Pular para o conteúdo principal

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte III, por Joacil Braga Brandão)

Joacil Braga Brandão
Amigos Rau Ferreira, Evaldo Brasil, Pedro Dias do Nascimento, Martinho Júnior Corretor, Pedro Paulo de Medeiros.
A Minha Memória
No início da segunda metade da década de 60 foi instalada uma célula do Partido Comunista, oficialmente extinto, em Esperança. Os seus integrantes apoiavam nas eleições o antigo PSD.
As reuniões eram realizadas na oficina/sapataria de Jaime Pedão, localizada na Rua Nova, sempre à noite e de portas fechadas; as vezes se estendia até quase à meia noite. Dela participavam, além de Papai, o Jaime Pedão, o Simião, o Sr. Milton do IBGE, o Nicinho do Correio, e esporadicamente, o Sr. Chico Pitiu, o Fernando do Correio e um Odontólogo muito amigo do meu pai, que posteriormente se tornou compadre, mas cujo nome não estou recordando. O consultório odontológico funcionava numa sala no Grupo Escolar “Irineu Joffily”, e morava numa casa vizinha a Panificadora do Sr. Otávio.
Nas reuniões eram tratados assuntos de como angariar simpatizantes para a célula, a leitura do “Manifesto Comunista” e de “O Capital”, e a leitura dos livros e revistas que chegavam semanalmente da Embaixada da URSS e sua respectiva distribuição.
O Correio de Esperança tinha no seu quadro de pessoal três carteiros, o Sr. João Augusto, o Nicinho e o Fernando. Mas só os dois últimos entregavam as correspondências encaminhadas pela Embaixada para o meu Pai. O Sr. João Augusto tinha receio de se envolver. Os livros e revistas eram guardados numa estante de madeira na sala dos fundos do Foto Braga.
Em 1968 a efervescência política tomava conta do país, e o debate da ideologia era estimulado pela França. Em Esperança os componentes da célula começaram a intensificar conversas e discursões ideológicas em encontros sociais, bares e botequins, sem contudo assumirem que eram comunistas, mas ficou tão claro para a sociedade da época o comportamento desse grupo que posteriormente passaram a chamar de forma brincalhona cada um dos seus integrantes de “comunista”.
Naquela época ganhou destaque o Zezinho Bezerra, jovem, com inteligência acima da média, fluente e com discurso embasado e incendiário, e intelectualmente privilegiado. Estudava fora de Esperança, mas quando visitava a cidade movimentava a juventude e reunia amigos e admiradores na Sorveteria de Sr. Dedé e participava das reuniões na casa de Jaime Pedão.
Naquele momento também surgiu um pequeno grupo de amigos pensantes e interessados na ideologia comunista, e frequentávamos o Centro Estudantil de Esperança, que funcionava numa grande sala dispondo de mesa de ping-pong, revistas, jornais, palavras cruzadas e jogos de dama e xadrez. Era fácil identificar imediatamente dois grupos: um composto por jovens da boemia, e outro composto por jovens com maior abrangência cultural. Destaco aqui o Raimundo de Sr. Patrício, o Antônio Fernandes e o Antônio Ferreira. Este último entrou em contato comigo no Foto Braga e falou de forma reservada do interesse ao acesso dos livros e revistas vindos da Embaixada da URSS pelo Raimundo, e fez um convite para que eu participasse da formação da célula jovem. A minha tarefa seria intercambiar o material de propaganda comunista. Assim passei a agir, entregava os livros e revistas embrulhados em jornal, o Antônio Ferreira recebia e atravessava a rua em direção à loja de Sr. Patrício para entregar ao Raimundo.
O tempo passou e a vida institucional do país tomou outro rumo. A história vocês todos já conhecem. O acervo composto por livros e revistas foi transferido na calada da noite do Foto Braga para a nossa casa, na Rua do Sertão, e guardados no quarto do fundo do quintal. Envelhecidos, amarelados e cheios de poeira foram incinerados no quintal no final da década de 90. Cumpriram o seu papel, de estimular o debate crítico da política em Esperança.
Minha homenagem a Francisco Braga Sobrinho, o meu pai.
Um homem cordial, de visão humana e compromisso social.


31.10.2016, Joacil Braga Brandão

Comentários

  1. Ao meu amigo Joacil, parabéns pela publicação sobre a época revolucionária do Brasil, com reflexo na nossa cidade. Detalhes importantes, fragmentos da nossa historia que poucos conhecem. Tudo isso tem valor relevante para o conhecimento dos jovens da atualidade, Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Interessante o resgate dessas movimentações em plena década de 1968. Parabéns aos integrantes por terem lutado anonimamente pelo debate político ousado para aquela época e também para os dias atuais.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…