Pular para o conteúdo principal

Esperança: Casamento (1980/2000)*

Por Evaldo Brasil

Casamento matuto: 2004 (foto Evaldo Brasil)
A cerimônia de casamento caipira é uma manifestação realizada durante os festejos juninos, originalmente, nos dias dedicados a São Pedro.Dependendo da região e estado do Brasil o Casamento Caipira é conhecido também por outros nomes como Casamento Matuto e Casamento na Roça.

Anos 80. Na Rua Monsenhor Palmeira, no calçamento escorregadio, uma quadrilha dentre tantas se arma para festejar Sanjoão. Dentre os brincantes, Karl Marx e alguns dos futuros expoentes dos atos de esquerda a partir de então: Claudionor Vital Pereira e eu, Evaldo Pedro Brasil da Costa... Eis que armados, de batina ou carabina, protagonizam um Casamento Matuto.  A noiva, não lembro quem; o padre, também não. Talvez algum dos internautas que venham a ler este texto se alembrem de ter estado lá, a quinhentos metros da Maternidade; recorde ter sido algum dos personagens encarnados na ocasião.
Coletado por Claudionor Vital, filho que seria o padre da família Vital Pereira, hoje advogado e estudioso da Doutrina Espírita, o texto foi ensaiado e vivido num único dia. Mas o futuro lhe reservava a vitória e outros registros.
O Casamento é uma paródia às cerimônias tradicionais. O cerimonial é precedido de um grande cortejo pelas ruas da cidade, onde os principais personagens da representação são: a noiva grávida, o noivo, o delegado, o padre, os pais dos noivos, padrinhos etc. O enlace caricaturado se desenvolve em meio às fugas do noivo, às indecisões da noiva e ameaças por parte dos pais, vigário e do delegado. Os textos apresentam uma linguagem libidinosa e os sermões contêm fortes conotações crítico-sociais. Após a celebração do casamento, inicia-se a quadrilha. 

Anos 2000. Na Rua Manoel Rodrigues, no asfalto desgastado com o tempo, uma turma se perfila para competir no último de uma série de concursos promovidos pela Prefeitura Municipal de Esperança. Dentre os brincantes, Evaldo Brasil, Marcos Marciel, Júlio Vanderlânio... Eis que, de posse de uma gravação feita primitivamenteem fita cassete daquele texto coletado por Nanô de Seu Elpídio, protagonizaram uma vitória apertada no Concurso de Casamento Matuto 2004. A noiva era Aninha de Remígio; o Padre, Júlio Vanderlânio, o Coroinha, Marcos Marciel... policial, noivo e mão, pai e mãe da noiva, testemunhas, enfim, todos componentes do GEA Irineu Joffily.
Casamento matuto: 2004 (foto Evaldo Brasil)
Adaptado por mim, então professor de Inglês e Artes da EEEFIJ, tradicional palco de festas juninas, e meus alunos, aquele texto manteve a originalidade e, apesar de concorrer com o do CEMOL, pertencente à irmã do então prefeito, levou o primeiro lugar, um rádio gravador com CD player AIWA, confirmando que o concurso era sério, sem manipulação dos resultados.
Júlio Vanderlânio, ao abrir a caixa improvisada do prêmio, denuncia aos risos uma barata, de pilhéria. O prêmio viria a ser o segundo equipamento do tipo na escola. Mas, a quebra do paradigma de que o Irineu só ganhava nos Jogos Estudantis foi o prêmio maior, para a estima de todos os que faziam algo mais que jogar. A descrença era tal que apenas dois dos professores da escola estiveram na plateia.
Não há mais notícia da sequência doconcurso.Desde então, o texto foi publicado em folheto por nós em 20 de janeiro de 2011. E, desde sempre, o Casamento Matuto vem sendo, ora abertura ora intervalo, ora de relance ora com destaque, parte das quadrilhas. E quando não, os noivos e o padre nos lembram de que bem podia alçar voo para a comédia de costumes, ensaio fotográfico, curta-metragem de ficção ou documentário.

Evaldo Brasil

FICHA TÉCNICA:
Casamento Matuto (Vencedor do concurso promovido pela SEC/PME 2004)
Texto: Domínio Público/C. Vital/E. Brasil/CAC-GEA-IJ
Montagem: Companhia de Artes Cênicas do Grupo de Expressões Artísticas da EEEF Irineu Joffily/GEA-IJ

BRINCANTES:
Marcos Maciel: Coroinha (6ª Série)
Evaldo Brasil: Caimortto, anunciante (Professor)
Júlio Vanderlânio: Vigário (7ª Série)
Vanderléia: Dona Risaldina, mãe da noiva (7ª Série)
Carlos Renato André: Zéfino, pai da noiva (7ª Série)
Magnânea Alves: Dona Titi, mãe do noivo (8ª Série)
Antonio Ribeiro: Epaminondas Natanael, Epá das Cabras, noivo (7ª Série)
Ana Maria Cavalcanti: Teresa Raquel Sarradênia, Tetê Galheira, noiva (7ª Série)
Josinaldo Barbosa: Jacinto Manuel, policial (7ª Série)
Edson Silva: Playboy (7ª Série)
Testemunhas: Casais da quadrilha:
Odevaldo Belarmino (6ª Série) &Zeza (3ª Série); Evaldo Brasil &Claudeane Rodrigues (8ª Série), dentre outros ao longo das apresentações na escola e no EMARP
Trilha Sonora: Xiquexique, de Tom Zé
Conversão de Áudio: Franciraldo Brandão

Fotos: Silvano Porto (Fortaleza/CE)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga fábrica de caixões

Houve um tempo que não existiam planos pós-morte e que o povo carente se enterrava com a própria rede. Ser conduzido em um ataúde para a morada eterna era um luxo para poucos. Os falecidos eram velados nas próprias residências de um dia para o outro. Servia-se café na cozinha, enquanto que os homens ficavam na sala contando histórias de “trancoso”. O município passou então a dar o artefato, mas dia sim e dia não tinha uma viúva batendo a porta da prefeitura, foi então que alguém resolveu instalar uma fábrica de caixões na rua Theotônio Tertuliano, por trás da Secretaria de Educação. O caixão fúnebre era construído dessas madeiras de caixa de batata, com alguns caibros para dar sustentação. Forrava-se com um plástico fino, de cor azul para homem ou roxo e rosa para mulheres. Na tampa se colocava um vidro para ver o ente querido. Era pequeno e, a depender do defunto, precisava fazer alguns ajustes. A prefeitura também dava a mortalha, que era um camisão, enquanto que as flores ficaram a …

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…