Pular para o conteúdo principal

Povoação de Esperança

Esperança sempre foi citada como um “recanto aprazível”, um lugar bom de se morar, não só pelo seu clima ameno mas por sua localização privilegiada; e sua gente foram sempre as mais acolhedoras da região.
Em 1892 Irineu Joffily cita em sua obra que “Banabugê ou Esperança, grande e aprazível povoação, (...) era simplesmente uma fazenda de criação, quando pela sua feliz situação foi escolhida para o estabelecimento de uma feira de gêneros alimentícios, que foi a sua origem”, acrescendo que ela possuía “uma espaçosa e bonita igreja, a melhor da freguesia e a sua feira é uma das mais frequentadas”.
Por sua vez, registra Coriolano de Medeiros em 1914, que esta povoação pertencia a Alagoa Nova, da qual ficava a 15 kilômetros e já contava com um número de 800 habitantes, fazendo as seguintes considerações: “Tem boa edificação, bem construida egreja de NS do Bom Conselho, agencia de correio, escolas primárias, commercio regular, e aos sabbados realisa animada feira. (....) é de aspecto pittoresco, e muito saudável”.
Provavelmente surgida das seguintes sesmarias citadas por Epaminôndas Câmara: “1713 – 13 de junho, a Mateus de Araújo Rocha, uma no logar Lagoa de Pedra sertão do Paó” e “1789 – 16 de outubro – Idem, a Manoel Gonçalves Diniz, José Barbosa, Veríssimo Freire e Francisco Barbosa, uma entre a lagoa do Genipapo, a do Freitas, Olho D'água de Cajazeira, Lagoa do Mato, riacho dos Porcos e Banabuié.”
Os autores fazem referências não só ao seu comércio progressista como também a educação, que desde há muito se praticava nestas pargens. Citemos a Lei provincial nº 339 de 27 de novembro de 1869, que estabelecia uma cadeira da instrução primária “na povoação de Banabuyé do termo de Alagoa Nova”. E o “Almanach do Estado da Parahyba” de 1922, que apontava uma “Cadeira do sexo feminino da povoação de Esperança, do município de Alagoa Nova, regida pela professora effectiva d. Amália da Veiga Pessoa Soares” (p. 148).
Mas o certo é que o comércio desta povoação era bem sucedido. A história registra-se desde 1897 a abertura da “Loja das Noivas”, de Theotônio Tertuliano da Costa; e em 1911 a “Loja Ideal”, de Manuel Rodrigues de Oliveira.
Contudo, é José de Cerqueira Rocha quem faz a melhor descrição desta terra, para o “Annuário da Parahyba”, mencionando o surto progressista pela qual esta povoação foi tomada, lembrando a urbanização, a abertura de novas ruas, a instalação de postes de iluminação, o clima e a hospitalidade “de uma região que se tornou privilegiada”.
Tudo isto contribuiu para a criação da Paróquia de Esperança em 1908, por ordem do Bispo da Paraíba, Dom Adauto, levando em consideração as necessidades espirituais da povoação de Esperança (MATRIZ, Livro Tombo nº 01, f. 01). E por consequência sua elevação para “Villa” e posteriormente emancipação em 1925.

Rau Ferreira
Referências:
-         Notas sobre a Parahyba, JOFFYLI, Irineo. Ed. Typographia do "Jornal do Commercio": 1892, p. 208/209.
-         Diccionario chorographico do Estado da Parahyba, MEDEIROS, Coriolano de. Ed. Imprensa Official: 1914, p. 35;
-         Os alicerces de Campina Grande: esboço hitórico-social do povoado e da vida, 1697-1864, Epaminondas Câmara, 3ª Edição, Ed. Oficinas Gráficas da Livraria Moderna, p. 95/110;
-         Leis e Regulamentos da Instrução Primária da Paraíba no Período Imperial, Antonio Carlos
Ferreira Pinheiro e Cláudia Engler Cury (Org.), INEP, Brasília-DF:2004, p. 151;
Parahyba do Norte, Collecção das Leis Provinciaes de 1869. Parahyba: Typ. dos herdeiros de
-         J.R. da Costa, Rua Direita nº 20. 1869
-         Almanach do Estado da Parahyba - Volume 14, Publicado em 1922, p. 148;
-         Livro do Município de Esperança, Ed. Unigraf, 1985 – p. 80;
-         - Revista Fisco – Ano XXXVIII - N. 364, Setembro-2008 – p. 12/13;
-         Site da Paróquia: www.paroquianossasenhoradobomconselho.org/;
-         “Annuario da Parahyba” Volumes 1-3. Artigo: Esperança, Recanto aprazível, por José de Cerqueira Rocha, Imprensa Official: 1934, p. 155/157.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…