Pular para o conteúdo principal

Esperança: Notas corográficas

Fizemos algumas anotações corográficas das terras que compunham a antiga Sesmaria de Banabuyé.
Lembramos que a grafia varia de acordo com a época em que se insere, podendo variar de Banabuyé, Banabugê, Banabuhe, Banabuié, Banaboié ou Banabuiú, por exemplo. Algumas datam da própria concessão outras são referidas pelos historiadores que se seguiram ao seu tempo, como Irineu Joffily (Banabugê) e João Lira Tavares (Banabuié). De certo que o topônimo guarda relevância histórica, mas para facilitar o nosso trabalho preferimos a grafia Banabuyé que nos parece mais condizente com a linguagem tupi de onde se origina, segundo L. F. Clerot.
Eis as nossas notas:
Banabuyé – Sesmaria concedida a João da Rocha, revalidada em 1753. Situa-se entre no agreste paraibano entre as zonas do brejo e curimataú. Fazenda de criação de gado homônima da parentela dos Oliveira Ledo, pertencente a Amarinha Pereira de Araújo e seu esposo João da Rocha Pinto. Nas terras que formavam a antiga sesmaria de Banabuyé, surgiu em 1862 um aglomerado de casas que seria o  marco inicial do município.

Cabeço – Fazenda de criar gados que teve origem no espólio de Maria da Penha França e que por sucessão pertenceu a Francisca Celina Brandão e Francisco de Sales Pessoa.

Lagoa Verde – era uma Sesmaria pertencente a Matias Soares Taveira no ano de 1725, situada no Sertão do Paó, antiga denominação que delimitava as terras do litoral e interior.

Lagoa de Pedra – Sesmaria localizada no Sertão do Paó e concedida em 1713. Era uma fazenda de criar gados nas proximidades de Esperança e em 1865 fez parte do espólio de Maria da Penha França. Em 1909 esta propriedade pertencia ao Padre José Antunes Brandão, que exerceu o paroquiato em Lagoa de Roça por cerca de 50 anos.

Riacho Fundo – fazenda de criar gados que pertencia igualmente a dona Maria da Penha França.

Logradouro – fazenda que em 1865 pertencia ao Major Matias Francisco Fernanes, sogro de Manoel Rodrigues nosso primeiro prefeito. O Major Matias Fernandes foi grande fomentador do comércio local, faleceu em 1904.
Mateus Araújo Rocha, em 1713, estava situado na propriedade Lagoa de Pedra quando solicitou por gleba a referida Sesmaria que recebeu o n. 107. Estas terras se confrontavam com as de Domingos da Rocha, de n. 116.
Matias Soares Taveira criava gados no Sertão do Paó quando requereu duas Sesmarias: a de n. 109 (Lagoa Verde) limitava com terras de Domingos da Rocha, e a de n. 202 (Forno) fazia fronteira com os açudes Araçagi e Mamanguape.
O professor Clerot escreve em sua obra Trinta anos de Paraíba que: “...no alto da Borborema, aparece banabuhé, antigo nome de Esperança”.
No livro “Boa Vista de Sancta Roza: de fazenda a municipalidade” há uma referência a Sra. AMARINHA PEREIRA DE ARAÚJO, que com seu esposo João da Rocha Pinto, “estabeleceram-se em Lagoa Verde (Banabuê – no brejo), cerca oitenta quilômetros da fazenda Santa Rosa. Nesse lugar teve início a cidade de Esperança.” (MEDEIROS: 2003, p. 52).
Em 1753 a concessão da Semaria e Banabuyé foi revalidada, sendo estas pertencentes aos herdeiros de João da Rocha. De uma antiga carta retiramos o seguinte trecho: “... Sesmaria de terras de sobras no sertão das Alagoas, Banaboié desta Capitania, passada ditos em 15 de outubro de 1789... dizem que no sertão das Alagoas até Banaboié entre os filhos de João Morais, Rio Araçagi, Data do Riachão, Data do Banaboié se acham sobras devolutas de terras em seus meios, pegando da testada dos ditos filhos de João Morais...”, pelo que requerem a sua concessão.
Alagoas era a antiga denominação dada ao atual município de Remígio e pelo que se oberva pertenciam a nossa Banabuyé, assim como parte das terras de São Tomé (Alagoa Nova).
Com o passar dos anos e as constantes mudanças geográficas, restou-nos apenas os 165,189 km2 ora existentes. E até onde sabemos Esperança disputa com Lagoa de Roça o chamado Sitio Riacho Fundo, que também fica nos nossos limites; fato que ficou mais evidente durante o Censo IBGE 2010.

Rau Ferreira

Fonte:
- SALES, José Borges de. Alagoa Nova: Noticias para sua história. Fortaleza, Gráfica e Editora. 1990;
- SANTOS, Valter Araújo dos. São Sebastião de Lagoa de Roça: Anotações para a sua históriaia. Gráfica Fabrício: 2001;
- SERAFIM, Péricles Vitório. Remígio: Brejos e carascais. Editora Universitária: 1992;
-         SOARES, Francisco de Assis. Boa Vista de Sancta Roza: de fazenda à municipalidade. Ed. Unigraf, Campina Grande: 2003;
-         MEDEIRO, Tarcízio Dinoá. Freguesia do Cariri de Fora. São Paulo/SP: 1990;
- Wikipédia: Esperança (Paraíba) em pt. wikipedia.org;
-         Fotos: Esperança de Ouro, Jailson Andrade. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…