor ó terra inteira Louvai-o por sua grandeza A Ele pertencem a realeza e sua obra primeva:
A sabedoria, mestra faceira Luiz no escuro sempre acesa Apresenta-se a quem queira Se deliciar de suas proezas.
E revelando Deus a sua maneira De infinita bondade e beleza Faz contumaz e ligeira A louvação da natureza.
Rau Ferreira
José Mário da Silva Branco, escritor e crítico literário, teceu alguns comentários acerca deste nosso singelo poema “Louvação”. De fato, foi uma análise profunda, que foi além do saltério, para captar o sentido bíblico por trás dos versos. Eis as ponderações do colega da ALCG - Academia de Letras de Campina Grande: "Em seu clássico livro ‘Introdução à Semanálise, a teórica da literatura’ Julia Kristeva afirma que o texto literário é um mosaico de citações, um modo como o texto se insere na história, e é por ela atravessado. E arremata a referida ensaísta: todo texto é antes de tudo um intertexto. Para Affonso Romano de Sant'…

Capelinha: Patrimônio Histórico Estadual

O Diário Oficial do Estado da Paraíba publicou hoje (11/11) a Lei Estadual nº 11.571, de 10 de dezembro de 2019, que inseriu a Capela Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, conhecida como “Capelinha das Pedras”, deste Município de Esperança (PB), no Patrimônio Histórico e Cultural do Estado da Paraíba. A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. O projeto de lei de autoria do Deputado Estadual Anderson Monteiro Costa foi sancionado ontem (10/11) pelo Governador João Azevêdo Filho, entrando em vigor na data de sua publicação. Este trabalho vem de encontro aos nossos anseios que há muito buscávamos o reconhecimento de “Menor capela do mundo”. Fruto desse nosso esforço à época, …

Nevinha (Rau Ferreira)

Nevinha tu estais Cada vez mais bela e vistosa Queria-te um ramo de rosas Que acabasse nunca mais. Até nos arraiais, serias vitoriosa E quando fosse o dia bom À aurora dos pardais Ouvirias o som do meu amor sob as vagas.
Banabuyé, 01 de dezembro de 2019.
Rau Ferreira