Pular para o conteúdo principal

Comenda Chico Souto

Em sessão solene especial realizada no dia 30 de novembro de 2012, na Câmara Municipal de Esperança, foram entregues 23 títulos de cidadãos esperancenses e apresentados votos de aplausos.
Na mesma ocasião, foi homenageado o Dr. Antonio de Pádua Torres, com a comenda “Chico Souto” (Resolução n° 57/2003) conferida aos cidadãos de reputação ilibada e destaque em nosso Município.
Trazemos na íntegra o discurso proferido pelo ex-prefeito Dr. João Delfino Neto quando da entrega da medalha e certificado ao Dr. Pádua Torres em 30 de novembro de 2012, onde registra um pouco da nossa história:

“Saudações:

O reconhecimento é conseqüência das atitudes concretas. Das muitas atribuições que me foram dadas, esta de fazer apresentação de um amigo, numa ocasião singular como esta, me enche de alegria e orgulho. Este sentimento de satisfação se justifica porque eu vou falar de um amigo especial. Mas não deixa de ser preocupante e delicada a tarefa de selecionar e condensar, em tempo reduzido, os aspectos de maior relevo da vida do meu amigo, o esperancense, Dr. Antônio de Pádua Torres. Sei da sua alegria em ser merecedor deste gesto de gratidão dos seus conterrâneos e amigos, aqui presentes ou representados. E para aumentar esta carga de emoção, ele recebe uma Comenda que carrega, com muita justiça,  a efígie e o nome de um grande esperancense: Francisco Souto Neto (Chico Souto), carinhosamente, o nosso pé de chita. Líder político atuante e combativo. O nosso homenageado e muitos contemporâneos de Chico Souto, que aqui se encontram, sabem o quanto ele representou para Esperança e para Paraíba. Sempre assumiu posições firmes em defesa dos interesses dos paraibanos. Abraçou a causa da reforma agrária e do sindicalismo rural, incluindo, as Ligas Camponesas. Por defender estas idéia, à época, foi alcançado pelo famigerado AI5.Cassaram-lhe o mandato, mas não destruíram a sua capacidade de pensar e defender as suas idéias.Vejamos o que disse o seu amigo jornalista Luis Ferreira do Correio da Paraíba, por ocasião de sua morte: A política favoreceu-o por algum tempo. Depois,puniu-o com extrema severidade e com não menos injustiça. Lembro-me de quando cassado, foi despedir-se dos funcionários da Assembléia Legislativa, pelos quais era muito estimado. Na mão direita segurava um pequeno envelope branco, contendo poucos documentos particulares que ele retirara do seu birô de primeiro-secretário. A única coisa, portanto, que levava para casa e para fora da política após muitos anos de militância. Só isso. Aliás, não só isso: levava também suas mãos tão brancas e tão limpas quanto o envelope. Para ele isso era tudo, disse o eminente jornalista.  Esperança lhe deve muito. Aqui, temos marcas indeléveis de ações que dignificaram o seu mandato de deputado e imprimiram uma nova dinâmica de crescimento de nossa cidade: Instalação do Frigorífico; Implantação do Colégio Estadual; Abastecimento dágua da cidade; Conclusão da BR 104 – Esperança-Campina; Extensão da Rede elétrica para zona rural; Recursos para construção da Maternidade São Francisco de Assis; Construção de escolas nos  distritos de então, Areial e Montadas.
Faço estas rápidas considerações para dizer que a responsabilidade e honra de receber e carregar sobre os ombros esta Comenda, diz muito também da importância de quem se faz por merecê-la. E nosso homenageado, Dr. Antônio de Pádua Torres, pela sua história de vida, retidão de caráter e saber jurídico, se credencia e muito a receber este reconhecimento. E por ser amigo e admirador de Chico Souto, deve estar com a alma e o coração em festa.
Mas, meus amigos, não poderia apresentar o Dr. Antônio de Pádua, sem antes mencionar pessoas que foram e que são responsáveis por sua existência e seu sucesso na vida. Seus pais: Severino de Alcântara Torres, agente fiscal e D. Corina Coelho. Sua esposa, a educadora Maria José de Melo, a sua Marizé, seus filhos Filipe, Caroline e Larissa, formados em direito, seu neto e seus irmãos Tarcisio Torres, aqui presente, além de José Torres, Salomé e Áurea. Estes três, Deus os privou desta emoção. Iniciou seus estudos aqui em Esperança. Usou com constrangimento a palmatória de D. Hosana para castigar colegas relapsos com os deveres escolares e a tabuada. Alí já sentia a dureza da lei. Foi Secretário de Administração dos prefeitos Luis Martins (1ª gestão) e Antônio Coelho. Professor de História do memorável Ginásio Diocesano de Esperança. Participou ativamente da vida social de nossa cidade. Formado em Direito, prestou concurso para Promotor de Justiça em nosso Estado, atuando nas Comarcas de Alagoa Nova, Malta, Princesa Izabel e Monteiro. Foi titular na 1ª Promotoria do Juri na Capital e Campina Grande. Superintendente de Polícia em Campina. Homem culto, apaixonado pela boa música, boa leitura e como todo brasileiro, apaixonado por futebol. Professor titular da Cadeira de Direito Processual Penal da Universidade Estadual da Paraíba e Membro da Escola Superior do Ministério Público. Atualmente, por merecimento, é Procurador de Justiça, o mais alto Posto atingido por um esperancense no Ministério Público. É membro do Conselho Superior do Ministério Público. Acrescentaria a estes tópicos biográficos, mais um titulo que nós prezamos muito: o dom especial de fazer e ser amigo. E quem tem amigo, tem o privilégio de estar sempre renascendo. Daí, o seu espírito jovem, alegre, festeiro e amante das coisas simples e boas da vida.
Congratulo-me com o Poder Legislativo esperancense, na pessoa do seu Presidente Anselmo Vieira, que neste ato representa o povo de Esperança, certo de que todos concordam com o meu sentir. Para não carregar o pecado da omissão, deixo de nominar os amigos que hoje vieram abraçar Antônio de Pádua. O simbolismo deste ato representa o que temos de mais nobre: o reconhecimento, a gratidão. Esperança está pagando uma dívida. E vejam,  meus amigos, como é bom ser reconhecido quando ainda temos cheiro de suor.
Meu compadre Antônio de Pádua, carinhosamente Tonho, um abraço deste seu amigo velho que hoje rejuvenesce com a sua presença. Esperança sente orgulho de você. Parabéns”.

João Delfino Neto governou Esperança de 2004 a 2008. É cirurgião-dentista e excelente orador.


Rau Ferreira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…