Pular para o conteúdo principal

SOL: Promotor Público

Dr. Silvino Olavo
A promotoria de justiça é função relevante para o nosso Estado e de grande notoriedade nos países que adotam o sistema do “Common law”. Ela possui função: defender a ordem jurídica (custos legis) e sociedade. Mas o órgão ministerial é mais conhecido por oferecer a denúncia em face das infrações penais, a denominada persecução criminal.
Em março de 1926, Silvino Olavo da Costa era nomeado 1º Promotor Público da Capital paraibana pelo então Presidente do Estado Dr. João Suassuna – a quem chamava de “meu eminente amigo” -, sobressaindo-se nas lides jurídicas.
Apesar da previsão de concurso, o provimento na maior parte ocorria através de portaria do governo estadual. Não obstante, o governador privilegiava o critério do notável saber jurídico evitando-se que “leigos e pessoas quase analfabetas exerçam cargos importantes da magistratura e ministério público” (MS-AL: 1926).
Silvino era conhecido não apenas pelo seu livro de poesias (Cysnes), mas pela publicação de sua tese de formatura: “Estética e Socialização do Direito”, vertida para a língua inglesa, e publicada em N. York. Além disso, era um grande orador. Eis o registro de sua atuação:
Nomeado promotor público da capital, por João Suassuna, se destaca na tribuna forense como orador e jurista de escol” (PEREIRA: 2015).

Para comemorar o fato, reúne os amigos para uma agradável ágape. Com efeito, os seus contemporâneos o tinham como uma das mentes mais brilhantes do direito de sua época.
Deste acontecimento nos dá conta o jornal A União, a seguir transcrito:
Por motivo de sua recente nomeação para o cargo de 1º Promotor Público desta Capital, ao ilustre intelectual dr. Silvino Olavo um grupo de amigos vai oferecer um almoço, que terá lugar sábado, num hotel desta Capital” (A UNIÃO: 09/03/1926).

O Júri da Capital se reuniu quatro vezes em 1926. A primeira e a segunda seção foram presididas pelo Juiz do 1º Ofício, ao qual Silvino estava vinculado, submetendo a julgamento 21 processos (MS-AL:1927).
Exercendo este “múnus” público ainda enfrentou uma audaciosa peleja jurídica. Por ocasião da seção do 1º Tribunal do Júri da Capital de 1927, Silvino conseguiu a condenação de um réu. Insatisfeito, o Advogado do acusado, Dr. Evandro Souto, impetrou habeas corpus. O caso estava pendente de recurso no antigo Superior Tribunal - hoje Tribunal de Justiça da Paraíba - onde 200 feitos aguardavam o mesmo deslinde.
A defesa pugnava pela nulidade do processo, por se encontrar o dito promotor interinamente no cargo. A teoria da transitoriedade era falha, pois à época existia uma norma que proibia a administração de nomear interinamente os promotores, que era seguida à risca por Suassuna.
Na verdade, Silvino assumiu as funções de promotor em substituição ao Dr. Manuel Paiva, que se afastou do cargo para assumir a Procuradoria Geral do Estado (MS-AL: 1926). Acreditamos, portanto, que o Tribunal parahybano desproveu o recurso, denegando a ordem de habeas corpus.
Também na qualidade de Promotor de Justiça Silvino passa a integrar o Conselho Penitenciário do Estado, cuja finalidade era a de emitir pareceres sobre a liberdade dos apenados. Instalado em maio de 1927, este colegiado era constituído por “autoridades, advogados e médicos” (SUASSUNA: 1927, p. 58).
Faziam parte do Conselho, além do nosso ilustre poeta: Guilherme da Silveira (advogado), José Américo de Almeida (Consultor Jurídico do Estado), Adhemar Vidal (Procurador da República), Irineu Joffily (advogado), os médicos Newton Lacerda e Joaquim de Sá e Benevides e o Diretor da Cadeia Dr. Arthur Urano. Segundo o relatório presidencial, enviado à Assembleia Legislativa:
Foram emitidos pelo Conselho 43 pareceres sobre indulto e 5 sobre livramento condicional. Destes, obtiveram parecer favorável dois, sendo postos em liberdade os sentenciados Manuel Galdino Gomes e Belarmino Luiz de França.
Das 43 petições de indulto, apenas 5 foram informadas de modo favorável pelo Conselho e por mim atendidas pelos decretos 1.442 e 1.447, de 9 de agosto e 7 de setembro do corrente ano, em homenagem à chegada do Presidente Wahsington Luiz a esta Capital e ao 7 de setembro de 1822” (MS-AL: 1926).

