À Virgínia Vitorino

By | 16.6.16 1 comment
Virgínia Votorino. Fonte: FBN
Não me parece incomum a dedicatória a pessoas que prezamos ou que se queira alguma homenagem. Com o poeta esperancense, Dr. Silvino Olavo, não foi diferente. Em seu primeiro livro (Cysnes, 1924) já se encontra recheado de alusões a figuras de seu tempo, amigos de um círculo pessoal que conquistou no Rio durante a sua formação acadêmica.
Nesse aspecto, gostaria de destacar duas mulheres que ganharam relevo em sua poesia: Alzira Tacques e Virgínia Vitorino.
A primeira – fundadora da Academia Literária Feminina do Rio Grande do Sul - "Silvino Olavo, no Rio de Janeiro, louvou-a em página de relevo. Desde então. Alzira não mais parou de sonhar, versificar, oferecer sua maravilhosa arte, deslumbrando com seu talento. (Presença Literária: 1997)".
A poetisa e dramaturga Virgínia Villa Nova de Sousa Vitorino, à quem se atribui o título de "A poetisa dos Namorado”, mereceu o lindo poema que tem por título o seu nome, publicado na póstuma obra “Badiva” (1997). Neste – nos diz o poeta – que a lágrima lhe precedeu e que sempre esteve consigo.
Ao longo de sua vida nunca esquecera àquela mulher encantadora, que não é Virgínia, mas que arrebatou o seu coração na juventude. Queremos crer que a jovem referida seria Severina, a sua eterna musa.
Mas aquele amor impossível, cujo desfecho foi traumático, fê-lo dedicar-se aos estudos: - Faça do livro o seu melhor amigo!...
Passados alguns anos, o próprio Silvino confessa:
Se não fosse a visão que se alargou -
E não fosse o verdor do que lobrigo...!
Mais belo, mais humano, e sem perigo
Não sei, meu Deus! - a luz já se vingou!...

O destino tratou de separar aquele casal. Silvino casara-se com Carmélia Velloso Borges no Pilar; e decerto Severina também seria desposada.
Virginia é autora dos livros “Namorados”, “Apaixonadamente” e “Renúncia”. É ela que nos escreve em seu poema Dúvida: Um grande amor é doido, é desigual,/ se há qualquer bem que as vezes nos faz mal,/ há sempre um grande mal que nos faz bem”.

Rau Ferreira


Fontes:
- ALF, Presença Literária. Nova Dimensão. Porto Alegre: 1997.
- ALF, Site. Academia Literária Feminina do Rio Grande do Sul. Disponível em: http://www.alf-rs.org.br/academicas-detalhe?id=139, acesso em 15/06/2016.
- FBN, Página. Fundação Biblioteca Nacional. Perfil do Facebook. Post de 11/06/2016.
- NOVA, Rua. Ano II, Nº 45. Edição de março: 1926.
- PEQUENO, Jornal. Ano XXX, Nº 75. Edição de março: 1928.

OLAVO, Silvino. Badiva: Poesias inéditas [de] Silvino Olavo. Marinaldo Francisco (org.). Secretaria Municipal de Educação. Esperança/PB: 1997.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

1 Comentários:

Inédita face de um dos personagens de Silvino Olavo - oportuna e importante publicação. Parabéns!