Pular para o conteúdo principal

História do Cemitério Público

Detalhe do Cemitério (Foto: Blog Esperança de Ouro)
O costume de enterrar os mortos é imemorial, e em Esperança não poderia ser diferente. Mas em 1860 não existam ainda cemitérios na região. A solução era bem simples: as pessoas ricas eram enterradas nas igrejas e os pobres nos campos.
Reza a tradição que o cemitério público teria sido construído em 1862, por ordem do Padre Ibiapina. O local escolhido era bem afastado da vila e recebeu a denominação de Campo Santo. A motivação teria sido o surto de Cólera Morbidus que assolou a nossa região naquela época.
Demorou muito tempo até que as pessoas sepultassem os seus mortos independentes de classe social. Um dos primeiros túmulos era da família Pedro, de Lagoa de Pedra.
Antigamente existia um caixão grande, tipo padrão que levava o féretro até o Cemitério. Por esse tempo, os mortos eram vestidos de "mortalhas", que era uma espécie de roupão, mas algumas pessoas eram enterradas em redes e outros eram levados em padiolas.
Mais tarde a prefeitura tratou de fabricar caixões para as pessoas pobres. Eram feitos de compensado e plástico, em geral roxo, coberto com papelão. Não tinha luxo, mas servia aos propósitos.
O cemitério Nossa Senhora do Carmo passou por diversas reformas. Em 1949, por exemplo, foi adquirido um terreno ao Sr. Manuel Alves da Rocha para ampliação, tendo sido construído uma capela ao centro.
E no ano de 1963, por iniciativa do Vereador Dogival Belarmino Costa, através do Projeto de Lei N. 02/63, foi proposto a aquisição de um outro terreno anexo ao Cemitério, este pertencente a Salvino Manuel de Maria, medindo 30 de largura por 204 metros de fundo. A seguir apresentamos o projeto original:
Projeto de Lei n. 2Autoriza o Poder Executivo a comprar um terreno no final da Rua Solon de Lucena, para fim que especifica.A CÂMARA MUNICIPAL DECRETA:Art. 1o. Fica o Prefeito Municipal de Esperança autorizado a comprar um terreno no final da Rua Solon de Lucena, antiga Campo Santo desta Cidade, medindo 30 (trinta) metros de largura, por 204 (duzentos e quatro) metros de fundos, no valor de CR$ 200.000,00 (duzentos mil cruzeiros), ao Sr. Salviano Manuel de Maria a construção de um Cemitério Público Municipal.Art. 2o. É igualmente autorizado o Prefeito Municipal a abrir o crédito especial naquela importância para o fim de que trata o art. anterior.Art. 3o. Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.SALA DAS SESSÕES DA CÂMARA MUNICIPAL DE ESPERANÇA, 10 DE DEZEMBRO DE 1963.Dogival Belarmino CostaVereador Municipal 
Anos mais tarde, na final década de 90 e início do Século XXI, o local foi novamente reformado. Retirou-se a antiga capela e construiu-se uma nova no final. O cemitério foi murado em formato de “L”, e segundo dizem, encontra-se com sua lotação quase completa, havendo necessidade da construção de um outro.
Apesar de várias empresas que fazem o serviço fúnebre nesta cidade, não temos cemitérios particulares.
Todos os anos o local é bem freqüentado por aqueles que visitam os seus entes queridos, sendo comercializados flores, velas e outros adereços que adornam as catacumbas.
Registre-se que o Município de Esperança ainda mantém um Cemitério Público em Massabiele.
No detalhe da foto, podemos observar o estilo colonial do Século XVIII na fachada do Cemitério Público de Esperança.
No excelente blog de Jailson Andrade (Esperança de Ouro) encontra-se o decreto de autoria do Prefeito Júlio Ribeiro que desapropriou parte de uma propriedade do Sr. Manuel Alves da Rocha, para reforma e ampliação do Cemitério Público no ano de 1949. Visite: http://www.esperancadeouro.com/

Rau Ferreira

Referências:
- ESPERANÇA, Livro do Município de. Ed. Unigraf. Esperança/PB: 1985.
- ESPERANÇA, Câmara Municipal de. Arquivo Público. Esperança/PB: 2010;
- FERREIRA, Rau. Dogival Belarmino Costa. Arquivo pessoal e familiar. Esperança/PB: 2010.
-Blog Esperança de Ouro, disponível em  http://www.esperancadeouro.com/, 02/11/2011



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…