Pular para o conteúdo principal

Sol: Um erro de meio século

Quando das minhas andanças por força do ofício na Beleza dos Campos, deparei-me com um cidadão que me mostrando uma casa moderna disse que ali residiram dois grandes do direito local: um tal Silvino e o outro Dr. Durval.
Conheci o segundo, já velho e cansado peticionando em alguns processos criminais que diziam ser especialista, advogando para gente abastarda e comerciantes de carnes. Cheguei a visitar sua vasta biblioteca com aqueles compêndios encadernados e coleções de direito A-Z. Pareceu-me mesmo um grande tribuno defendendo a sua causa no júri. Foi a minha primeira grande impressão e acho até que estava decidido a ser bacharel. Não durou muito e, formado sem anel no dedo, aspirava já ser promotor...
Mas o que reclama esta minha crônica não é a vida pessoal e sim o que me dissera aquele desconhecido numa tarde de quinta-feira.
Narrava-me que certa feita que Silvino avistando o funeral de uma criança que passara repetira: “Nem todas as flores tem a mesma sorte, umas enfeitam a vida outras enfeitam a morte”.
De certo que imaginara o interlocutor ser de sua autoria a frase posta, que guardei na memória. Anos depois descobri que esta pertence ao provérbio português, também citado numa das canções por Bob Marley.
Na época nem imaginei que o velho quisesse exaltar a figura de um poeta que, para mim era desconhecido.
Anos mais tarde, me embrenhando na pesquisa cheguei à conclusão leviana: Silvino nunca dissera tal impropério como sendo seu e se o fizera certamente não fora esses os versos.
Creio, por mais absurdo que pareça, que a sua intenção – se é que o fato atribuído pelo transeunte realmente existiu – era recitar a quadra que fora publicada em ’97 na sua obra “Badiva”:

Atropelos d’Esta: - Senhor!
Antes da Vida e da morte!
Se tem sorte e tem amor,
Só tem amor, não tem sorte!

Pretensão minha querer corrigir um erro de meio século.
Quem sabe tudo não passou de uma “Bravata” daquele desconhecido, desfiando este pobre neófito recém concursado a conhecer a sua própria história.
Na lida diária fui testado em todos os sentidos. Mas fica aqui o registro: se as flores têm sorte diferente que dirá deste pobre escritor!


Rau Ferreira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Esperança caminha para instalação do seu instituto histórico e geográfico/ IHGE

Em reunião deliberativa autoridades, intelectuais, poetas, acadêmicos e algumas das principais instituições ligadas à história e à cultura de Campina Grande e Esperança, estiveram em reunião, na tarde desta quinta-feira (14/12), no Centro Cultural e Biblioteca “Dr. Silvino Olavo”, em torno do ideal da fundação do IHGE – Instituto Histórico e Geográfico de Esperança. A ideia que surgiu em 2014, volta a ser discutida pela sociedade esperancense, na perspectiva de resgate da memória local, com o apoio dos Institutos Paraibano, representado pela Dra. Maria Ida Steinmuller, Campinense (Edmilson Rodrigues) e de Serra Branca, na pessoa do Prof. Thomas Bruno Oliveira (IHGP, IHCG e IHGSB),  Nuphel – Núcleo de Pesquisa e História Local/UEPB, pelo Professor Flávio Carreiro, Fórum Independente de Cultura de Esperança, com o ativista Evaldo Brasil (FIC) e da Sociedade Parahybana de Arqueologia (SPA), através do escritor Vanderley de Brito. Participam ainda o Secretário de Educação do Município, pa…

Antiga Capela do Cemitério

A ampliação do cemitério público acontecida há alguns anos fez desaparecer a antiga capela que existia no centro deste Campo Santo. Muitos ainda se lembram daquele galpão dedicado as orações, onde se acendiam velas às almas. Não era muito grande, mas o suficiente para se encomendar o corpo com as exéquias. Ali se encerrava o cemitério, existindo poucas covas por trás daquele edifício e em sua volta, por onde se passava com dificuldades. Até 1930 a administração do cemitério era atribuição da igreja, por ter sido por esta construída, segundo a tradição, no final do Século XVII por obra do missionário Padre Ibiapina para enterrar as vítimas da cólera. Através do Ofício nº 70, de 17 de dezembro de 1930, em ordem ao Decreto Estadual nº 29 do mesmo mês e ano, que direcionava às prefeituras municipais todos os cemitérios existentes no Estado, solicitava o Vice-prefeito Inácio Rodrigues de Oliveira da autoridade eclesiástica local as chaves do cemitério. Foram entregues à edilidade não apenas…