O Tronco, poema de Magna Celi.

By | 5.9.09 Deixe seu comentário
E era o negro
e era o tronco,
e era o negro no tronco,
o tronco do negro no tronco.
E a seiva descia,
e o sangue corria,
o sangue do negro no tronco.
E o látego fustigava
a carne vegetal,
o tronco do negro no tronco.
E o tronco gemia
o lamento do negro no tronco.
E o tronco era o negro,
e o negro era o tronco,
o tronco do negro destroncado.
E o tronco sangrou...
E o tronco era o negro,
e o negro era o tronco,
o tronco do negro no tronco.
O tronco enegreceu,
e o negro fundiu seu tronco
no tronco,
e o sangue do negro gotejou o chão,
espirrou,
e escreveu
uma parte da História do Brasil.

Magna Celi de Souza

Fonte:
- Extraído do livro: "Sangue e Luz", João Pessoa, 1985.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
Postar um comentário