Pular para o conteúdo principal

SOL: Dedicatórias

O poeta esperancense Silvino Olavo publicou as suas principais obras na década de 20, citemos: Cisnes (1924); Estética do Direito (1924); Esperança - Lírio Verde da Borborema – Discurso (1925); Sombra Iluminada (1927), e Cordialidade - Estudo Literário - 1ª Série - N. York, (1927)
É comum os escritórias fazerem dedicatórias dos seus trabalhos. E com SOL não poderia ser diferente. Em “Cysnes” observamos a seguinte inscrição datilográfica:

A MEU PAI: meu cérebro.
A MINHA MÃE: meu coração”.
Numa outra edição de sua obra, ele escreve de próprio punho, traduzindo o que a máquina não soube dizer:
À minha mãe, pelo bem que lhe quero, com um beijo comovido na sua fronte.
A meu pai, pelo muito que lhe devo, com um grande abraço de gratidão e de amizade.
Silvino Olavo, Rio: 7 de maio de 1924”.

Mas em “Cordialidade” ele foi mais incisivo ao autografar:

Ao prezado amigo Abner Mourão, mentalidade das mais impressivas do Brasil moderno, com um grande abraço fraternal, off. Silvino Olavo. Rio 5.11.1927
Ah, como eu gostaria de estar nesta noite de autógrafos!

Rau Ferreira

Fonte:
- Revista de língua portuguesa; Volume 9 - Edição 51, Ed. União Editora: 1928, p. 124.
- Pequena Biografia do Poeta Silvino Olavo, por Roberto Cardoso - Jornalista. Cisnes/ Sombra Iluminada – 2a Edição, 1985 – p. 3/5;
- A vida dramática de Silvino Olavo, autoria de João de Deus Maurício, João Pessoa/PB, Unigraf, 1992;
- Revista Bibliográfica & Cultural - Edições 2-3, Ed. Oficina do Livro: 2000, p. 62.

Comentários