Sol e Peryllo

By | 1.1.15 Deixe seu comentário
Amigos na vida e colegas no trabalho. Dois poetas. Silvino Olavo da Costa e Peryllo de Oliveira. Duas cidades. Esperança e Araruna. Inegável dizer de uma amizade construída ao longo dos anos...
Regressaram juntos do Rio. Silvino pouco antes publicara com merecido sucesso o seu “Cysnes” (1924). Ao aportar em Recife, Peryllo foi homenageado por um grupo de amigos com um banquete no Restaurante Leite, ao qual compareceram vários intelectuais de Pernambuco.
Quando constituído por José Gaudêncio para chefiar a redação d’O Jornal, Silvino recebera a visita do colega que lhe pediu para incluí-lo no corpo de cooperadores do novo órgão:

“Seu apelo viera ao encontro das minhas cogitações. E formou-se aí, ao lado da ‘A União’, o cortiço intelectual mais laborioso e mais influente que era possível comportar a Província”.

Peryllo era assíduo ao trabalho e dedicado ao extremo. Os amigos negavam-se aumentar o soldo para não lhe faltar coisa alguma. Ao fim deste período haviam sido publicados os livros “Caminho cheio de sol” e “Cânticos da terra jovem” – de Peryllo – e “Sombra Iluminada”, de Silvino.
Com Silvino, Severino e Oris formavam o quarteto magnífico de toda uma geração. E seguiu-se uma intensa produção literária que recheou as páginas d’A União, da Era Nova e outros importantes veículos de grande circulação na Parahyba:

“Sua voz tinha a força serena dos salmos e a beleza solene dos oratórios acesos, (...) o sofrimento fluía de sua vida como se evolam das flores os perfumes, como na garganta de um passarinho que morre sussurra a nota silenciosa de um sofrimento musical” (Silvino Olavo).

A amizade de Peryllo e Silvino não permitiu que se dedicasse ao amigo um poema, ofertou-lhe d’Olivira todo um livro: Caminho cheio de sol (1928).
 Peryllo de Oliveira faleceu no dia 26 de agosto de 1930, em sua residência no bairro do Jaguaribe na capital paraibana. E foi sepultado no Cemitério da Boa Sentença.
Silvino Olavo deixou saudades em 26 de outubro de 1969.

Rau Ferreira

Referências:
- FERREIRA, Rau. Silvino Olavo. Edições Banabuyé. Ex libris do autor. Esperança/PB: 2010.
- MARTINS, Eduardo. Peryllo Doliveira: obra poética. João Pessoa/PB: 1983.
- OLAVO, Silvino. Criadores e criaturas. Jornal A UNIÃO, edição de 19 de abril. João Pessoa/PB: 1931.


Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: