Pular para o conteúdo principal

Discurso de Epaminondas Câmara na APL


Epaminondas Câmara nasceu em Esperança no dia 04 de junho de 1900. Era filho de Horácio de Arruda Câmara e Idalgisa Sobreira Câmara. Aprendeu as primeiras letras com a professora Maria Sobreira, esposa do também professor Joviniano Sobreira. Permaneceu nesta cidade até 1910, mudando-se com a família para Taperoá e, depois para Campina Grande (1920). Técnico em contabilidade gastava suas horas vagas pesquisando. É autor dos livros: Os alicerces de Campina Grande e Datas Campinenses.
Quando tomou posse na Academia Paraibana de Letras, em 21 de junho de 1945, pronunciou o seguinte discurso:
“Se o historiador fosse um príncipe, tivesse sangue azul, poderia dizer a seus súditos: - Vinde primeiro a mim se quereis que eu vos dê tudo. O poeta diria: - Dar-vos-ei aonde estiveres. E se isto acontecesse, decerto que Irinêo daria mais em extensão e Mauro em intensidade, porque os sentimentos de historiador tinham caráter mais paternal, e, os do outro, caráter mais fraternal.
Irinêo, mais aristocrático, entendia a sociedade dividida em camadas econômicas. O outro mais democrático, preferia a nivelação social. Não se veja, porém, no meu ilustre antecessor pruridos niilitas ou socialistas, nem tendência de demagogo ou de anarquista. Ambos democratas, ambos compreendiam a democracia em sentidos diferentes. Para Irinêo ela deveria ser hierárquica, como o universo, como todas as cousas, pesando de cima para baixo, em pirâmide. Para Mauro, ela não deveria pesar em sentido algum para ser harmônica e equitativa.
Se fosse maxista, talvez o historiador preferisse a divisa – a cada um as suas ações. A do poeta seria – a cada um segundo as suas necessidades ou o seu mérito. Ambos tinham sede de glória e pensando nela Irinêo lembrava-se dos grandes homens e dos grandes gênios; Mauro sentiria as musas. O historiador protegia os outros para colaborar com eles, o poeta colaborava para protegê-los, tanto assim que Irinêo perdoava sem demonstrar e Mauro era a eterna demonstração do perdão.
Essa diferenciação de aspectos da mentalidade dos dois ilustres campinenses está patente, clara, definida, através de páginas dos dois monumentos da literatura paraibana – “Notas sobre a Parahyba” e “Horas de Enlevo”, precisamente os dois livros que os imortalizaram.
Quem quer que os perscrute encontrará nas suas linhas e entrelinhas a prova mais robusta dos conceitos aqui expostos. Apreciei os dois saudosos homens das letras com serenidade, sem ânimos preconcebidos, mas com a vontade sincera de esboçar-lhes os méritos e de fazer-lhes justiça. Procurei dentro de minha acanhada percepção psicológica esboçar os seus caracteres sem exceder-me no elogio nem exagerar-me em restrições.
Concluo acrescentando ainda que o valor de ambos seria hoje contemplado em proporções muito maiores e mais larga projeção intelectual, se não lhes ocorresse durante toda a vida a preocupação pela política partidária e tivessem procurado conviver em meio mais adiantado.
Quem não compreende que faltou, a um e a outro, ambiente propício à divulgação e à compreensão de suas ideias, de seus trabalhos literários? Campina Grande era naquela época e ainda é hoje uma cidade sem intelectualidade, não obstante nela residirem poetas e prosadores, jornalistas e estudiosos. Afonso Campos, patrono duma das cadeiras desta Academia, e Severino Pimentel, uma das maiores culturas paraibanas, para se falar apenas em mais dois grandes campinenses desaparecidos, foram como Irinêo e Mauro, vítimas daquele indiferentismo local.
É que Campina Grande, o maior centro comercial, bancário, político, democrático e industrial do Estado da Paraíba, seria um grande centro cultural se nela houvesse clima favorável ao congraçamento, à união de visitas entre os quais se dedicam às letras. Sua sociabilidade tem outra feição. Faltam à cidade os veículos modernos da divulgação.
Consideradas tais dificuldades e tomadas no seu verdadeiro sentido essas minhas indiscrições, robustece-me a velha convicção que possuímos de que o valor cultural de Irinêo e Mauro tem maior profundeza e amplitude do que à primeira vista nos parece”.
Epaminondas era casado com Isaura Câmara, sua prima. Homem íntegro, católico fervoroso como sua mãe, ajudou a fundar algumas paróquias e Associação dos Moços Católicos, na cidade de Campina Grande. Faleceu no dia 28 de abril de 1958.
O texto de seu ingresso na APL nos fala de Irinêo Jóffily e Mauro Luna. Irinêo – que para seu neto Geraldo Jóffily teria nascido em Esperança – nos deixou um grande legado, qual seja o recorte atual do mapa paraibano. Mauro Luna foi um grande poeta.

