Pular para o conteúdo principal

50 anos da Mercearia Andrade

Reportagem Especial

A Mercearia de seu Pedro José de Andrade [Pedro Lourenço] está completando 50 anos de existência. Este sólido empreendimento teve início nos anos 60 quando seu pai - José Joaquim de Andrade - comerciante e marchante em Lagoa de Pedra comprou um imóvel em Esperança na rua Floriano Peixoto, 192.
O velho Porfírio serviu de intermediário no negócio. O terreno estava bem situado e ficava próximo ao futuro Mercado Público que iria ser construído por Arlindo Delgado.
Na época ainda havia um alpendre que vendia lenha e carvão. Foi então que Pedro teve a idéia de abrir um comércio em sociedade com seu irmão Epitácio naquele local. O pai prontamente autorizou e os dois foram até Remígio comprar as instalações.
A mercearia vendia de tudo um pouco: bebidas, estivas e laticínios em geral, contudo o movimento era muito fraco pois o comércio apenas abria suas portas aos sábados, no dia da feira. Ainda no início Epitácio resolveu desfazer a sociedade e partir para o Rio de Janeiro, realizando assim um antigo sonho. Mas Pedro continuou o empreendimento auxiliado por um funcionário conhecido por “Boa tarde”.
E para adquirir seu estabelecimento seu Pedro teve que entrar para a política! O ex-prefeito Joaquim Virgolino era parente de Modesto Vitor e fez a proposta de candidatar um de seus dois filhos, que no entanto recusaram. Contudo, seu Modesto indicou o nome do genro Pedro Lourenço para a uma vaga de vereador pela Arena 2. No dia seguinte Joaquim Virgolino foi pessoalmente a casa de Pedro que lhe fez uma contra-proposta: “Eu aceito me candidatar se você vender o seu terreno que fica localizado no Campo de Aveloz!”. O problema é que Joaquim já havia vendido o terreno a outro que inclusive colocara um caminha de pedras no local. Enfim, Joaquim teve que indenizar o comprador e revender a Pedro.
Nas eleições de 68 seu Pedro obteve 218 votos, faltando-lhe apenas 30 para ser eleito. Segundo consta, nunca teve aula de oratória mas falava muito bem.
No final daquela campanha ele deu início a construção de sua casa naquele terreno, que depois trocou com o pai no edifício da mercearia.
Após esses episódios o Armazém Andrade se tornou um dos mais freqüentados e conhecidos da região. Passou a abrir diariamente e receber fregueses de todas as partes.
O ponto comercial sofreu algumas modificações. Uma delas na gestão de seu Luís Martins quando da abertura da rua José Andrade, onde uma parte foi demolida para alargamento desta avenida. E mais recentemente quando se construiu o edifício de três andares. Atualmente o terreno abriga além da mercearia dois outros pontos comerciais e um segundo piso residencial.
Muito habilidoso, seu Pedro chegou a fabricar os próprios produtos: vinho de caju e jurubeba, vinagre, sabão, pipocas e doces cristalizados de goiaba, fornecendo para outros lojistas. E conquistou ainda uma grande vitória: encaminhar todos os filhos no ramo comercial. Assim é que temos Jó Andrade da Granja e Farmácia Rosa Mística; Jailson proprietário da Bomboniere Andrade, Janilson com o Mercadinho Andrade e Jean com as Embalagens Andrade. Todos muito unidos e perseverantes no comércio.
Por tudo isso seu Pedro Lourenço se destaca como um dos grandes comerciantes de prestígio em nossa cidade, ao lado Zuza Nogueira, Jose Caetano da Silva, Jose Valério, Donato, Benício, Zé Belo, Manuel Cosmo, Paezinho da Bodega, Adauto Rodrigues, José Pessoa, Didi de Lita, Antonio Gogóia, Jeová da livraria, Patrício Bastos, Vilberto Leite, José Cicinato, Cabral, Eretiano e Arlindo da prestação.
No detalhe da foto os amigos Gogóia, Pituí, Pedro Lourenço e Dodge.

Rau Ferreira
Fonte:
- ANDRADE, Jailson. Família Andrade: um século de lutas, conquistas e vitórias. 3ª ed. Esperança/PB: 2009;
- Site TER/PB: Eleições de 1968, candidatos a vereador;
- Depoimento: Jailson Andrade via e-mail em 16/01/2011.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…