Pular para o conteúdo principal

Reflexões sobre a vida (Pe. Antoniel Batista)

Padre Antoniel Batista*

A publicação a seguir foi transcrita do blog ANDRADE NOTÍCIAS que é nosso parceiro da História. Reproduzimos o texto do Padre Antoniel Batista, em razão da sua importância religiosa e filosófica para o crescimento da comunidade cristã Esperancense:

"A vida tem um valor altíssimo aos olhos de Deus. Esta é conseqüência de um profundo transbordamento de Seu amor divino, quantas e quantas vezes o Senhor nos quer demonstrar isso e não damos a devida importância?!
 Às vezes a dor nos toca e conseqüentemente toca à nossa vida e começamos a perceber o quanto ela nos é cara e importante, é verdade que há momentos de nossa história que parece não valer muito à pena vive ou relembrá-los, mas estes são sempre passageiros, na verdade: todos os momentos vividos, tudo nesta vida é passageiro inclusive ela mesma, mas é por isso que devemos viver cada instante como se fosse o último, o único.
Contudo, a vida é um dom, seja ela sempre alegre ou com momentos difíceis, de dor e sofrimentos. É dom porque é gratuita, não pagamos por ela, e por isso mesmo não nos pertence, somos seus guardiões, assim temos por direito e dever cultivá-la e honrá-la sempre, mas também por este motivo não podermos nos preocupar tanto com sua condição, pensando sempre que poremos perdê-la à qualquer instante ou que um dia envelheceremos e dependeremos de outras pessoas e por fim morreremos. Ora, mas se acreditamos em um Deus que nos criou por amor e quer que sejamos felizes, mesmo nos momentos de aflição e provação, porque Este Deus nos abandonaria em tais momentos?
O Senhor não nos abandona, mesmo quando parece que tudo está ruindo sobre nossas frágeis cabeças, ao contrário, Ele está sofrendo conosco, mostrando para nós que não estamos sozinhos nesta luta pela vida. Ele também nos faz refletir que não somos donos nem senhores absolutos de tudo que existe no Mundo, mas é Seu poder que sustenta todo o Universo, portanto também a nós. E não vejamos como sendo um castigo o sofrimento que por ventura passamos, pois é mais coerente pensarmos que seja uma consequência natural de nossa condição humana, a não ser que colhamos o que tantas vezes plantamos, todavia, sempre temos uma chance para reparar nossos atos, por menor que essa seja. “Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas e segue a justiça, a piedade, a fé, a caridade, a paciência, a mansidão.” (I Timóteo 6,11).
Já ouvi muita gente dizer que ser feliz ou ter uma “vida boa”, é está sempre alegre, com dinheiro, fama e prestígio perante o Mundo. Mas penso que estas coisas são apenas parte daquilo que poderia ser a felicidade, no entanto, não é a total felicidade, porque o complemento desta é muito mais consistente e independente das coisas deste Mundo: é uma certeza inquebrantável de ser amado (a) por Deus, é acreditar que mesmo depois de tudo o que vivemos e cultivamos nesta vida teremos algo incomparavelmente belo na eternidade e é saber que ela é um estado de espirito e não um sentimento passageiro de contentamento, portanto, poder-se, sim, ser feliz mesmo quando se passa por um instante de dor, de ausência de algo ou alguém que amamos. “Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração” (Rm 12,12).
Como toda criatura, feita pelas mãos do Criador Supremo, necessitamos de um bom cultivo, de sermos adubados, regados e podados, porque sem a poda a planta cresce desordenadamente e não fica tão bonita, não dar muitos frutos, sendo podada, porém, ela tem uma estética bela e saudável, cresce mais frondosa e seus frutos são abundantes e sadios, porém nesse caso haverá momentos de dor ao sermos podados. Mas quando estivermos passando pela prova do Jardineiro da Vida que é Deus, peçamos a graça de suportarmos com amor, esperança e fé, porque estas virtudes sustentam a alma humana e não nos deixam desistir de viver, e quando tudo passar veremos que valeu à pena e que crescemos muito, aprendemos a ser mais resistente, fortes após cada batalha travada e vencida com o auxílio do Senhor. É certo que muitas mudas retiradas da árvore de nossa existência são plantadas e crescem tornando-se novas plantas do jardim da Vida, por causa de nosso testemunho.
Tenhamos, então, paciência conosco mesmos, com o Mundo e com aqueles que nos cercam, sejamos perseverantes perante as provações que passamos, mesmo quando nos causam momentos de desolação. Acredite: sempre brilha uma luz no horizonte e devemos fixar nosso olhar nela, assim a escuridão não se torna total e quando vamos prosseguindo a caminhada esta luz brilha mais forte dissipando por completo as trevas que nos amedrontavam. Claro, essa Luz é a fonte da Vida: Jesus Cristo! “A paciência move a bondade e a piedade divinas - Como sabeis, temos por bem-aventurados os que perseveraram. Ouvistes da paciência de Jó, e vistes o fim que o Senhor lhe deu. O Senhor é cheio de misericórdia e compaixão.” (Tg 5,11).
Por fim, queridos fieis da Paróquia de Nossa Senhora do Bom Conselho e todo o povo de Deus espalhado pelo Planeta, desejo a paz de Jesus aos seus corações, que mesmo diante das adversidades da vida vocês encontrem abrigo seguro, e podem contar com minhas orações de amigo, sacerdote e conterrâneo, pois a oração tem poder de transformar todas as situações. Sejam felizes sob a proteção do Altíssimo.
Deus os abençoe: em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo!
Fraternalmente em Cristo Jesus, seu vigário:

Pe. Antoniel Batista"

O religioso autor desta bela peça é filho de dona Ednalva e seu Toinho, pessoas muito queridas nesta comunidade.

Rau Ferreira


(*) Publicado originalmente no blog ANDRADE NOTÍCIAS (www.andradenoticias.com), em 07/02/2012.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…