Pular para o conteúdo principal

Um livro sobre Silvino Olavo (Roberto Cardoso)

Do Guia G2, Coluna "Tá Ligado?"
Em 14/11/2010.

Esperança vai ganhar um livro sobre uma figura ilustre da terra, o poeta Silvino Olavo. Há vários livros escritos sobre o poeta e sua obra, mas dessa vez, é diferente. A iniciativa nasce na própria terra onde o poeta ensaiou os seus primeiros passos e “jogou os seus jogos pueris”. As novas gerações vão conhecer mais sobre um personagem que fugiu jovem de casa para estudar e se projetar na vida. Não fosse a esquizofrenia que o acometeu, certamente a História do município seria contada de forma bem diferente. Estou ansioso para ler este livro que está no prelo e que brevemente circulará.
A iniciativa da publicação é de Rau. Rau nada. Hasenclever. E não estou falando de Walter Hasenclever, o dramaturgo e poeta alemão do início do século passado. Estou falando de Hasenclever Ferreira Costa. Sujeito de jeito para as coisas de cultura. Mantém blog’s sobre história (historiaesperancense.blogspot.com; memoep.tk, entre outros) e está sempre antenado quando o assunto é literatura, poesia, artes e patrimônio cultural. Com idéias e recursos próprios Rau, ao lançar este livro, está se inscrevendo na galeria dos intelectuais que se preocupam com o futuro cultural da cidade. A partir deste feito, ele se consolida como o único esperancense com ousadia e arrojo para, individualmente, empreender um projeto dessa envergadura. O futuro desde já lhe agradece.
Hasenclever Ferreira Costa é filho do meu saudoso amigo Elzo Dias Costa  Beinha. Beinha morou na minha rua. Serviu à Aeronáutica, em Natal, capital potiguar. Trabalhou como apontador da construtora Camargo Correia, durante a construção da BR 104 Norte - Anel do brejo - feito em 1970, durante o governo João Agripino. Por longos anos usei os seus serviços como atendente da Empresa Viação São José, no mesmíssimo lugar onde continua hoje, número 43 da Rua Manuel Rodrigues. Largou nosso convívio prematuramente, há 22 anos, depois de padecer por longos meses com um câncer de colo intestinal. Quem ocupa o seu lugar na São José são os irmãos Djalma e Djair.
Ao contrário de Sapé, Areia ou Monteiro, cujos administradores sempre tiveram zelo pela cultura e preservação do patrimônio artístico e cultural, Esperança é meio infeliz nesse aspecto. Ao longo da sua história tem delapidado o patrimônio arquitetônico por falta de uma legislação preservacionista. Atualmente nosso legislativo é composto por homens com bastante respaldo popular mas sem muita noção do seu papel na Câmara Municipal. Tanto é que estamos defasadíssimos quando o assunto é atualidade legislativa. O teste aplicado ao deputado mais votado do Brasil – o palhaço Tiririca -, em São Paulo, caberia também a alguns parlamentares mirins.
Infelizmente - coisas da democracia - a cidade tem uma tradição de colocar no poder sempre pessoas pouco afeitas às iniciativas culturais. Pois bem, nesse aspecto, Esperança está forjando um herói. É preocupado com a história do município, escreve para jornais, tem blog sempre atualizado com perfis de figuras do povo que vem construindo a história da cidade.
Editar um livro não é uma tarefa fácil. Envolve, além da habilidade com as letras, um seleto grupo de profissionais das artes gráficas. Nisto consiste transformar idéias em forma palatável e útil para um segmento da população. Cada livro tem um público específico. Da seleção e preparação dos originais, passando pelo projeto gráfico, até a impressão vai um bocado de tempo e muita torração de paciência.
Rau, quero aqui deste espaço saudá-lo pelo projeto. Sua iniciativa tem a virtude de não ser pela sua projeção pessoal. Muito antes pelo contrário, visa o coletivo. Soube que você procurou apoio no Executivo municipal, onde foi recepcionado com pompa e circunstância, mas recebeu um sonoro NÃO. Claro que esse NÃO, não lhe arrefeceu os ânimos. Parabéns! Estou para apoiar e contribuir.


Roberto Cardoso

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…