Pular para o conteúdo principal

Casamento matuto estilizado (1936)

Casamento matuto, anos 40 - rua Manoel Rodrigues

O S. João é a festas mais tradicional nordestina. Nesta época do ano convergem os ideais às coisas simples, ao frescor da terra e ao tempo lúdico de brincadeiras em torno da fogueira. Por compadre e comadre se dão e uma saraivada de vivas eclodem ao surgir do primeiro balão.
A nossa gente brincante sempre devotou ao santo tamanha admiração, registrado nos versos do poeta (Noite de S. João/ Junho) e nas comemorações joaninas que se celebravam na Escola “Irineu Jóffily”. Este educandário fora palco de grandes quadrilhas, animadas ao som do fole dos eternos forrozeiros e do batuque dos Pichacos.
A escola havia sido inaugurada há pouco mais de quatro anos, e seu auditório se mostrava propícia às apresentações. Era o lugar adequado, dado que a “florescente vila” não possuía ainda clubes particulares. O educandário era também o lugar da cultura, já que o alunado participava, igualmente, daquelas celebrações.
É imemorial as comemorações que se fazem em torno do santo do carneirinho em nossa cidade. E o primeiro registro, o mais antigo que se tem, data de 1936, que me foi enviado por Ismael Felipe, historiador que tem contribuído em muitas de nossas postagens, através do acervo d’A União, digitalizado pelo Nuphel.
A última remessa nos dá notícia de um “casamento matuto” a se realizar no “Irineu Jóffily”, com indumentária característica do Século XV.
Por essa época, anunciava-se em Esperança os trabalhos da comissão organizadora, que com empenho se dedicava para que a festança acontecesse com grande êxito. Estavam a frente: Theotônio Tertuliano da Costa, à época prefeito municipal; os senhores Luiz Alexandrino e Theotonio Rocha; e as senhoritas: Noemia Rodrigues, filha do comerciante Manoel Rodrigues de Oliveira, além de Hilda Rocha, Mariêta Coelho e Mercedes Passos.
Surgida no império francês – daí a origem da palavra “quadrilie” – representava o baile da corte, que entre nós ganhou elementos próprios do sertão, coincidindo com a invernada, época de fartura e de muito milho.
Adaptou-se não apenas as roupas, com os vestidos de chita, chapéus de palha, botinas e calças costuradas; mas também a linguagem se consagrando os “alavantur”, “anarriê” e “balancês” típicos da dança.
No “casamento matuto” se eternizam as figuras do noivo fujão, do feroz pai da noiva que, de inocente parece não ter nada, do padre, do “coroné”, dos pares... cujo matrimônio a todo momento é interrompido pela chuva e pelas “cobras” do caminho e, apesar de tudo o noivado acontece, para alegria dos convidados.
Na imagem ao lado, uma das representações dos anos 40.

Rau Ferreira


Referências:
- A UNIÃO, Jornal. Edição de 17 de junho. João Pessoa/PB: 1936.
- BRASIL, Evaldo. Histórico de Esperança. Manuscrito. s/d. Esperança/PB.
- FERREIRA, Rau. Banaboé Cariá: Recortes da Historiografia do Município de Esperança. Esperança/PB: 2015.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Esperança caminha para instalação do seu instituto histórico e geográfico/ IHGE

Em reunião deliberativa autoridades, intelectuais, poetas, acadêmicos e algumas das principais instituições ligadas à história e à cultura de Campina Grande e Esperança, estiveram em reunião, na tarde desta quinta-feira (14/12), no Centro Cultural e Biblioteca “Dr. Silvino Olavo”, em torno do ideal da fundação do IHGE – Instituto Histórico e Geográfico de Esperança. A ideia que surgiu em 2014, volta a ser discutida pela sociedade esperancense, na perspectiva de resgate da memória local, com o apoio dos Institutos Paraibano, representado pela Dra. Maria Ida Steinmuller, Campinense (Edmilson Rodrigues) e de Serra Branca, na pessoa do Prof. Thomas Bruno Oliveira (IHGP, IHCG e IHGSB),  Nuphel – Núcleo de Pesquisa e História Local/UEPB, pelo Professor Flávio Carreiro, Fórum Independente de Cultura de Esperança, com o ativista Evaldo Brasil (FIC) e da Sociedade Parahybana de Arqueologia (SPA), através do escritor Vanderley de Brito. Participam ainda o Secretário de Educação do Município, pa…

Antiga Capela do Cemitério

A ampliação do cemitério público acontecida há alguns anos fez desaparecer a antiga capela que existia no centro deste Campo Santo. Muitos ainda se lembram daquele galpão dedicado as orações, onde se acendiam velas às almas. Não era muito grande, mas o suficiente para se encomendar o corpo com as exéquias. Ali se encerrava o cemitério, existindo poucas covas por trás daquele edifício e em sua volta, por onde se passava com dificuldades. Até 1930 a administração do cemitério era atribuição da igreja, por ter sido por esta construída, segundo a tradição, no final do Século XVII por obra do missionário Padre Ibiapina para enterrar as vítimas da cólera. Através do Ofício nº 70, de 17 de dezembro de 1930, em ordem ao Decreto Estadual nº 29 do mesmo mês e ano, que direcionava às prefeituras municipais todos os cemitérios existentes no Estado, solicitava o Vice-prefeito Inácio Rodrigues de Oliveira da autoridade eclesiástica local as chaves do cemitério. Foram entregues à edilidade não apenas…