Pular para o conteúdo principal

Fome, poema de Graça Meira

Maria das Graças Duarte Meira

Em nosso BlogHE há um espaço dedicado aos parceiros, pessoas que mui gratamente se dispõe a escrever sobre a nossa história ou mesmo contribuem enviando algum poema. Este é o caso de Maria das Graças Duarte Meira, que hoje nos enviou um belo poema de sua autoria “Fome”.
A autora em questão tem a poesia nas veias, pois é irmã da querida escritora Magna Celi e da amiga Paula Francinete, filhas de Dona Maria Duarte, que tocava Serafina na igreja, senhora virtuosa, mãe dedicadíssima que nos enche de saudades.
Graça visitou a cidade há poucos dias, aflorando na sua memória lembranças agradabilíssimas. Disse que estar lendo o livro Banaboé Cariá e também aquele publicado por Eliomar Rodrigues (Cem) que trás um pouco da genealogia das famílias Rodrigues-Lima.
Esta poesia - “de amor à minha terra” – como ela própria afirmou, seria fruto, portanto, de todo este sentimento telúrico que a poetisa nutre por Esperança. Deleitemos, pois, com a sua leitura:

                               F O M E                                                              
Que esta fome seja enfim doce remédio
Pra minha alma sequiosa e vã
Pois no afã de livrar-me deste tédio
Padeço eu toda fome, jejuo eu todo dia!

Minha alegria, eu sei, ela não volta
Porque deixei meu coração em outra rota
A rota livre da leveza e da lembrança
Das milbelezas da cidade de Esperança!

Quero sentir na fome o beijo eterno
Da cidade que deixei, solo materno
Uma aldeia em minha mente tresloucada
Que nunca sai de mim, ó terra amada!

E por pensar em ti assaz desiludida
Ó fetichista cidade do meu ego
É que me pego assim faminta e ofegante
Neste desejo de estar de ti diante!

Distante, todavia, é que estou eu
Contaminada pelo abrasar da fome
Minha contemporaneidade não morreu
Vive na idade das pessoas, no teu nome
Vive num peito servil desde criança
Que sente fome do teu seio, Esperança!

Vivi em ti os meus melhores dias
Dentro de ti minhas melhores noites
Hoje o açoite da saudade jaz e faz
Sangrar meu peito sem sossego e paz
Em sentimentos de lesa-urbanidade
Sentimentos de não-conterraneidade!
Quisera ser de ti a conterrânea
Que não partiu, não vislumbrou outros ares
Quisera estar diante dos meus pares
Gente da minha terra, meus amores
Em vez de amargar esta distância
Com alma amarga, errônea, cheia de dores!

Quisera abrir os febris lábios e sentir
O fausto beijo dessa terra onde eu nasci
O beijo fervoroso das casas onde vivi
O beijo fantasioso das pessoas que amei!

 Já que não sinto esse oscular eu passo à fome
A ver se a fome faz chegar chama telúrica
Que vai queimar estes meu sonhos de volúpia
De ser tua de novo, em grandes núpcias!

Ó terra grande, quintessência, grandiloquência
Qual sortilégio de minha destemperança
Quem dera um dia voltasse eu pra minha essência
Pra queridíssima, adoradíssima Esperança!

                                                                                                                                                    Recife, 13 JUL 2016


                                      MARIA DAS GRAÇAS DUARTE MEIRA

Comentários

  1. Agora é que tive a oportunidade de ler o belo poema de Maria das Graças Duarte Meira, dedicando o seu amor à terra natal. Muita inspiração, que poucos e poucas teem. Não me é surpresa tal talento, pois, a família inteira é dotada de cultura e saber.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Esperança caminha para instalação do seu instituto histórico e geográfico/ IHGE

Em reunião deliberativa autoridades, intelectuais, poetas, acadêmicos e algumas das principais instituições ligadas à história e à cultura de Campina Grande e Esperança, estiveram em reunião, na tarde desta quinta-feira (14/12), no Centro Cultural e Biblioteca “Dr. Silvino Olavo”, em torno do ideal da fundação do IHGE – Instituto Histórico e Geográfico de Esperança. A ideia que surgiu em 2014, volta a ser discutida pela sociedade esperancense, na perspectiva de resgate da memória local, com o apoio dos Institutos Paraibano, representado pela Dra. Maria Ida Steinmuller, Campinense (Edmilson Rodrigues) e de Serra Branca, na pessoa do Prof. Thomas Bruno Oliveira (IHGP, IHCG e IHGSB),  Nuphel – Núcleo de Pesquisa e História Local/UEPB, pelo Professor Flávio Carreiro, Fórum Independente de Cultura de Esperança, com o ativista Evaldo Brasil (FIC) e da Sociedade Parahybana de Arqueologia (SPA), através do escritor Vanderley de Brito. Participam ainda o Secretário de Educação do Município, pa…

Antiga Capela do Cemitério

A ampliação do cemitério público acontecida há alguns anos fez desaparecer a antiga capela que existia no centro deste Campo Santo. Muitos ainda se lembram daquele galpão dedicado as orações, onde se acendiam velas às almas. Não era muito grande, mas o suficiente para se encomendar o corpo com as exéquias. Ali se encerrava o cemitério, existindo poucas covas por trás daquele edifício e em sua volta, por onde se passava com dificuldades. Até 1930 a administração do cemitério era atribuição da igreja, por ter sido por esta construída, segundo a tradição, no final do Século XVII por obra do missionário Padre Ibiapina para enterrar as vítimas da cólera. Através do Ofício nº 70, de 17 de dezembro de 1930, em ordem ao Decreto Estadual nº 29 do mesmo mês e ano, que direcionava às prefeituras municipais todos os cemitérios existentes no Estado, solicitava o Vice-prefeito Inácio Rodrigues de Oliveira da autoridade eclesiástica local as chaves do cemitério. Foram entregues à edilidade não apenas…