Rau Ferreira
Fonte:
-        Coletânea de Autores Campinenses. Comissão Cultural do Centenário. Prefeitura Municipal de Campina Grande: 1964.
-        JÓFFILY, Geraldo Irinêo. Um cronista do sertão no século passado: Apontamentos à margem das Notas sôbre a Paraíba, de Ireneo Joffily. Comissão Cultural do Município. Prefeitura Municipal de Campina Grande: 1965.
-        O Educador dos Sertões: vida e obra do Padre Inácio de Sousa Rolim. Volume II. Coleção "Documentos Sertanejos”. Série Paraibana. Gráfica Estado do Piauí: 1991.
-        PIMENTEL, Cristiano. Mais um mergulho na história campinense. Academia de Letras da Campina Grande, Núcleo Cultural Português. Ed. Caravela: 2001.

-        SOARES, Antônio. Autores Parahybanos 99. Ed. Caravela: 1999.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Esperança caminha para instalação do seu instituto histórico e geográfico/ IHGE

Em reunião deliberativa autoridades, intelectuais, poetas, acadêmicos e algumas das principais instituições ligadas à história e à cultura de Campina Grande e Esperança, estiveram em reunião, na tarde desta quinta-feira (14/12), no Centro Cultural e Biblioteca “Dr. Silvino Olavo”, em torno do ideal da fundação do IHGE – Instituto Histórico e Geográfico de Esperança. A ideia que surgiu em 2014, volta a ser discutida pela sociedade esperancense, na perspectiva de resgate da memória local, com o apoio dos Institutos Paraibano, representado pela Dra. Maria Ida Steinmuller, Campinense (Edmilson Rodrigues) e de Serra Branca, na pessoa do Prof. Thomas Bruno Oliveira (IHGP, IHCG e IHGSB),  Nuphel – Núcleo de Pesquisa e História Local/UEPB, pelo Professor Flávio Carreiro, Fórum Independente de Cultura de Esperança, com o ativista Evaldo Brasil (FIC) e da Sociedade Parahybana de Arqueologia (SPA), através do escritor Vanderley de Brito. Participam ainda o Secretário de Educação do Município, pa…

Antiga Capela do Cemitério

A ampliação do cemitério público acontecida há alguns anos fez desaparecer a antiga capela que existia no centro deste Campo Santo. Muitos ainda se lembram daquele galpão dedicado as orações, onde se acendiam velas às almas. Não era muito grande, mas o suficiente para se encomendar o corpo com as exéquias. Ali se encerrava o cemitério, existindo poucas covas por trás daquele edifício e em sua volta, por onde se passava com dificuldades. Até 1930 a administração do cemitério era atribuição da igreja, por ter sido por esta construída, segundo a tradição, no final do Século XVII por obra do missionário Padre Ibiapina para enterrar as vítimas da cólera. Através do Ofício nº 70, de 17 de dezembro de 1930, em ordem ao Decreto Estadual nº 29 do mesmo mês e ano, que direcionava às prefeituras municipais todos os cemitérios existentes no Estado, solicitava o Vice-prefeito Inácio Rodrigues de Oliveira da autoridade eclesiástica local as chaves do cemitério. Foram entregues à edilidade não apenas…