Pular para o conteúdo principal

SOL: Na imprensa pernambucana

Reportagem especial

O esteta da poesia Silvino Olavo da Costa colaborou durante algum tempo com a imprensa pernambucana escrevendo para jornais, revistas e boletins. Destacamos aqui as suas principais atuações nesses periódicos.

Estrellas de Junho – revista familiar de sortes editada pelo Diário de Pernambuco, dedicada “as noites de Santo Antônio, São João e São Pedro”. Surgida em 1915, registrava fatos, coisas de época e literatura, dirigidas às famílias e em especial crianças.

Brasil-Portugal – revista mensal de intercâmbio luso-brasileira, dirigida por Nelson Firmo e Souza Barros. Trabalho gráfico da oficina do jornal Diário da Manhã e colaboração escolhida. Silvino Olavo integrava o número de colaboradores ao lado de figuras como Eudes Barros, Álvaro Lins, Baltazar da Câmara e outros.

Pé de Moleque – Livro de sortes e revista de Fortunato Sapeca que circulou em junho de 1933, com 100 páginas no formato 21 x 15 cm, impressa em papel cuchê e ilustrada à caráter com o fim de “reavivar o fogo sagrado da tradição e do regionalismo das festividades sanjuanescas”. A publicação trazia anedotas, curiosidades, sortes e trabalhos literários assinados por Silvino Olavo, Leopoldo Lins, Jaime de Santiago, J. A. da Silveira, dentre outros.

Diário da Manhã - Em artigo especialmente publicado no Diário da Manhã, Silvino Olavo põe em choque o regime atual da política no país diante das eleições presidenciais que se aproximava. E fazendo referência aos Estados de Minas e Rio Grande do Sul, que juntamente com a Paraíba, caminhavam num mesmo sentido, considera que estes seriam capazes de romper com o sistema vigente à época.

Jornal do Commercio – diário “dedicado aos interesses das classes conservadoras e do Estado em geral". De propriedade de João Pessoa de Queiroz, iniciou sua circulação em 3 de abril de 1919, fazendo, realizando a propaganda da candidatura Epitácio Pessoa à Presidência da Republica. A edição de aniversário de 1928 contou 48 paginas da qual incluía a colaboração especial dos intelecutais Silvino Olavo, Afranio Peixoto, Costa Rego, Amélia de Freitas Bevilaqua, Clovis Bevilaqua e outros, afora a "Pagina de Portugal", "Jornal das Crianças", "Mundo das Letras", "Hortas e Campos", "Cruzada Contra a Verminose", etc.

Diário da Tarde – possuía aspecto moderno e iniciou circulação em 17 de dezembro de 1928, sendo chefe de redação José Campelo. A edição de 6.° aniversario contendo 24 paginas apresentou alegorias de Manuel Bandeira, na primeira e na ultima, com colaboração especial de Silvino Olavo, Origenes Lessa, Abelardo Araújo Jurema e outros escritores de renome.

Revista Pernambucana – publicação quinzenal de literatura surgida em 1920. Ilustrada, bem trabalhada e com clichês e vinhetas em papel em cor, onde “figuram os nomes de conceituados beletristas do norte, destacando-se as seguintes colaborações: Bailado rubro das chamas, Joaquim Inojosa; Nocturno brasileiro, Silvino Olavo; Clarões e sombras da cidade do oiro, Geraldo de Andrade; e a Bailarina perdia dos céus, Emydio Miranda” (A União: 1926)
Eis aqui um breve apanhado das participações de SOL na imprensa pernambucana.

Rau Ferreira

Fonte:
- A UNIÃO, Jornal. Órgão Oficial do Estado da Paraíba. Ed. De 23/02/1926. João Pessoa/PB: 1926;
- A UNIÃO, Jornal. Órgão Oficial do Estado da Paraíba. Ed. 17/09/1929. João Pessoa/PB: 1929;
- COSTA, Austro. Austro-Costa - Poeta da Província. Ed. Universidade Federal da Paraíba: 1970;
- FERREIRA, Rau. Silvino Olavo. Esperança/PB: 2010.
- NASCIMENTO, Luiz do. História da Imprensa de Pernambuco (1821-1954). Vol. VII, VIII e IX. Periódicos do Recife: 1901-1915. Recife/PE. Ed. Universitária: 1975.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…