Pular para o conteúdo principal

Barbeiros Esperancenses

Zé Costa fazendo a barba de Chico Braga
Narrando as suas memórias, o ilustre João de Patrício relata a extinção dos barbeiros, cujo texto está publicado no seu blog “Revivendo Esperança”. Neste, relembra Zé Costa, que também atuou no município como Fiscal de Menores, função que muito se assemelha àquela que é realizada pelos Conselheiros Tutelares.
Assim, gostaria de dar a minha contribuição, lembrando os antigos barbeiros que atuaram em Esperança: Zé Calor, no início da rua do Sertão; Luiz Barbeiro, casado com dona Terezinha; Pedro Barbeiro, ao lar do Bar de Basto Finfa; Antônio Barbeiro, que durante muito tempo trabalhou vizinho à Didi de Lita, e depois se mudou para o lado da Igreja; Raimundo da Madeireira, que por um tempo também cortou cabelo, e Antônio Barbeiro, pai de Mané Galego.
Cícero Clementino
Dentre estes, escolhi o Sr. Cícero Clementino dos Santos para homenagear. Seu Cícero ingressou na profissão aos 17 anos, e trabalhou por mais de 55 anos como barbeiro. Lembro-me de seu salão na Travessa Clemente de Farias, n° 75, de duas portas e uma meia-parede pintada. Era um senhor alto de bigode simpático e educado. Devo ter cortado cabelo com ele umas duas ou três vezes, mas meu avô Antônio Ferreira foi freguês assíduo. Ele faleceu aos 72 anos.
O curioso é que nessa arte o profissional perde o seu sobrenome, ficando conhecido pelo epíteto de “Fulano Barbeiro”. O próprio Dr. João nos informa os barbeiros Josias e Severino de dona "Chiú", além do inesquecível Rangel que, como disse em seu artigo, é um capítulo a parte da nossa história.
O corte da época era o “alemão”, passado à máquina zero, ou o “ameríndio”, aquele que mais parecia um recorte de uma cuia. Já o salão não tinha nada de sofisticação, apenas uma cadeira própria para o serviço e bancos de espera, alguns espelhos e uma mesinha que servia para guardar pentes, tesouras, espuma de barbear e a loção pós-barba. Essas casas lotavam aos sábados, véspera da missa dominical.
Em atividade apenas três remanescem: Neguinho, na rua Dr. Silvino Olavo, que é da família Alexandre; Manoel Galego, no início da Solon de Lucena, e Assis que é pai do Padre Carlos, próximo à Marquinhos da Xerox.
Hoje, como diz a citada matéria, essa profissão está em extinção, pois a moda é freqüentar os salões unisex, e ninguém mais faz a barba em casa, preferindo assim os estojos portáteis. Isso fez surgir outra figura nesse ramo, a do “Cabeleireiro”, que somente se ocupa da parte superior da cabeça, da cabeleira por assim dizer, deixando de lado barba e bigodes.


Rau Ferreira

Comentários

  1. Realmente uma profissão que hoje está extinta, mas é muito bom relembrarmos os nossos antepassados que fizeram parte da história de nossa cidade. Parabéns bom trabalho.

    ResponderExcluir
  2. Verdade falar dos barbeiros porque não lembrar de meu avo cicero clementino dos santos conhecido por cicero barbeiro homem simples e digno muito religioso,trabalhou não só como barbeiro mas como agricultor um dos grandes produtores de batatinha da cidade de esperança na e poca ...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Antiga fábrica de caixões

Houve um tempo que não existiam planos pós-morte e que o povo carente se enterrava com a própria rede. Ser conduzido em um ataúde para a morada eterna era um luxo para poucos. Os falecidos eram velados nas próprias residências de um dia para o outro. Servia-se café na cozinha, enquanto que os homens ficavam na sala contando histórias de “trancoso”. O município passou então a dar o artefato, mas dia sim e dia não tinha uma viúva batendo a porta da prefeitura, foi então que alguém resolveu instalar uma fábrica de caixões na rua Theotônio Tertuliano, por trás da Secretaria de Educação. O caixão fúnebre era construído dessas madeiras de caixa de batata, com alguns caibros para dar sustentação. Forrava-se com um plástico fino, de cor azul para homem ou roxo e rosa para mulheres. Na tampa se colocava um vidro para ver o ente querido. Era pequeno e, a depender do defunto, precisava fazer alguns ajustes. A prefeitura também dava a mortalha, que era um camisão, enquanto que as flores ficaram a …

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…