Pular para o conteúdo principal

Homenagem à Nené Barbosa

Nené Barbosa
Hoje presto homenagem a uma pessoa simples, um agricultor que fez parte da história deste Município: Manuel Barbosa da Silva, conhecido por Nené.
Os mais antigos devem lembrar de seu Nené que era muito requisitado por políticos para falar em seus discursos.
Nené gostava muito de ler versos, e por inspiração também escrevia as suas rimas. Católico fervoroso, tinha muitas amizades em Esperança, a exemplo de Diogo Batista, Didi de Lita, Mané Galego, Everaldo e Pretinho Cavalcante. Cantava na rua, fazia seus poemas e alegrava os corações.
Em contato com os familiares de Zé Miúdo, na pessoa de Júnior, consegui resgatar um de seus trabalhos, escrito por ocasião da última visita de Frei Damião à Esperança:



“Esperança – 17-4-78

Esperancense você desperte
Com alma e vida e coração
Vamos todos reunidos
Até a pé da conversão
Como estava prometido
E mesmo assim foi chegado
O nosso Frei Damião.

Todas as autoridades
Com sua emergência
Prestando grande homenagem
Todas com obediência
Até chegar nosso pastor
Como o rei da ciência.

Frei Damião de Bozano
O primeiro sem segundo
Estando dentro de Esperança
Com seu saber profundo
Só parecia São Pedro
Quando pregava no mundo.

Esperança se achava
Com uma grande alegria
Com uma grande multidão
Na tarde daquele dia
Todos ficaram abismados
Com aquela romaria.

Gente de toda a parte
Até do sul do país
Estavam todos reunidos
Lá na frente da Matriz
Para assistir a missão
Julgando ser mais feliz.

Nosso Monsenhor Palmeira
Junto com seus secretario
Trabalhando dia e noite
Até pé do confessionário
Com sua equipe de padre
E uns dois missionário.

Gente de toda parte
Do brejo até o sertão
Os nossos frades chamando
Até pé da confissão
Para ver si assim tem jeito
O caminho da salvação.

E esta tão grande missão
Para nós foi um espelho
Abalando o povo em massa
Com o som daquele aparelho
Chamando o povo em massa
A Virgem do Bom Conselho.

Assim meus caros amigos
Já fiz minhas saudações
Já não vamos esquecer
As Santas Missões
Que tanto vai abalar
Nossos pobres corações.

17 de abril
Já não se esquecerei
Em que todos esperava
A vinda do nosso frei
Trazendo as santas palavras
De Cristo que é nosso rei.

Aqui vou terminar
Com lágrimas sentimentais
Uma saudade sem fim!
Do meu coração não sai
Aqueles dias felizes
Não esquecerei jamais.

Nené nasceu em 1923 e deixou saudades em 27 de março de 2005.


Rau Ferreira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Esperança caminha para instalação do seu instituto histórico e geográfico/ IHGE

Em reunião deliberativa autoridades, intelectuais, poetas, acadêmicos e algumas das principais instituições ligadas à história e à cultura de Campina Grande e Esperança, estiveram em reunião, na tarde desta quinta-feira (14/12), no Centro Cultural e Biblioteca “Dr. Silvino Olavo”, em torno do ideal da fundação do IHGE – Instituto Histórico e Geográfico de Esperança. A ideia que surgiu em 2014, volta a ser discutida pela sociedade esperancense, na perspectiva de resgate da memória local, com o apoio dos Institutos Paraibano, representado pela Dra. Maria Ida Steinmuller, Campinense (Edmilson Rodrigues) e de Serra Branca, na pessoa do Prof. Thomas Bruno Oliveira (IHGP, IHCG e IHGSB),  Nuphel – Núcleo de Pesquisa e História Local/UEPB, pelo Professor Flávio Carreiro, Fórum Independente de Cultura de Esperança, com o ativista Evaldo Brasil (FIC) e da Sociedade Parahybana de Arqueologia (SPA), através do escritor Vanderley de Brito. Participam ainda o Secretário de Educação do Município, pa…

Antiga Capela do Cemitério

A ampliação do cemitério público acontecida há alguns anos fez desaparecer a antiga capela que existia no centro deste Campo Santo. Muitos ainda se lembram daquele galpão dedicado as orações, onde se acendiam velas às almas. Não era muito grande, mas o suficiente para se encomendar o corpo com as exéquias. Ali se encerrava o cemitério, existindo poucas covas por trás daquele edifício e em sua volta, por onde se passava com dificuldades. Até 1930 a administração do cemitério era atribuição da igreja, por ter sido por esta construída, segundo a tradição, no final do Século XVII por obra do missionário Padre Ibiapina para enterrar as vítimas da cólera. Através do Ofício nº 70, de 17 de dezembro de 1930, em ordem ao Decreto Estadual nº 29 do mesmo mês e ano, que direcionava às prefeituras municipais todos os cemitérios existentes no Estado, solicitava o Vice-prefeito Inácio Rodrigues de Oliveira da autoridade eclesiástica local as chaves do cemitério. Foram entregues à edilidade não apenas…