Pular para o conteúdo principal

Homenagem ao Professor Peixe

Professor Fernando Mota Peixe
Imagem: http://professorcobrha.blogspot.com.br/
Natural de Pernambuco, Fernando Mota Peixe chegou em Esperança através de José Luiz do Nascimento, que na época era professor de educação física e, surgindo a necessidade de se criar uma banda marcial no antigo Ginásio Diocesano, e tendo ele ouvido falar que em Areia havia um instrutor, falou com Manuel Vieira, à época diretor daquele educandário, que chamou o Professor Peixe para dar aulas de músicas aos alunos diocesanos.
Por esse tempo foram introduzidos em Esperança, pelo professor Peixe, o Handebol, modalidade esportiva semelhante ao futebol, mas que jogada com as mãos, além do futebol de Salão, através de Zé Luiz, tudo isso por volta de 1963.
O professor Peixe era autodidata e possuía uma técnica inconfundível de ensinar bandas marciais. Na cidade de Areia, onde vivia desde os anos 40, atuava junto ao Campus da UPFB, onde foi instrutor das Bandas Marciais das escolas Min. José Américo de Almeida e Carlota Barreira, além de professor de Educação Física.
Era uma pessoa rígida, mas compreensiva. Não gostava de palhaçada, nem exageros. Nas bandas que regia não permitia liras, nem evoluções esquisitas.
Em nosso município, implantou praticamente todas as modalidades de Atletismo. Ao lado direito das dependências do Ginásio Diocesano, idealizou a primeira quadra de futebol de salão da cidade com a colaboração dos alunos, aproveitando o terreno da escola, de chão batido, para construir, num espaço de 40 x 20 metros, rigorosamente nivelado, o local para aquela prática desportiva. Naquele espaço foram realizados vários jogos e torneios de futsal.
No lado esquerdo daquele educandário, o professor Peixe idealizou a pista de atletismo, com caixa de areia para o salto em distância.
Além do antigo ginásio, o professor Peixe também atuou junto ao colégio estadual, onde participou ativamente da formação da banda marcial, e instruiu os seus músicos.
Ele também foi professor de Educação do Instituto Monteiro Lobato na década de 70. Este educandário foi fundado por Delfino e Vânia. Chegou a funcionar onde hoje é a Biblioteca “Silvino Olavo”.
Em Areia formou um grupo de escotismo, chegando a organizar também uma equipe em Esperança, composta por Humberto Ferreira, Jailton, Edna, Fábio, Zezinho e outros esperancenses.
As reuniões eram na Escola Dom Palmeira, onde o professor Peixe passava para os meninos toda a filosofia de ensino do escotismo. Os garotos se vestiam à caráter, com fardamento, botas e chapéu. Também praticavam caminhadas, faziam acampamentos nos engenhos em Areia e apresentações em outras cidades. A cada evolução do escoteiro era entregue uma medalha.
A professora Morena Cerqueira nos conta um fato interessante do professor Peixe. Ela estava a frente da Banda Marcial no início da década de 80, quando foram convocadas para participar do 7 de setembro no Município de Remígio. Pela manhã, um dos componentes furou a pele do fuzileiro, instrumento da primeira fila da Banda, e ainda faltava o desfile em Esperança, que aconteceria a tarde.
O problema é que havia uma única pele reserva e feita a troca, no momento do teste do instrumento, a pele se furou. Todos ficaram apavorados, alguns componentes já se encontravam em forma na frente da Praça da Cultura. Foi quando entrou o professor Peixe, que vendo aquela situação de angústia ficou emocionado, se abraçou com a turma e disse que logo iria arrumar aquele instrumento. Pegou uma pele velha que havia depósito, colocou no chão, fez um fogo ali mesmo e começou a esticar o couro como só ele sabia fazer, deixando o fuzileiro pronto para o desfile. Depois, abraçou-se novamente com os alunos, que correram para a formação iniciando aquele 7 de setembro, numa belíssima apresentação.
O professor Peixe incentivou Epitácio Gomes a seguir a carreira de professor de educação física, e foi modelo, por assim dizer, de muitos outros, a exemplo de Joacil. O próprio Epitácio prestou uma homenagem ao velho mestre em uma das aberturas dos jogos estudantis municipais, contudo ele não lembra o ano.
Na opinião do professor Valmir Fernandes, “Ele era um professor com uma visão além do tempo, ou melhor do momento, exigia quando sabia o potencial humano que tinha em mãos”.
O Secretário João Delfino, em depoimento para esse trabalho, disse que foi um privilégio de trabalhar com prof. Peixe, “Amigo, competente e apaixonado pelo esporte e atividades físicas, ensinava várias modalidades esportivas e era um excelente educador.”, acrescentando que “Esperança deve muito a este mestre” que “além do magistério, era um exímio fabricante de alambique e tachos em bronze para os engenhos em Areia”.
Em Areia, o saudoso professor Peixe residia em frente ao Banco do Brasil, e segundo consta, sua esposa e uma filha ainda residem em Cipilho. Aposentou-se compulsoriamente do Campus da UFPB em Areia, em 24 de outubro de 1995 (D.O.U., n. 204, Seção 2, p. 8.047/1995).
Quero agradecer as pessoas aqui citadas, que colaboraram de alguma forma para essa homenagem prestada, Morena Cerqueira, Valmir Fernandes, João de Araújo, Humberto Ferreira, João Delfino e Zé Luiz, que me ajudaram a reconstruir assim uma parte da história municipal, prestando essa justa homenagem.


