Pular para o conteúdo principal

Desagravo (1923)

A Comunidade Católica em nosso município ainda engatinhava. A Paróquia recém-criada por ato de Dom Aurélio Miranda (1908), lutava para adornar o seu templo, adquirindo imagens dos santos venerados.
Há muito custo havia construído a Casa Paroquial (1916), mas em 1923 encomendara uma réplica do “Senhor Morto”. A relíquia lembra o corpo de Jesus pós-crucificação, mencionada nos evangelhos.
O Padre José Borges de Carvalho, vigário paroquial de 1922 à 1929, convidou os esperancenses a irem até Campina Grande, para receberem a imagem, trazendo-a em procissão para Esperança. O povo logo acorreu a solicitação, somando-se cerca de três mil católicos.
Padre Zé Borges era forte opositor da doutrina protestante, para quem dirigia fortes críticas. Ao tomarem conhecimento da recente aquisição para a igreja, dois evangélicos campinenses afrontaram aquela multidão, insultando o vigário e pretendendo falar à porta da Igreja de N. S. da Conceição.
Populares, indignados com aquela situação, vieram em defesa do religioso, formando-se um tumulto em praça pública que pretendia linchar os acusadores, não alcançando este intento graças à intervenção do delegado que conseguiu acalmar os ânimos em boa hora.
Após aquele incidente, o “Senhor Morto” foi conduzido até um veículo, de onde foi transladado para a Capela do Bom Conselho.

Rau Ferreira

Referências:
- PARÓQUIA, Revista Centenário (da). Ed. Jacinto Barbosa. Esperança/PB: 2008.

- O ESTADO, Jornal. Ano IX, Nº 2.807. Ed. 07 de novembro. Florianópolis/SC: 1923.

Comentários