Beinha e o Judas

By | 22.2.15 Deixe seu comentário
Sábado de aleluia, dia do Judas. Pai e um tal de “Pedro” resolveram confeccionar um boneco como de costume para a malhação. Conseguiram uma série de retalhos, fizeram o enchimento, colocaram um paletó velho de meu avô Dogival com um par de luvas e um sapato "sete-vidas". Ao final pregaram aquela representação no muro, naquela parte da casa que saia na rua do boi para que todos vissem.
Depois de tudo pronto, os dois se despedem à espera da grande hora. Pai supostamente entrou para o banho, contudo enquanto o companheiro desaparecia na esquina do antigo Posto Atlantic, ele derruba o boneco, tira a roupa e se veste de Judas na espera que alguém viesse roubá-lo.
A boquinha da noite chega o amigo de travessuras. Escala o muro com dificuldade até ficar em cima, mas quando puxa o Judas é agarrado também!
O boneco ganha vida e segura Pedro que de susto ficou mudo. Com muito esforço, este começa a gritar "me solta!". E quanto mais gritava mas firme o Judas agarrava.
Depois de muito tempo, clama: - “Ai meu Deus, me solta!” - Dizia Pedro já cansado. E a vizinhança começou abrir as janelas para ver o que estava acontecendo. Pedro foi mudando de cor e triste pedia socorro.
Foi então que minha avó Nevinha abriu a porta da cozinha e gritou: - Beinha, desce daí com a tua presepada! Meu pai desceu se acabando de rir e Pedro desse dia em diante nunca mais se aventurou a roubar Judas.


Rau Ferreira
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: