Pular para o conteúdo principal

Uma outra Esperança

Ontem me encontrei com um colega, o fisioterapeuta Jean. Falávamos de como Esperança mudou e que há poucas referências para a nossa geração. Alguns prédios antigos por nós conhecidos foram substituídos por lojas comerciais e até mesmo a Praça da Cultura tão frequentada em nossa época, com o seu desenho mais recente, não nos parece atrativa. Também os amigos se foram, cada qual procurando a sua estabilidade financeira fugindo da "seca" de ideias que nos rodeava. Alçaram outros horizontes e conquistaram um espaço profissional.
Dizíamos da feira - que à época funcionava na rua do Sertão -, dos vendedores de frutas, dos mangalhos e do Parque Maia. Lamentamos que não  havia registro fotográfico. Falávamos da Loja de Seu Patrício, de Joca Aciole, Duda do Bar, Vicentão... assim nos localizávamos.
A roda da vida girava mais devagar, fazia um friozinho no início e no final de cada dia (o calor atual é novidade para todos nós). Eram outros tempos, dificuldades não vivenciadas hoje em dia.
Agora é comum ter um celular com câmera integrado à internet e postar simultaneamente as imagens. Antes dependíamos de uma Kodak qualquer, esperando a revelação quando o dinheiro desse. Isso para quem podia se dar o luxo de ter uma máquina fotográfica, pois a maioria apenas "batia" aquela foto para documento no início de cada ano letivo, quando não a foto de anos atrás serviria para ilustrar a ficha do aluno por muitos anos.
Hoje para quem vêm de fora é difícil se situar, exceto por alguns pontos referenciais como a Igreja Matriz que desde os anos 40 não se tem grandes modificações. Também o antigo Ginásio Diocesano se mantém firme desde o início de sua construção, por volta de 1953. Afora esses casos, para nós fica difícil dizer onde um fulano morava, já que as casas ao longo da Avenida Manoel Rodrigues ganharam na maioria portas de rolo, fachadas e letreiros. Outros tempos, posso dizer.
O fato é que uma geração antes está passando e nós chegamos ao nível de nossos pais. Essa geração que aí está vivencia uma outra Esperança e têm suas referências próprias: o mercadinho tal, a loja de fulano, o condomínio de cicrano... O município expandiu para além das fronteiras que conhecíamos, pois cá para o Forum tudo era sítio; descendo no Araçá, era sítio; partindo para a antiga rua do Baixo Meretrício, era sítio e, descaindo para os lados do Britador, era sítio. Mas a urbanização chegou a todos esses pontos, tudo é rua, praça e logradouro público. De fato, uma nova Esperança.
Você já experimentou isso? Deixe seus comentários aqui em nosso blog. A sua opinião ajudará a construir esse texto.

Rau Ferreira

Comentários

  1. LOUVADO SEJA! CARO RAU, QUANDO ME DIRIJO A ANTIGA VILLA DE SÃO THOMÉ DO SUCURÚ (SUMÉ) TAMBÉM FICO MATUTANDO SOBRE ISTO. O QUE NÃO DIZER DE CAMPINA GRANDE? QUE FAÇAMOS OS REGISTROS ENQUANTO AINDA EXISTE A LEMBRANÇA.

    ResponderExcluir
  2. Até já fiz um poema dedicado a Pedro Paulo de Medeiros, que não encontrou suas referências por aqui: Andanças para onde nem sei. Lamento que a urbanização não considerou Praças Azul, Praças Verdes, nem a descentralização desses espaços para que os futuros bairros (atuais) mantivessem seus moradores felizes em seu território com esses serviços os acolhendo.

    ResponderExcluir
  3. Nossa cidade era pequenina, rodeada de lagos e pequenos barreiros que foram aterrados, alguns elementos ficaram perdidos com a loja de seu "Pedim" que vendiam queijos, a de seu Patrício onde eu comprava aviamentos para as costuras de minha mãe. O bom é que cada geração tem as suas próprias referências.
    Belas lembranças Rau e Jean.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…