Pular para o conteúdo principal

Fome, poema de Graça Meira

Maria das Graças Duarte Meira

Em nosso BlogHE há um espaço dedicado aos parceiros, pessoas que mui gratamente se dispõe a escrever sobre a nossa história ou mesmo contribuem enviando algum poema. Este é o caso de Maria das Graças Duarte Meira, que hoje nos enviou um belo poema de sua autoria “Fome”.
A autora em questão tem a poesia nas veias, pois é irmã da querida escritora Magna Celi e da amiga Paula Francinete, filhas de Dona Maria Duarte, que tocava Serafina na igreja, senhora virtuosa, mãe dedicadíssima que nos enche de saudades.
Graça visitou a cidade há poucos dias, aflorando na sua memória lembranças agradabilíssimas. Disse que estar lendo o livro Banaboé Cariá e também aquele publicado por Eliomar Rodrigues (Cem) que trás um pouco da genealogia das famílias Rodrigues-Lima.
Esta poesia - “de amor à minha terra” – como ela própria afirmou, seria fruto, portanto, de todo este sentimento telúrico que a poetisa nutre por Esperança. Deleitemos, pois, com a sua leitura:

                               F O M E                                                              
Que esta fome seja enfim doce remédio
Pra minha alma sequiosa e vã
Pois no afã de livrar-me deste tédio
Padeço eu toda fome, jejuo eu todo dia!

Minha alegria, eu sei, ela não volta
Porque deixei meu coração em outra rota
A rota livre da leveza e da lembrança
Das milbelezas da cidade de Esperança!

Quero sentir na fome o beijo eterno
Da cidade que deixei, solo materno
Uma aldeia em minha mente tresloucada
Que nunca sai de mim, ó terra amada!

E por pensar em ti assaz desiludida
Ó fetichista cidade do meu ego
É que me pego assim faminta e ofegante
Neste desejo de estar de ti diante!

Distante, todavia, é que estou eu
Contaminada pelo abrasar da fome
Minha contemporaneidade não morreu
Vive na idade das pessoas, no teu nome
Vive num peito servil desde criança
Que sente fome do teu seio, Esperança!

Vivi em ti os meus melhores dias
Dentro de ti minhas melhores noites
Hoje o açoite da saudade jaz e faz
Sangrar meu peito sem sossego e paz
Em sentimentos de lesa-urbanidade
Sentimentos de não-conterraneidade!
Quisera ser de ti a conterrânea
Que não partiu, não vislumbrou outros ares
Quisera estar diante dos meus pares
Gente da minha terra, meus amores
Em vez de amargar esta distância
Com alma amarga, errônea, cheia de dores!

Quisera abrir os febris lábios e sentir
O fausto beijo dessa terra onde eu nasci
O beijo fervoroso das casas onde vivi
O beijo fantasioso das pessoas que amei!

 Já que não sinto esse oscular eu passo à fome
A ver se a fome faz chegar chama telúrica
Que vai queimar estes meu sonhos de volúpia
De ser tua de novo, em grandes núpcias!

Ó terra grande, quintessência, grandiloquência
Qual sortilégio de minha destemperança
Quem dera um dia voltasse eu pra minha essência
Pra queridíssima, adoradíssima Esperança!

                                                                                                                                                    Recife, 13 JUL 2016


                                      MARIA DAS GRAÇAS DUARTE MEIRA

Comentários

  1. Agora é que tive a oportunidade de ler o belo poema de Maria das Graças Duarte Meira, dedicando o seu amor à terra natal. Muita inspiração, que poucos e poucas teem. Não me é surpresa tal talento, pois, a família inteira é dotada de cultura e saber.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…