Ao final do mandato de Suassuna (1924-1928), Silvino fora então exonerado, tendo atuado como Promotor até fevereiro de 1928.

Rau Ferreira


Referências:
- A UNIÃO, Jornal. Órgão oficial da Parahyba. Edição de 05 de fevereiro. Parahyba do Norte: 1928.
- A UNIÃO, Jornal. Órgão oficial da Parahyba. Edição de 09 de março. Parahyba do Norte: 1926.
- A UNIÃO. Jornal. Órgão oficial da Parahyba. Edição de 01 de outubro. Parahyba do Norte: 1926.
- FERREIRA, Rau. Silvino Olavo. Epgraf. Edições Banabuyé. Esperança/PB: 2010.
- FOLHA DA MANHÃ, Jornal. Ano III, N. 897. Edição de 11 de novembro. São Paulo/SP: 1927.
- PEREIRA, Cleanto Gomes. Um notável poeta louco. Disponível em: http://salesferreira.blogspot.com.br/2014/12/silvino-olavo-um-notavel-poeta-louco.html, acesso em 30/10/2015.
- SUASSUNA, João. Mensagem à Assembléia Legislativa. Impr. Oficial. João Pessoa/PB: 1926.
- SUASSUNA, João. Mensagem à Assembléia Legislativa. Impr. Oficial. João Pessoa/PB: 1927.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Esperança caminha para instalação do seu instituto histórico e geográfico/ IHGE

Em reunião deliberativa autoridades, intelectuais, poetas, acadêmicos e algumas das principais instituições ligadas à história e à cultura de Campina Grande e Esperança, estiveram em reunião, na tarde desta quinta-feira (14/12), no Centro Cultural e Biblioteca “Dr. Silvino Olavo”, em torno do ideal da fundação do IHGE – Instituto Histórico e Geográfico de Esperança. A ideia que surgiu em 2014, volta a ser discutida pela sociedade esperancense, na perspectiva de resgate da memória local, com o apoio dos Institutos Paraibano, representado pela Dra. Maria Ida Steinmuller, Campinense (Edmilson Rodrigues) e de Serra Branca, na pessoa do Prof. Thomas Bruno Oliveira (IHGP, IHCG e IHGSB),  Nuphel – Núcleo de Pesquisa e História Local/UEPB, pelo Professor Flávio Carreiro, Fórum Independente de Cultura de Esperança, com o ativista Evaldo Brasil (FIC) e da Sociedade Parahybana de Arqueologia (SPA), através do escritor Vanderley de Brito. Participam ainda o Secretário de Educação do Município, pa…

Antiga Capela do Cemitério

A ampliação do cemitério público acontecida há alguns anos fez desaparecer a antiga capela que existia no centro deste Campo Santo. Muitos ainda se lembram daquele galpão dedicado as orações, onde se acendiam velas às almas. Não era muito grande, mas o suficiente para se encomendar o corpo com as exéquias. Ali se encerrava o cemitério, existindo poucas covas por trás daquele edifício e em sua volta, por onde se passava com dificuldades. Até 1930 a administração do cemitério era atribuição da igreja, por ter sido por esta construída, segundo a tradição, no final do Século XVII por obra do missionário Padre Ibiapina para enterrar as vítimas da cólera. Através do Ofício nº 70, de 17 de dezembro de 1930, em ordem ao Decreto Estadual nº 29 do mesmo mês e ano, que direcionava às prefeituras municipais todos os cemitérios existentes no Estado, solicitava o Vice-prefeito Inácio Rodrigues de Oliveira da autoridade eclesiástica local as chaves do cemitério. Foram entregues à edilidade não apenas…