Pular para o conteúdo principal

A Pedra do Caboclo Bravo

Há quatro quilômetros do município de Algodão de Jandaira, na extrema da cidade de Esperança, encontra-se uma formação rochosa conhecida como “Pedra ou Furna do Caboclo” que guarda resquícios de uma civilização extinta.
A afloração de laminas de arenito chega a medir 80 metros. E no seu alto encontra-se uma gruta em formato retangular que tem sido objeto de pesquisas por anos a fio. Para se chegar ao lugar é preciso escalar um espigão de serra de difícil acesso, caminhar pelas escarpas da pedra quase a prumo até o limiar da entrada.
A gruta mede aproximadamente 12 metros de largura por quatro de altura e abaixo do seu nível há um segundo pavimento onde se vê um vasto salão forrado por um areal de pequenos grãos claros.
A história narra que alguns índios foram acuados por capitães do mato para o local onde haveriam sucumbido de fome e sede. As várias camadas de areia fina separada por capas mais grossas cobriam ossadas humanas, revelando que ali fora um antigo cemitério dos primeiros habitantes. Há relatos de objetos indígenas como esteiras e varinhas marcadas com tinta encarnda, e de pinturas nas paredes.
Em 1874, o comerciante João Lopes Machado visitou a pedra e descreveu suas impressões:

Descobri até a terceira camada, a ossada era sempre de tamanho descomunal. Um chapéu de oito pontos seria pequeno para uma caveira que tive entre as mãos; canelas e ossos da coxa com mais de três palmos; cabelos com mais de vara de comprimento. Também descobri uma tanga de palha de cores, mas que se desmanchava ao mais leve contato. Remeti ao governo da província amostras de tudo isso, acompanhadas de uma descrição da serra e da caverna, que aqui é conhecida pela furna dos caboclos, até hoje sem resposta. O que ainda não pude compreender é como podiam ser para ali conduzidos os cadáveres”.

Esse depoimento não é isolado. O latinista Joaquim Silva, respondendo ao questionário formulado por Ramiz Galvão em 1881, relata igualmente esses achados. E conforme artigo publicado n'A União em 1930, L. Schwennhagem também observou os vestígios dessa civilização desaparecida.
O lugar certamente fora o último reduto dos Índios Cariris, exterminados pelos gentios colonizadores. Porém este sítio arqueológico vem sido profanado desde o Século XVII. Nada mais resta no fundo da caverna senão a areia revolvida e que não pode ser carregada.
A Pedra do Caboclo Bravo chama a atenção não só pela sua importância arqueológica e histórica, mas pela beleza natural que encanta a todos quanto visitam aquelas paragens. Estudos mais aprofundados devem revelar a sua verdadeira origem há muito investigada.

Rau Ferreira

Fonte:
  • ALMEIDA, Horácio. Brejo de Areia: memórias de um município. 2ª Edição. Editora Universitária, UFPb: 1980, p. 33/34;
  • Blog Oficial de Algodão de Jandaíra, disponível em http://algodaodejandaira.blogspot.com;
  • Foto, Pedra do Caboclo: SPA, Boletim 44 – Fevereiro de 2010, p. 4.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…