Pular para o conteúdo principal

Maria da Paz Ribeiro Dantas

Maria da Paz Ribeiro Dantas. Fonte: http://www.substantivoplural.com.br/
A poetisa e ensaísta Maria da Paz Ribeiro Dantas nasceu em Esperança, no dia 25 de janeiro de 1940. Filha de Francisco Ribeiro dos Santos e d. Severina Ribeiro Dantas.
Concluiu o ensino primário em Campina Grande/PB. O gosto pela natureza adquiriu na Fazenda São Domingos, no Cariri paraibano.
Aos 14 anos teve pólio, doença que lhe deixou certa dificuldade de locomoção. No entanto, a sede de superar barreiras lhe foi peculiar.
A poesia entrou na sua vida aos 21 anos, quando colaborava em programas de rádio e jornais campinenses. Seu primeiro poema foi publicado em 1962, no Jornal do Comércio, em Pernambuco. Dois anos depois, um de seus poemas foi parar nas páginas da Revista Leitura e, no período de 1967 à 1972, escreveu resenhas para a revista cultural “Vozes”.
Radicada em Recife desde 1963, participou do movimento editorial pernambucano “Edições Pirata”, lançado alguns livros por este selo.
Nos anos 70, iniciou os estudos em torno do poeta, teatrólogo e engenheiro calculista Joaquim Cardozo. E, em 1983, concluiu seu mestrado em teoria da literatura, pela Universidade Federal de Pernambuco, defendendo a tese: “O mito e a ciência na poesia de Joaquim Cardozo”, que foi editada pela José Olympio (1985).
O seu primeiro livro, “Sol de Fresta”, recebeu menção honrosa no Prêmio “Fernando Chinaglia” (1977), sendo agraciada, ainda, através do Prêmio “Jordão Emereciano”, em 1984, pelo ensaio biográfico de Joaquim Cardozo; e pela sua obra sobre “Luiz Jardim”, editado pela Fundarpe em 1989. Além disso, possui inúmeras publicações em jornais e revistas. 
As suas principais obras são: “Sol de Fresta” (Edições Pirata, 1979); “Ilusão em Pedra” (Edições Pirata, 1981); “Joaquim Cardozo – ensaio biográfico” (1984); “O mito e a ciência na poesia de Joaquim Cardozo” (José Olympio, 1985); “Luiz Jardim – ficção e vida” (1989) e “Joaquim Cardozo – contemporâneo do fuguro” (2004).
Participou, ainda, das seguintes coletâneas: Palavra de mulher (1979); Álbum do Recife (1976); A cor da onda por dentro (1981); Poesia viva do Recife (1996); Vericuletos: chemins scabreux – Revue litteraire bilíngue (1997); Corpo lunar, Antologia poética (2002); Estação Recife IIII (2004), Pernambuco, terra da poesia (2005).
A seguir, damos a conhecer, dois de seus poemas, publicados na Web, cuja pesquisa está ao final deste título:

O CAPIBARIBE NO RECIFE
Nada mais doméstico
do que esse boi manso
pastando a si mesmo sob
a canga das pontes.
                                Maria da Paz R. Dantas

MATÉRIA CLARA
Tocar tua voz
fruto anoitecido em veludo.
Tua voz tocar
em pelo em pele em cor.
Lúcida textura
da manhã consumada.
                                Maria da Paz R. Dantas

Faleceu no dia 1º de setembro de 2011, aos 71 anos de idade, deixando inédito seu último livro sobre Joaquim Cardozo: Ser é paradoxal (inédito). A autora sofreu um enfarto e foi sepultada no Cemitério Santo Amaro, no Recife.

Rau Ferreira

Referências:
- CAMPOS, Antônio. CORDEIRO, Cláudia (Orgs). Pernambuco, terra da poesia: um painel da poesia pernambucana dos Séculos XVI ao XXI. Carpem Diem. Recife/PE: 2010.
- DANTAS, Maria da Paz Ribeiro. O mito e a ciência na poesia de Joaquim Cardozo: uma leitura barthesiana. Coleção Abreu e Lima. J. Olympio: 1985.

Pesquisas na Web:
- http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cultura/literatura/noticia/2011/09/02/falece-a-escritora-maria-da-paz-ribeiro-dantas-14915.php, acesso em 03/01/2017.
- http://www.jornaldepoesia.jor.br/mariadapaz.html, acesso em 03/01/2017.
- http://www.substantivoplural.com.br/falece-a-escritora-maria-da-paz-ribeiro-dantas/, acesso em 03/01/2017

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…