Pular para o conteúdo principal

Sol: A Itália sempre jovem

Silvino Olavo
Silvino Olavo escreve – em um de seus textos publicados no Diário da Manhã, em setembro de 1923 – à Itália Jovem. Não que este país tenha sido recém descoberto, muito pelo contrário, em seu território há uma acrópole de monumentos históricos e sítios arqueológicos que remontam à antiguidade; mas sobre o seu aspecto jovial e renascentista pós-Primeira Guerra Mundial.
Esse primeiro grande conflito da humanidade moderna ocorreu entre 1914 e 1918, trazendo grande aflição para os povos, inclusive latino-americanos, com o perecimento de milhares de pessoas e a destruição quase que total de alguns países.
Inicia o seu comentário dizendo que não reconhece o bem da guerra como estimulante para as raças heróicas, “A despeito dos filósofos e dos poetas que acreditam na necessidade da guerra para o advento renovador dos valores estéticos e sociais do mundo”.
Não obstante acredita na união, na certeza otimista que soergue um país após uma disputa armada. Dizia-o ancorado nas evidências e no acerto soez que a Itália ostentava para o mundo naquele momento da história.
Enquanto os demais países do eixo europeu protestavam, levantavam bandeiras anti-bélicas contra tudo e todas as autoridades, a carestia e a queda do câmbio demonstrando assim que as almas se tornam mais céticas. O povo italiano com maestria e humildade reconstruía o seu país com heroísmo com um ideal de fé e rejuvenescimento.
A luta nas trincheiras trouxe-lhe esta lição, elevada por um sentimento de nobreza “E tudo isto se deu sob um véu de discrição irrevelável (...); não exigiu auxílios sob a alegação de sacrifícios, porque a causa que estava em jogo era a sua própria causa – a da civilização”.
Acrescenta que o povo italiano tem absoluta confiança em sua capacidade de organização, sob a égide de que a Itália é o mundo moral decantado por poetas e artistas. E acredita que ela tudo faria para obstar o prosseguimento de incidentes extremos, condenáveis de outra conflagração, ao passo que evoca a confiança na Itália sempre renovada, “depositária fiel dos esplendores helênicos, Custódia da fé e da Civilização, Acrópole moderna da Arte imperecível, - Roma – Cidade Eterna, Centro irradiante de todos os fulgores solares da alma latina”.
Assim encerra o nosso poeta o seu texto no folhetim carioca, no quinto ano do pós-guerra. Em sua coluna semanal, abordava vários aspectos da cultura, do folclore e do direito internacional. Neste também foram publicadas suas críticas literárias, que lhe valeram a publicação de Cordialidade, no ano de 1927.


Rau Ferreira

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…