Rau Ferreira

Créditos da imagem: 
http://professorcobrha.blogspot.com.br/p/historias-de-ontem.html

Comentários

  1. Linda homenagem, ele foi meu professor na escola de agronomia, figura admirável. Parabéns Rau pela homenagem merecida.

    ResponderExcluir
  2. Eu sou ANTONIO BARBOSA FILHO - PROFESSOR COBRHA - Eu fui aluno do MAIOR INSTRUTOR DE BANDAS MARCIAIS DO MUNDO, O Sr. FERNANDO MOTA PEIXE. Foi uma das maiores alegria que eu conseguir em toda a minha vida, nos anos 60, quando ele veio fundar a banda marcial do GINÁSIO SÃO JOSÉ ( Hoje: Padre Hildon Bandeira ). Foram 4 anos de estudos,da melhor qualidade, Para mim, ele era uma UNIVERSIDADE, com os seus conhecimentos que só ele sabia passar para os seus alunos. Hoje, agradeço muito a ELE, por tudo o que eu passo para os meus alunos, a travez do que ele deixou em mim. OBRIGADO GRANDE MESTRE.

    ResponderExcluir
  3. Homenagem bem merecida. Professor Peixe deixou exemplos de seriedade, compromisso, disciplina, competência a muitos esperancenses. Jamais o esquecerei. Além dele, a professora Isaurinha teve grande participação na minha formação esportiva.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga fábrica de caixões

Houve um tempo que não existiam planos pós-morte e que o povo carente se enterrava com a própria rede. Ser conduzido em um ataúde para a morada eterna era um luxo para poucos. Os falecidos eram velados nas próprias residências de um dia para o outro. Servia-se café na cozinha, enquanto que os homens ficavam na sala contando histórias de “trancoso”. O município passou então a dar o artefato, mas dia sim e dia não tinha uma viúva batendo a porta da prefeitura, foi então que alguém resolveu instalar uma fábrica de caixões na rua Theotônio Tertuliano, por trás da Secretaria de Educação. O caixão fúnebre era construído dessas madeiras de caixa de batata, com alguns caibros para dar sustentação. Forrava-se com um plástico fino, de cor azul para homem ou roxo e rosa para mulheres. Na tampa se colocava um vidro para ver o ente querido. Era pequeno e, a depender do defunto, precisava fazer alguns ajustes. A prefeitura também dava a mortalha, que era um camisão, enquanto que as flores ficaram a …

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…