Pular para o conteúdo principal

As flores de Olímpia

(*) Por Ana Débora Costa Mascarenhas

Ontem falei aqui de Luiz de Chico Lulú. E invariavelmente me veio a mente outra figura ilustre da rua do cemitério. Ao lado da casa do Luiz, havia uma casa em ruínas, lá morava Olímpia, com seu cabelo arrumado a lá Chico César e sempre com uma flor no topo do coque no centro da sua cabeça. Era uma negra já com certa idade, mas creio que não tão velha, afinal, as mulheres de 30 a 40 anos daquela época eram consideradas velhas. Ainda bem que hoje não.
Olímpia era alcoólatra e tinha um filho, seu nome assim como todos da cidade era sempre veiculado ao parentesco, "Tota de Olímpia". Esse morreu jovem ainda era um rapaz sem controle, lembro que minha mãe fazia sempre curativos em seus ferimentos, resultado das brigas de rua. Ah, Olímpia, mesmo morando em uma ruína, sua casa nem portas tinha, vivia arrumada, brincava com a meninada da rua e sempre cantando, não lembro dela sem o sorriso no rosto.
Lembro que certo dia, perguntei por seu marido, afinal não era comum mulheres sozinhas, e ela com os olhos marejados disse que havia morrido, que ela bebia todos os dias pra matar um pouquinho do amor e da saudade que ainda sentia dele, que a entristecia, e que ele onde estivesse não iria gostar de vê-la triste. Suas palavras ecoaram em minha mente, pois não entendia um amor desse tamanho, seria patológico? afinal todos diziam na rua que ela não era pessoa para se conviver, era doente.
E nessas voltas que o mundo dá. A gente não consegue diferenciar se o amor é grande, e precisa ser morto um pouquinho todo dia, pra não doer tanto, como ela o fazia todos os dias com o uso de álcool, ou como a personagem de Ariano Suassuna em o Alto da Compadecida que afirmou trair o marido, apenas para matar um pouco do amor que sentia por ele todo dia, por ser grande demais.

Ana Débora Costa Mascarenhas

(*) Engenheira agrônoma, bióloga, especialista em educação ambiental. Escreve  crônicas para O MUNDO DE DÉBORA (http://deboramascarenhas.blogspot.com.br/)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…