Pular para o conteúdo principal

Elisio Sobreira no combate ao cangaço

Reportagem Especial

O Comandante Elysio Sobreira estava a frente da Força Pública da Paraíba em 1925 e fazia o combate ao movimento denominado “Cangaço”, cujo expoente a nível nacional era conhecido por Lampião.
Natural de Espeança/PB, Elysio Sobreira de Carvalho nasceu em 1878 e faleceu em 1942. O Governador à época - Dr. João Suassuna - confiara-lhe esta missão, ressaltando que o Coronel tinha “mãos firmes e claro conhecimento da vida da corporação”.
A Companhia, sob as ordens do esperancense, era auxiliada pelo Capitão Irineu Rangel de Farias, que assumiu a fiscalização do 2° Batalhão Militar.
Sobreira passou então a visitar pessoalmente a sede dos destacamentos paraibanos, inteirando-se das necessidades da tropa e sugerindo providências a bem do Estado, “sempre com muita clareza, inteligência e economia”, disse o governante.
O plano de defesa do território paraibano engendrado pelo governador com o apoio do Coronel Sobreira contava com 1.200 soldados dos quais 400 homens guarneciam toda a região do Rio do Peixe [Cajazeiras, Souza, São João e Belém]. Com isso foi possível salvar de saques essas vilas, com exceção da de Piancó a cuja direção tomou o inimigo deixando um rastro de desordens. Eis o registro segundo a grafia do seu tempo:
Na Villa de Piancó, além do saque e arrombamento de todas as casas commerciaes e particulares, foi inteiramente derramado, com a perfuração das respectivas latas, um depósito de gazolina de uma das referidas companhias, confiado ao estabelecimento do Sr. Sebastião Dantas” (SUASSUNA: 1926).

Na aludida municipalidade foram queimados o Paço da Prefeitura, a Agência dos Correios e a Mesa de Rendas, além da residência do tabelião Paizinho Azevedo. O comércio foi pilhado, sendo atingido ainda a povoação de Sant’Ana dos Garrotes. Tombaram em combate 23 civis e duas praças além do Padre Aristides Ferreira.
Mas o Estado não se deixou abater e seguindo as orientações do Comandante da Força Policial empreendeu grandes vitórias contra a horda de invasores. Na luta armada entre Pombal e Souza caíram em torno de 40 cangaceiros e 10 foram feitos prisioneiros, sendo os demais obrigados a penetrar em Pernambuco por Navio e Moxotó, em vez de dirigirem-se a Villa Bela.
Inácio Gonçalves de Souza, biógrafo do militar esperancense, anota em sua obra que “O Coronel Elísio Sobreira esteve sempre a frente dos serviços, pondo em prática as suas valorosas táticas e estratégias, com altivez, segurança e moral elevada” (SOUZA: 2010).
Acrescenta ainda o escritor a importância da atuação do comandante contra o cangaço na Paraíba:
(...) eram momentos de muita tensão e medo por todo o interior do Estado, sobretudo, no Sertão e Cariri. Nestas íngremes regiões e micro-regiões, o valoroso Alfares adquiriu o seu merecido conceito e, outras incumbências lhes foram confiadas em defesa da paz e da ordem pública. Sempre efetivando a sua maestria e sapiência, este impávido esperancense honrou com veemência e prontidão a sua Corporação, com lealdade, coragem e muita disciplina”.

O telégrafo funcionava dia e noite com as notícias que seguiam do Sertão. E a par de tudo, o governador enviava as suas instruções ao seu ordenança pessoal, creditando parte do sucesso desta guerrilha ao valoroso Coronel Sobreira. Em mensagem à Assembléia do Estado, finaliza o chefe do executivo nestes termos:
Esta corporação, dividida hoje em dois batalhões, continua a prestar, sob a direção do Tenente-coronel Elysio Sobreira, os melhores serviços ao Governo do Estado.
Além da dedicação com que mantém a ordem pública, fructo em grande parte da vigilância e disciplina da polícia militar, foi ella, decidida como sempre, um dos elementos com que me achei no combate aos rebeldes”.

Por sua bravura além desses e outros feitos relevantes é que Elysio Sobreira de Carvalho tornou-se o Patrono da Polícia Militar na Paraíba (Decreto nº 1.238/57), sendo-lhe dedicado o dia 20 de agosto para as comemorações da Corporação a que serviu por longos 35 anos.

Rau Ferreira

- ESPERANÇA, Livro do Município de. Ed. Unigraf. Esperança/PB: 1985;
- SOUZA, Inácio Gonçalves de. Coronel Elísio Sobreira: do heroísmo ao patronato. Idealgraf: 2010.
- SUASSUNA, João. Mensagem à Assembléia Legislativa do Estado da Paraíba. Parahyba do Norte. Imprensa Official: 1926.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…