Pular para o conteúdo principal

SOL comenta "A Voz da Terra" de Peryllo D'Oliveira


Peryllo: www.casadamemoriaararuna.com
Severino Peryllo D’Oliveira foi um grande poeta. O mulato filho de Araruna/PB saiu de casa aos 15 anos, atraído por uma atriz italiana dirigente de uma companhia de teatro. Depois de experimentar os palcos, voltou à Parahyba com o também poeta Silvino Olavo. A sua obra passeia pelo lírico e modernismo. Depois de publicar “Canções que a vida me ensinou” (1925) e “Caminho cheio de sol” (1928), trazia à lume “A voz da terra” (1930) a propósito do qual fazia o amigo Silvino belíssimo ensaio.
O livro – apesar de melancólico – trazia a “brasilidade” tão esperada por aqueles jovens, que acabaram de conhecer Mário de Andrade quando de sua visita à Parahyba, sendo esta “o embrião de uma alegria sui generis”.
Dizia Olavo encontrarem-se os dois agora no mesmo plano poético, num “changuez admirável!” e acrescenta: “essa filosofia melancólica, que é o segredo da sua harmonia anterior, nem a nota desse otimismo que não chega a ser idealismo”.
De fato, se compararmos as poesias “Conselho” de Perylo e “Alegria interior” de Silvino iremos perceber uma aproximação do primeiro em relação ao segundo, com muita identidade no primeiro poema.
A título de exemplo, eis alguns versos extraídos destes poemas:
Se és triste e te consagras à Beleza,
Compreende a alegria de ser triste
E ama serenamente essa tristeza... [Olavo: 1927]

Se és triste, ergue para o alto a tua taça
e canta, pois cantando
farás com que o sofrer seja mais brando

e esquecerás, talvez, tua desgraça. [Perylo: 1930]
Os poemas d’A voz da Terra encerravam não apenas a síntese da fé e do espiritualismo do autor, mas a própria fé católica em sua essência. Citando um parênteses, Silvino então enaltece aquele escrito: “Brasil sem modos moreno piegas – maxixes, modinhas, pastoris e catimbó. Brasil valentão ciumento que por qualquer coisa catuca o amor e o destino com faca de ponta”.
E finaliza com um breve conselho: “Continue assim, caríssimo poeta, servindo às belas perspectivas do seu espírito e espere, que lhe não tardarão os louros que você merece”.
D’Oliveira é patrono da Cadeira nº 25 da Academia Paraibana de Letras, enxerto deste trabalho que trago os versos d’A Voz Triste da Terra, publicados na Revista de Antropofagia:
Eu devia ter ficado
perdido nos meus terrores

Não me deviam ter dito
os nomes das coisas bonitas
que os barcos trouxeram de longe
nem a natureza de tudo o que eu via.
Deviam ter deixado que eu adivinhasse...
Eu adivinharia!

Peryllo faleceu ainda jovem, aos 32 anos, em sua residência, no Jaguaribe. Os poucos amigos acompanharam o seu féretro ao Cemitério da Boa Sentença, descendo à sepultura em 26 de agosto de 1930.

Rau Ferreira


Referências:
- A UNIÃO, Jornal. Ed. Julho. Parahyba do Norte: 1930.
- ANTROPOFAGIA, Revista (de). Ano I, Nº 5. Dir. Antônio Alcântara Machado. Gerência de Raul Bopp. Setembro. São Paulo/SP: 1928.
- FLORES, Rosali Cristofoli. Acervo do Memorial da Academia Paraibana de Letras: Conhecimento para preservação. UFPB. João Pessoa/PB: 2010.
- PARAHYBA, Anuário (da). Imprensa Official. João Pessoa/PB: 1934.

- SITE, Casa da Memória “Severino Cabral de Lucena”. Peryllo D’Oliveira: Dados biográficos. Disponível em: http://www.casadamemoriaararuna.com/peryllo.htm#Dados Biográficos, acesso em 23/04/2017.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Esperança caminha para instalação do seu instituto histórico e geográfico/ IHGE

Em reunião deliberativa autoridades, intelectuais, poetas, acadêmicos e algumas das principais instituições ligadas à história e à cultura de Campina Grande e Esperança, estiveram em reunião, na tarde desta quinta-feira (14/12), no Centro Cultural e Biblioteca “Dr. Silvino Olavo”, em torno do ideal da fundação do IHGE – Instituto Histórico e Geográfico de Esperança. A ideia que surgiu em 2014, volta a ser discutida pela sociedade esperancense, na perspectiva de resgate da memória local, com o apoio dos Institutos Paraibano, representado pela Dra. Maria Ida Steinmuller, Campinense (Edmilson Rodrigues) e de Serra Branca, na pessoa do Prof. Thomas Bruno Oliveira (IHGP, IHCG e IHGSB),  Nuphel – Núcleo de Pesquisa e História Local/UEPB, pelo Professor Flávio Carreiro, Fórum Independente de Cultura de Esperança, com o ativista Evaldo Brasil (FIC) e da Sociedade Parahybana de Arqueologia (SPA), através do escritor Vanderley de Brito. Participam ainda o Secretário de Educação do Município, pa…

Antiga Capela do Cemitério

A ampliação do cemitério público acontecida há alguns anos fez desaparecer a antiga capela que existia no centro deste Campo Santo. Muitos ainda se lembram daquele galpão dedicado as orações, onde se acendiam velas às almas. Não era muito grande, mas o suficiente para se encomendar o corpo com as exéquias. Ali se encerrava o cemitério, existindo poucas covas por trás daquele edifício e em sua volta, por onde se passava com dificuldades. Até 1930 a administração do cemitério era atribuição da igreja, por ter sido por esta construída, segundo a tradição, no final do Século XVII por obra do missionário Padre Ibiapina para enterrar as vítimas da cólera. Através do Ofício nº 70, de 17 de dezembro de 1930, em ordem ao Decreto Estadual nº 29 do mesmo mês e ano, que direcionava às prefeituras municipais todos os cemitérios existentes no Estado, solicitava o Vice-prefeito Inácio Rodrigues de Oliveira da autoridade eclesiástica local as chaves do cemitério. Foram entregues à edilidade não apenas…