Sol: A Itália sempre jovem

By | 16.6.14 Deixe seu comentário
Silvino Olavo
Silvino Olavo escreve – em um de seus textos publicados no Diário da Manhã, em setembro de 1923 – à Itália Jovem. Não que este país tenha sido recém descoberto, muito pelo contrário, em seu território há uma acrópole de monumentos históricos e sítios arqueológicos que remontam à antiguidade; mas sobre o seu aspecto jovial e renascentista pós-Primeira Guerra Mundial.
Esse primeiro grande conflito da humanidade moderna ocorreu entre 1914 e 1918, trazendo grande aflição para os povos, inclusive latino-americanos, com o perecimento de milhares de pessoas e a destruição quase que total de alguns países.
Inicia o seu comentário dizendo que não reconhece o bem da guerra como estimulante para as raças heróicas, “A despeito dos filósofos e dos poetas que acreditam na necessidade da guerra para o advento renovador dos valores estéticos e sociais do mundo”.
Não obstante acredita na união, na certeza otimista que soergue um país após uma disputa armada. Dizia-o ancorado nas evidências e no acerto soez que a Itália ostentava para o mundo naquele momento da história.
Enquanto os demais países do eixo europeu protestavam, levantavam bandeiras anti-bélicas contra tudo e todas as autoridades, a carestia e a queda do câmbio demonstrando assim que as almas se tornam mais céticas. O povo italiano com maestria e humildade reconstruía o seu país com heroísmo com um ideal de fé e rejuvenescimento.
A luta nas trincheiras trouxe-lhe esta lição, elevada por um sentimento de nobreza “E tudo isto se deu sob um véu de discrição irrevelável (...); não exigiu auxílios sob a alegação de sacrifícios, porque a causa que estava em jogo era a sua própria causa – a da civilização”.
Acrescenta que o povo italiano tem absoluta confiança em sua capacidade de organização, sob a égide de que a Itália é o mundo moral decantado por poetas e artistas. E acredita que ela tudo faria para obstar o prosseguimento de incidentes extremos, condenáveis de outra conflagração, ao passo que evoca a confiança na Itália sempre renovada, “depositária fiel dos esplendores helênicos, Custódia da fé e da Civilização, Acrópole moderna da Arte imperecível, - Roma – Cidade Eterna, Centro irradiante de todos os fulgores solares da alma latina”.
Assim encerra o nosso poeta o seu texto no folhetim carioca, no quinto ano do pós-guerra. Em sua coluna semanal, abordava vários aspectos da cultura, do folclore e do direito internacional. Neste também foram publicadas suas críticas literárias, que lhe valeram a publicação de Cordialidade, no ano de 1927.


Rau Ferreira
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 Comentários: