Pular para o conteúdo principal

De Banabuyu à Esperança.

Esperança foi habitada em eras primitivas pelos Índios Cariris, nas proximidades do Tanque do Araçá.
Sua colonização teve início com a chegada do português Marinheiro Barbosa, que se instalou em torno daquele reservatório.
Posteriormente fixaram residência os irmãos portugueses Antônio, Laureano e Francisco Diniz, os quais construíram três casas no local onde hoje se verifica a Avenida Manoel Rodrigues de Oliveira.
Não se sabe ao certo a origem da sua denominação. Mas Esperança outrora fora chamada de Banabuié1, Boa Esperança (1872) e Esperança (1908), e pertenceu ao município de Alagoa Nova.
Segundo L. F. R. Clerot, citado por João de Deus Maurício, em seu livro intitulado “A Vida Dramática de Silvino Olavo”, banauié é um “nome de origem indígena, PANA-BEBUI – borboletas fervilhando, dados aos lugares arenosos, e as borboletas ali acodem, para beber água”.
Narra a história que o nome Banabuié, “pasta verde”, numa melhor tradução do tupi-guarani, teria sido mudado para o topônimo de Esperança por Frei Herculano, devido ao simbolismo que esta representa. Banabuyu, que na língua Tupi significa Brejo ou Pantanal das Borboletas.
Uma outra versão porém é atribuída ao Padre Ibiapina1. Conta-se que este clérigo teria nomeado algumas cidades da região, segundo as três virtudes teologais: Fé (Santa Fé, atual município de Arara), Caridade (Soledade ou Pocinhos, não se sabe ao certo), e, para Banabuié, o de Esperança.
Esta narrativa guarda um certo sentido devido a grande influência exercida por este vigário em nossa região. Ele mesmo teria fundado em 1862 o cemitério local, motivado pelo surto de Cólera Morbidus.
O fato é que até 1860 não existiam cemitérios na região. Os ricos eram sepultados nas Igrejas, enquanto os pobres eram enterrados nos campos. Segundo documentos históricos, Pe. Ibiapina teria resolvido o problema construindo os cemitérios de Arara, Pocinhos e Alagoa Nova; e se supõe que ele teria edificado também o de Esperança.
Já o ano de 1862 marca a fundação da Capela de Nossa Senhora do Bom Conselho, onde hoje é a Igreja matriz, por orientação do Frei Venâncio, primeiro missionário a chegar nestas terras e a celebrar missa. Segundo a tradição, a devoção à Mãe do Bom Conselho no Brasil teria se iniciado em 1785, pelas mãos do padre jesuíta José de Campos Lara.
O historiador José Henriques da Rocha, ao escrever sobre o tema, fez a seguinte menção:
Para nós esperancenses foi uma dádiva de Deus termos recebido das mãos de nossos colonizadores no Século XVIII a imagem de Nossa Senhora do Bom Conselho para ser a nossa padroeira e protetora de nossa terra e da nossa paróquia, sendo consagrado o dia 26 de abril às suas festividades religiosas”.
Além do nosso pequeno torrão, a cidade de Princesa Izabel, no alto sertão paraibano, segue igualmente a devoção a Virgem do Bom Conselho.
Em 20 de Maio de 1908, criou-se a freguesia de Esperança, no comando do Padre Francisco Gonçalves de Almeida, seu primeiro pároco, cujos sucessores foram: Pe. José Vital Ribeiro (1913-1922); Pe. José Borges de Carvalho (1922-1929); Pe. Álvaro Gabínio (1929-1932); Pe. Francisco Severiano (1932-1936) e João Honorato (1936-1951).
Fazendo parte da história da nossa paróquia temos ainda o saudoso Pe. Manuel Palmeira da Rocha, Frei Antonio, Pe. Ribamar, e os padres Francisco e Bernardo, que dirigiram conjuntamente os trabalhos paroquiais.
Mais recentemente, tomaram assento na cadeira de pastor da igreja católica de Esperança os Padres: José de Assis Pereira (1996-2000) e Damião Ferreria da Silva, este último falecido a 04 de outubro de 2004, na cidade de São Paulo, em razão de complicações hepáticas.
Atualmente, assumiu a administração paroquial o Pe. José Alexandre Moreira de Macêdo.
O Frei Damião de Bozano celebrou missa campal, no pátio da Matriz, quando de sua passagem por esta cidade, nos idos de 1978.
Em 1885 foi instalada a agência dos Correios e Telégrafos de Esperança, cujo agente era Antônio Albuquerque Lima.
Mas o patrimônio histórico mais conservado é a Vila Santa Maria, que pertenceu a família Benevenuto Maceió antes de 1900. Hoje, pertencente aos familiares do historiador João de Deus Melo ainda guarda algumas relíquias: um relógio e um cofre antigo, um santuário de madeira com algumas imagens, uma máquina de datilografia alemã e o livro “Os Jesuítas perante a história”, editado em 1860.
A residência principal da propriedade foi utilizada como “Casa Grande” da Fazenda; nela ainda encontramos grutas de pedras, onde se supõe terem morado índios.
Em maio de 1925 iniciou-se um levante em prol da emancipação política do município. Esse movimento ganhou força no inflamado discurso de Silvino Olavo, que declamava: “Esperança – Lírio Verde da Borborema”.
A idéia foi ganhando novos adeptos, entre eles, o Coronel Elísio Sobreira, Chefe de Polícia do Estado, e o Deputado Antônio Guedes, que apresentou o Projeto de Lei nº 13, que criava a cidade de Esperança.
Após terceira discussão em plenário, o projeto foi votado e aprovado e, no dia 1o de Dezembro de 1925, era publicada no jornal A União, a Lei nº 624, dando origem ao Município de Esperança, que se instalou no dia 31 daquele mês e ano.
Assumiram o governo mirim Manuel Rodrigues de Oliveira na condição de Prefeito, e Teotônio Tertuliano da Costa, na posição de Vice-Prefeito, prestando compromisso no Paço Municipal junto ao Dr. João Marinho da Silva, Juiz do Termo.
A primeira Câmara Municipal era constituída pelos seguintes vereadores: Manoel Pessoa de Melo Leitão, José da Cunha Neto, José de Araújo Souto, Francisco Rodrigues da Silva, Anísio Evangelista dos Santos, José Carolino Delgado e Cassimiro Jesuíno de Lima. Muito embora, oficialmente, só se tenha constituído em 31 de outubro de 1947.
Após as eleições de 12 de outubro de 1947, tomaram posse: Francisco Bezerra da Silva (Presidente), Manoel Rodrigues de Oliveira (Vice-presidente), sendo Severino de Alcântara Torres e Manuel Luis Pereira 1º e 2º Secretários, respectivamente. O Legislativo-mirim daquele ano também foi composto pelos seguintes Vereadores: Eustáquio Luiz de Aquino, Severino Felix da Costa e José Ferino dos Santos.
A primeira sessão ordinária dessa gestão ocorreu em 05 de dezembro de 1947, no pavimento superior do edifício nº 02, da Rua Senador Epitácio Pessoa (Rua do Boi), porque o Sr.Prefeito Municipal não cedeu o prédio da Biblioteca Pública para a sede da Câmara. Consta em ata, que o chefe do executivo municipal escolheu os fundos da Prefeitura para o funcionamento da Câmara, o que foi considerado inconveniente pelos vereadores.
Segundo o site virgulino.com, foi na administração do prefeito Manoel Rodrigues que se instalou um motor a óleo para produzir energia elétrica, durante o governo de João Suassuna. Na gestão de Sebastião Vital Duarte (1940-1944), veio para Esperança a CODEBRO, que ficou responsável pelo abastecimento elétrico local, embora precário. Enquanto que o sistema de Paulo Afonso-BA somente foi inaugurado em 1958, cuja solenidade pode ser vista da sacada da farmácia de Santos Gondim4, passando a iluminação pública a ser mais regular e abranger outros pontos da cidade.
Em sessão extraordinária, realizada no dia 12 de Junho de 1964, no comando daquela Casa Legislativa, o vereador Dogival Costa apresentou e aprovou uma moção de aplausos ao Sr. Prefeito de Esperança, Luiz Martins de Oliveira, “pela benfeitoria a esta cidade e ao povo em geral, por motivo de iluminação de luz à base de mercúrio”, constando da ata dos trabalhos daquela casa, e formalizado no Ofício nº 140, de mesma data.
“O segundo Juizado de Paz da Povoação de Esperança foi criado em 1896, e pertencia ao Juizado de Alagoa Nova, da Comarca de Areia, tendo como primeiro Juiz Thomaz Rodrigues de Oliveira, e Escrivão, o Sr. José Pereira Brandão, conhecido por “Santos Cacheiro”, que exerceu o cargo até 1913” (Livro do Município de Esperança, Ed. UNIGRAF, 1985, pg. 41).
Somente em 31 de Dezembro de 1925 é que foi criado o Termo Judiciário de Esperança, agregado à Comarca de Areia, sendo João Marinho da Silva o primeiro Juiz Municipal, e Teotônio Cerqueira Rocha, Adjunto de Promotor.
Na suplência do Juízo Municipal, em 20 de Abril de 1926, foram empossados: Francisco Protássio de Oliveira, 2o Suplente, e Francisco Gesuíno de Lima, 3o Suplente. E aos 13 dias do mês de Março, tomaram posse nos cargos de Distribuidor e Partidor, respectivamente, José Irineu Diniz, vulgo “Zezé Cambeba”, e Antônio Francisco Diniz, o “Totonho Cambeba”.
No cargo de Oficial de Justiça, assumiu o Sr. João Gonçalves de Lima.
Inácio Rodrigues de Oliveira prestou compromisso na função de Delegado de Polícia, em 20 de Janeiro de 1926. Nesse mesmo ano foi inaugurada a Cadeia Pública local.
Eis, em poucas linhas um pouco da nossa história. O resto fica pra depois.

