Pular para o conteúdo principal

Lembranças de meu pai

Beinha

No bordado de Ednilza Morais de Amorim estava escrito: Rau Ama Beinha. Uma pequena frase que ativou boas lembranças.

Tínhamos uma ligação além de tudo, nem sei como explicar. Papai me levava para todo canto, não sabia sair sem mim; e nas peraltices, sempre lembrava de me incluir.
À noite, eu ficava esperando na calçada da rua do Sertão, por volta das 7 horas da noite, ele vinha da S. José. Corria assim uns cem metros, me jogava no pescoço dele, e vinha pendurado. Era uma festa! Fazia isso todas as noites.

Mamãe ralhava:
- Meu filho, tu vai matar teu pai, deixa ele quieto, que Beinha está cansado. E ainda jantava no colo dele. Papai ria, não reclamava de nada.

Um dia, lembro muito bem, ele estava no banheiro fazendo a barba, quando fui lhe chamar para jantar, dizendo:
- Velho, vem jantar!

Foi um escândalo, mamãe quase me bate:
- Velho não! Seu pai ainda é jovem, respeite seu pai.

E ele taciturno, com um sorriso pelo canto da boca, disse apenas:
- Ele é meu amigo, deixa ele me chamar do jeito que quiser.

Nunca mais usei daquelas palavras, emudeci. Foi o gesto mais carinhoso que já vi, uma amizade pura que nunca mais encontrei.

Hoje olhando para o passado, relendo essas memórias, encho os olhos d'água. Meu pai, meu amigo, meu irmão que Deus levou tão cedo.

Mas o Senhor, em sua infinita bondade, não poderia me deixar só nesse mundo, e me deu um outro amigo... tão bom, tão carinhoso, tão alegre. E os papéis agora se invertem: Ele o filho, eu o pai.

Não sou nem metade do que foi o meu amado Beinha, quem o conheceu sabe o que estou dizendo. A figura jovial que encantava as moças, o amigo sincero e verdadeiro.

Não conto as portas que já se abriram, pelo simples fato de falar para alguém: sou filho de Beinha! Ainda não encontrei quem falasse mal dele; nem vou encontrar.

A saudade dói, não tem explicação. Na última noite em que estivemos juntos, ele me tomou pelo canto, me confidenciou um pedido, pedido esse que não pude negar. Jurei cumprir, assim como ele o fez a seu pai também. Ainda estou aqui papai, e sempre estarei.

Quando amanheceu, sai para espairecer, e quando voltei, segurei-lhe a vela num último suspiro...

O céu se encheu de amor, e a terra ficou mais vazia.

Rau Ferreira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Esperança caminha para instalação do seu instituto histórico e geográfico/ IHGE

Em reunião deliberativa autoridades, intelectuais, poetas, acadêmicos e algumas das principais instituições ligadas à história e à cultura de Campina Grande e Esperança, estiveram em reunião, na tarde desta quinta-feira (14/12), no Centro Cultural e Biblioteca “Dr. Silvino Olavo”, em torno do ideal da fundação do IHGE – Instituto Histórico e Geográfico de Esperança. A ideia que surgiu em 2014, volta a ser discutida pela sociedade esperancense, na perspectiva de resgate da memória local, com o apoio dos Institutos Paraibano, representado pela Dra. Maria Ida Steinmuller, Campinense (Edmilson Rodrigues) e de Serra Branca, na pessoa do Prof. Thomas Bruno Oliveira (IHGP, IHCG e IHGSB),  Nuphel – Núcleo de Pesquisa e História Local/UEPB, pelo Professor Flávio Carreiro, Fórum Independente de Cultura de Esperança, com o ativista Evaldo Brasil (FIC) e da Sociedade Parahybana de Arqueologia (SPA), através do escritor Vanderley de Brito. Participam ainda o Secretário de Educação do Município, pa…

Pesquisador do IHGE encontra documento histórico

O pesquisador Ismaell Filipe, sócio do Instituto Histórico e Geográfico de Esperança - IHGE, encontrou recentemente alguns documentos que datam de 1851, e que fazem alusão à origem do nosso Município. Trata-se de dois registros, para ser mais exato, de casamento, realizados no lugar denominado “Sítio Banabuié”, em casa de Severino de Medeiros Lima, cerimônia realizada pelo vigário José Antunes Brandão, pároco de Alagoa Nova. As buscas ocorreram junto aos arquivos paroquiais do Município de Alagoa Nova e constituem um marco divisório da nossa história. De fato, esta foi a denominação adotada, desde a concessão da Sesmaria de Banaboié e Lagoa de Pedra (1713) e que perdurou até 1870, quando então foi alterado para “Boa Esperança”. Segundo registros Ultramarinos existentes na Torre do Tombo em Portugal, este sítio ficava à beira de um açude, que em nossa opinião seria o reservatório do Araçá. O confrade Gilson Santiago, em conversa informal com o editor deste blog, certa feita, destacou que …