Pular para o conteúdo principal

O ciclo do algodão em Esperança

O ciclo do algodão teve uma grande importância em nosso Município. Aqui o apogeu fazia sentir-se em vários setores, especialmente no agrícola e comercial. Este produto chegou a competir com a própria batatinha, considerada nossa cultura principal.
O algodão herbáceo outrora fora denominado de “ouro branco”. Antigamente, “Os algodoeiros frondosos como grandes arbustos, davam boa safra” (Jornal Gazeta, 9/11/1888).
O mesmo acontecia em Esperança, cuja produção tinha grande potencial. Nesse tempo havia quatro vapores na cidade de descaroças algodão e prensas para enfardar o produto, de onde seguiam para abastecer os armazéns de Campina Grande.
Nessas paragens, foram muitos os que cultivaram a planta que serve entre muitas coisas para o tear, sobremaneira nas décadas de 30/40. Mas a atenção comercial ainda estava voltada para a criação de gado, chamada de a “mercadoria que anda”.
O Annuário da Parahyba (1930) registra os seguintes produtores de algodão, os quais possuíam até marca registrada: Francisco Bezerra da Silva (marca: Acary); Júlio Ribeiro da Silva (marca: Mary); Sebastião Donato (marca: Donato) e Theotônio Rocha (marca: Fé).
O algodão chegou a competir com os cereais e a própria batatinha, que foi por assim dizer a nossa principal cultura. Nesse tempo havia quatro vapores de descaroçar algodão na cidade e prensas para enfardar o produto, de onde seguiam para abastecer os armazéns de Campina Grande. Na época, “era constante o tráfego, com vários motores com significante número de burros pelas ruas e estradas de Esperança” (Mobral: 1985).
Por aqui há uma lenda urbana que, nos anos 30, um padre estava a celebrar uma missa, mas sentia-se incomodado com o estrondo barulho das descaroçadeiras de algodão que funcionava na rua principal. Pediu a um dos acólitos para solicitar do comerciante que desligasse a máquina durante a celebração, recebendo esse uma grossa resposta. O religioso não discutiu, apenas fez o “sinal” da cruz em direção ao edifício, e por encanto o maquinário deixou de operar. Coincidência ou não, a descaroçadeira teria quebrado passando alguns dias sem funcionar. Naquele tempo os religiosos eram homens de muita fé e, se esta pode remover montanhas, o que não se dirá de uma pequena máquina?
O algodão era acondicionado em unidades de 70 quilos cada, sendo que cada caminhão carregava 24 fardos.
O Livro do Município registra que: “Era constante o tráfego, com vários motores com significante número de burros pelas ruas e estradas de Esperança”, até serem transportados para Campina Grande para serem embarcados no trem para Pernambuco com destino às fábricas.
O trem para o Recife parte, alternadamente, num dia às 6:40 AM, e noutro às nove horas, afim de combinar as correspondências com os combóios de Natal e João Pessoa.
Por ser um produto perecível e altamente inflamável, havia certo cuidado no seu armazenamento. Evitava-se que fumantes se aproximassem e até um pouco d´água era jogado sobre os fardos em dias de calor. Todas essas precauções não foram suficientes para evitar um grande incêndio que ocorreu em 1932, na estação de Campina. Muitos produtores amargaram o prejuízo, enquanto outros tinha sua carga assegurada em uma companhia de Londres.
Com a crise do algodão e outros fatores, o cultivo desta planta perdeu terreno para outras culturas, e hoje praticamente não há investimentos desta monocultura em nosso Município.

Rau Ferreira

Referências:
- ALMEIDA, José Américo. A Paraíba e seus problemas. Ed. União. Secretária do Estado da Paraíba. João Pessoa/PB: 1980.
- ESPERANÇA, Livro do Município de. Ed. Unigraf. Esperança/PB: 1985.
- FERREIRA, Rau. Silvino Olavo. Epgraf. Esperança/PB: 2010.
- JOFFILY, Geraldo Irineu. Um cronista do sertão no século passado. Comissão Cultural do Município, Prefeitura Municipal de Campina Grande: 1965, p. 15;
- JOFFILY, Irineu. Notas sobre a Paraíba. Edição fac-similar de 1892. Ed. Thesaurus: 1977.
- MEDEIROS, Coriolando de. Dictionário corográfico do Estado da Paraíba. Ministério da Educação e Saúde Pública. 2ª Ed. Departamento de Imprensa Nacional: 1950, p. 91/92.
- O COMMERCIO, Jornal. N. 3052. Edição de 09 de outubro. Parahyba do Norte: 1907.
- PARAHYBA, Annuário da. Anuário Estatístico. Governo da Parahyba. João Pessoa/PB: 1930..
- RIBEIRO, Hortênsio de Souza. A imprensa em Campina Grande. R.IHGP, Vol. 11. João Pessoa/PB: 1948.
- SOCIEDADE DE GEOGRAPHIA, Revista da. Tomo XXXV, 1º Semestre. Rio de Janeiro/RJ: 1932

- Wikipédia: Algodão. Disponível em: http://pt.wikipedia.org, acesso 17/02/2011.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Pesquisador do IHGE encontra documento histórico

O pesquisador Ismaell Filipe, sócio do Instituto Histórico e Geográfico de Esperança - IHGE, encontrou recentemente alguns documentos que datam de 1851, e que fazem alusão à origem do nosso Município. Trata-se de dois registros, para ser mais exato, de casamento, realizados no lugar denominado “Sítio Banabuié”, em casa de Severino de Medeiros Lima, cerimônia realizada pelo vigário José Antunes Brandão, pároco de Alagoa Nova. As buscas ocorreram junto aos arquivos paroquiais do Município de Alagoa Nova e constituem um marco divisório da nossa história. De fato, esta foi a denominação adotada, desde a concessão da Sesmaria de Banaboié e Lagoa de Pedra (1713) e que perdurou até 1870, quando então foi alterado para “Boa Esperança”. Segundo registros Ultramarinos existentes na Torre do Tombo em Portugal, este sítio ficava à beira de um açude, que em nossa opinião seria o reservatório do Araçá. O confrade Gilson Santiago, em conversa informal com o editor deste blog, certa feita, destacou que …

Achados históricos da Igreja Matriz

A Matriz de N. S. do Bom Conselho tem origem na Capela de igual nome construída no mesmo lugar onde este templo se encontra assentado. A principal reforma que modernizou a sua arquitetura teve início em 08 de novembro de 1939, por iniciativa do Monsenhor João Honório de Melo, que retirou as antigas torres, deixando apenas uma central com aproximadamente 14 metros. Concluído os trabalhos, foi reinaugurada em 14 de abril de 1940. Na oportunidade, foram concedidas as bênçãos e entronização do salão superior da efigie da Sagrada Família. No livro de tombo, há o seguinte registro: “A referida parte nova é um complemento a nossa Igreja Matriz que se compõe de um pavimento térreo, onde funcionam sacristia, secretaria e sala de alfaias, e um andar superior de um só salão, destinado as reuniões das associações religiosas e a sede da ação Católica” (Livro Tombo I: 14/04/40).
Ao longo desses anos, passou por reformas, contudo as mais recentes têm mostrado algumas peculiaridades. Os retoques no rebo…