Rau Ferreira

Fonte:
- Livro do Município de Esperança (Projeto Gincana Cultural/83 – “Descubra a Paraíba” – Coleção Livros dos Municípios 006/171) - p. 33/37;
- Site Virgulino.com (http://www.virgulino.com/);
- Comentários sobre Nossa Senhora do Bom Conselho, de autoria do historiador José Henriques da Rocha, 2008;
- Esperança, wikipédia (http//pt.wikipedia.org);
- Publicações Diversas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Antiga fábrica de caixões

Houve um tempo que não existiam planos pós-morte e que o povo carente se enterrava com a própria rede. Ser conduzido em um ataúde para a morada eterna era um luxo para poucos. Os falecidos eram velados nas próprias residências de um dia para o outro. Servia-se café na cozinha, enquanto que os homens ficavam na sala contando histórias de “trancoso”. O município passou então a dar o artefato, mas dia sim e dia não tinha uma viúva batendo a porta da prefeitura, foi então que alguém resolveu instalar uma fábrica de caixões na rua Theotônio Tertuliano, por trás da Secretaria de Educação. O caixão fúnebre era construído dessas madeiras de caixa de batata, com alguns caibros para dar sustentação. Forrava-se com um plástico fino, de cor azul para homem ou roxo e rosa para mulheres. Na tampa se colocava um vidro para ver o ente querido. Era pequeno e, a depender do defunto, precisava fazer alguns ajustes. A prefeitura também dava a mortalha, que era um camisão, enquanto que as flores ficaram a …

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…