Pular para o conteúdo principal

Voto de divergência

Situação e oposição vivem em acirrada briga, cada um querendo defender as cores do seu partido. Nas ruas, nas praças e nos “mourões” o termômetro da política pode ser sentido, mas o palco onde essas experiências se notabilizam é o legislativo-mirim.
Aqui como em todo canto, há sempre aquele político que fica “em cima do muro”. Nos anos 60, um liturgo esperancense enviou para a Câmara um projeto de lei instituindo o “voto-misto”.
Na justificativa, dizia o edil, muitas vezes o vereador se vê numa posição melindrosa. É que em certos casos o prefeito envia para a Câmara um projeto que, em princípio, pode beneficiar a população, mas as circunstâncias também podem lhe favorecer numa campanha próxima.
Neste caso, “a consciência parlamentar não quer votar contra, por reconhecer virtudes, nem quer votar a favor, pela existência dos defeitos. E sempre há matéria em que as circunstâncias não permitem uma definição clara de voto. Como agir então? Aí é que encontra o chamado voto-misto”.
Segundo o projeto, em casos desta natureza, o sufrágio daria “ao vereador direitos de votar ao mesmo tempo contra e a favor de um projeto, livrando-se pois a sua consciência legislativa de possíveis remorsos parlamentares”!
O requerimento solicitando o voto de divergência teria sido apresentado à Colenda Câmara na última sessão de agosto de 1969. Por esse tempo, já se ouvia o burburinho do AI-5. Rumores de perseguições, e alguns desmandos militares.
Pouco tempo depois Câmaras eram dissolvidas e parlamentares cassados por “decoro parlamentar”. Tempos difíceis que justificariam, por assim dizer, uma neutralidade política.

Rau Ferreira

Fonte:
- DIÁRIO DE PERNAMBUCO, Jornal. Nº 181, Ano 184. Recife/PE: 1969.
- PLANALTO, Ato Institucionais Nº 5, de 13/12/1968, e Nº 10, de 16/05/1969.

- PLANALTO, DL 201/67. Dispõe sobre a responsabilidade de prefeitos e vereadores, e dá outras providências.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Pesquisador do IHGE encontra documento histórico

O pesquisador Ismaell Filipe, sócio do Instituto Histórico e Geográfico de Esperança - IHGE, encontrou recentemente alguns documentos que datam de 1851, e que fazem alusão à origem do nosso Município. Trata-se de dois registros, para ser mais exato, de casamento, realizados no lugar denominado “Sítio Banabuié”, em casa de Severino de Medeiros Lima, cerimônia realizada pelo vigário José Antunes Brandão, pároco de Alagoa Nova. As buscas ocorreram junto aos arquivos paroquiais do Município de Alagoa Nova e constituem um marco divisório da nossa história. De fato, esta foi a denominação adotada, desde a concessão da Sesmaria de Banaboié e Lagoa de Pedra (1713) e que perdurou até 1870, quando então foi alterado para “Boa Esperança”. Segundo registros Ultramarinos existentes na Torre do Tombo em Portugal, este sítio ficava à beira de um açude, que em nossa opinião seria o reservatório do Araçá. O confrade Gilson Santiago, em conversa informal com o editor deste blog, certa feita, destacou que …

Achados históricos da Igreja Matriz

A Matriz de N. S. do Bom Conselho tem origem na Capela de igual nome construída no mesmo lugar onde este templo se encontra assentado. A principal reforma que modernizou a sua arquitetura teve início em 08 de novembro de 1939, por iniciativa do Monsenhor João Honório de Melo, que retirou as antigas torres, deixando apenas uma central com aproximadamente 14 metros. Concluído os trabalhos, foi reinaugurada em 14 de abril de 1940. Na oportunidade, foram concedidas as bênçãos e entronização do salão superior da efigie da Sagrada Família. No livro de tombo, há o seguinte registro: “A referida parte nova é um complemento a nossa Igreja Matriz que se compõe de um pavimento térreo, onde funcionam sacristia, secretaria e sala de alfaias, e um andar superior de um só salão, destinado as reuniões das associações religiosas e a sede da ação Católica” (Livro Tombo I: 14/04/40).
Ao longo desses anos, passou por reformas, contudo as mais recentes têm mostrado algumas peculiaridades. Os retoques no rebo…