Pular para o conteúdo principal

Silvino Olavo

Silvino Olavo
Nascido na fazenda Lagoa do Açude no dia 27 de julho de 1897. Seu pai era um próspero criador de gado em Esperança, dono de diversas fazendas. Em 1915 mudasse com a sua família para a vila, nessa época já freqüentava a escola do professor Juviniano Sobreira, progenitor do Coronel Elysio Sobreira.
Por força de um amor não recepcionado no seio de sua família, foge para a Capital e matricula-se no Colégio Pio X. Neste educandário é agraciado com a medalha de Honra ao Mérito, por sua dedicada vida estudantil.
Em 1920 conclui o curso ginasial e presta exames vestibulares, sendo aprovado para o curso de Direito da Faculdade Nacional do Rio de Janeiro. E em fevereiro do mesmo parte para a então capital federal brasileira.
Nessa miscelânea maravilhosa comunga com diversos intelectuais de sua época e conhece o paraibano João Pessoa, Ministro do Tribunal Militar.
Tem inicio a sua formação jurídica, publica em diversos jornais, atua como redator em alguns periódicos e trabalha nos Correios e Telégrafos para complementar a mesada do pai. No Rio são publicados seus principais trabalhos: Cysnes (1924), Socialização e Estética do Direito – tese (1925) e Sombra Iluminada (1927).
Após concluir o seu bacharelado, sendo eleito orador da turma, retorna à Parahyba em 1925 na companhia do vate Peryllo de Oliveira, e engaja-se em prol da emancipação de sua terra natal, onde proclama o seu famoso discurso: “Esperança – Lírio Verde da Borborema”.
Participa, ainda, da política estadual. Forma o “Grupo dos Novos” e assume a chefia d'O Jornal - órgão dirigido por José Gaudêncio -, ao passo que escreve para outros periódicos da Paraíba e de Pernambuco.
Em março de 1926 faz sua estréia no Jornal "A União". Em seu artigo inaugural, publicado no suplemento “Arte e Literatura” comenta o livro do escritor pernambucano Oswaldo Santiago, “Gritos do silêncio”. Chefiou a redação de “O Jornal”, e escreveu para as revistas “Nova Era” (Paraíba), e o periódico “A Província” (Rio de Janeiro), colaborando ainda com algumas publicações de Pernambuco. Ainda nesse ano, é nomeado Promotor Público da capital, integrando o Conselho Penitenciário da Paraíba.
No ano seguinte, submete-se a concurso público e é aprovado para o cargo de Agente Fiscal do Consumo com atuação em Vitória-ES. E passa a escrever uma coluna para o jornal Diário da Manhã, daquele Estado.
Em 1928, de volta ao seu Estado natal, se engaja na campanha de João Pessoa ao governo do Estado e é nomeado Oficial de Gabinete em 22 de outubro.
Em fevereiro de 1929, Silvino Olavo recebe Mário de Andrade, juntamente com outros intelectuais ligados à “Era Nova”. Em junho daquele aparecem-lhe os primeiros sintomas da esquizofrenia, quando visitava sua noiva Carmélia Veloso Borges no Pilar. E em setembro discursa nos comícios de Santa Rita e Barreiras pela Caravana da Aliança Liberal. Casa-se dois meses depois, quando então tem uma nova crise. Desta união, a sua única filha Marisa Veloso Costa, que faleceu aos 12 anos de idade no ano de 1950.
Com a morte de João Pessoa em 1930, passou a apresentar um quadro esquizofrênico. Foi internado diversas vezes na Colônia Juliano Moreira, até que o seu cunhado Valdemar Cavalcanti, o recebeu para tratamento domiciliar em Esperança.
Durante seus intervalos lúcidos, produziu diversos poemas e eternizou a sua musa “Badiva”.
Faleceu em 26 de Outubro de 1969, vítima de complicações renais, no Hospital Dr. João Ribeiro, em Campina Grande.
Silvino Olavo é o patrono da Cadeira 35 da Academia de Letras de Campina Grande, com assento na de número 14 da Academia Paraibana de Poesia.
Este grande poeta deixou-nos como legado as seguintes obras: Cisnes (1924); Socialização e Estética do Direito (1924); Esperança - Lírio Verde da Borborema – Discurso (1925); Sombra Iluminada (1927); Cordialidade - Estudo Literário - 1ª Série - N. York, 1927; Badiva, obra póstuma (1997).

Rau Ferreira

Referências:
- A vida dramática de Silvino Olavo, autoria de João de Deus Maurício, João Pessoa/PB, Unigraf, 1992;
- Badiva: poesias inéditas de Silvino Olavo, Marinaldo Francisco de Oliveira (Org.), Esperança/PB, Secretaria Municipal de Educação e Cultura, 1997 - p. 26/28.
- Jornal “A União”, suplemento “Arte e Literatura”, Estado da Paraíba, edição de 21/02/1926, artigo de capa.

- Pequena Biografia do Poeta Silvino Olavo, por Roberto Cardoso - Jornalista. Cisnes/ Sombra Iluminada – 2a Edição, 1985 – p. 3/5.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…