Pular para o conteúdo principal

SOL na literatura portuguesa


O texto a seguir faz parte da “Revista de Língua Portuguesa” e foi publicado em 1928, onde se lê um comentário aos “Cysnes” de Silvino Olavo.
O autor da Sombra Iluminada, Silvino Olavo, embora mais variado na inspiração de suas poesias, não tem nenhuma nota vibrante e forte. É igualmente um melancólico. Todo o seu livro se faz de meios tons de uma suavidade encantadora.
Num dos seus versos ele diz: “nao vibro nunca em som agudo”. Confissão verdadeira. Não é exatamente nem para a alegria, que não manifesta em nenhuma das suas composições, nem para a tristeza, que nunca chega ao desespero e à imprecação.

Sou apenas o eco de uma queixa
Imensa e vã que se perdeu no espaço
E, hoje, cantando esta suave endeixa,
Quase inaudível entre os homens passo.

Victor Hugo disse que a melancolia era a felicidade de ser triste. Em versos, pelo menos, Silvino Olavo não manifesta outro sentimento. É ele quem aconselha:


Compreende a alegria de ser triste
e ama serenamente essa tristeza.

A Legenda do Último Cysne, é uma poesia typica do modo do autor


Alma penada, alma que choras
Descansa a fronte em minha fronte:
As minhas lágrimas sonoras
São como as lágrimas da fonte...

Meu canto é o canto da Renúncia
- horto aromático de mágoa –
requer ternura na pronúncia,
tem sugestões de lua n’água...

O dó menor da minha dor;
Forro-me todo de velludo
Para meu íntimo esplendor.

... Cantando assim sem que me attenda
a multidão despercebida,
sou como um cisne de legenda
que se perdeu dentro da vida.

(Silvino Olavo)”


Concluímos que em sua primeira publicação (Cysnes, 1924) Silvino já revelava uma forte inclinação para o sucesso que o precedia. E lhe sobressaia a genialidade de um poeta que na nossa Paraíba mais soube representar o simbolismo tão bem. Ah! Não fosse os seus lampejos conheceríamos muito mais de sua potencial escrita.

Rau Ferreira

Fonte:
- Revista de língua portuguesa; Volume 9 - Edição 51, Ed. União Editora: 1928, p. 124.
Não vibro nunca em som agudo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga fábrica de caixões

Houve um tempo que não existiam planos pós-morte e que o povo carente se enterrava com a própria rede. Ser conduzido em um ataúde para a morada eterna era um luxo para poucos. Os falecidos eram velados nas próprias residências de um dia para o outro. Servia-se café na cozinha, enquanto que os homens ficavam na sala contando histórias de “trancoso”. O município passou então a dar o artefato, mas dia sim e dia não tinha uma viúva batendo a porta da prefeitura, foi então que alguém resolveu instalar uma fábrica de caixões na rua Theotônio Tertuliano, por trás da Secretaria de Educação. O caixão fúnebre era construído dessas madeiras de caixa de batata, com alguns caibros para dar sustentação. Forrava-se com um plástico fino, de cor azul para homem ou roxo e rosa para mulheres. Na tampa se colocava um vidro para ver o ente querido. Era pequeno e, a depender do defunto, precisava fazer alguns ajustes. A prefeitura também dava a mortalha, que era um camisão, enquanto que as flores ficaram a …

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…