Pular para o conteúdo principal

Faculdade "Bacurau" (2017)

Bloco "Faculdade Bacurau" (2017)
FACULDADE "BACURAU" (2017)
O Carnaval de Esperança é sempre muito animado e começa bem antes dos festejos de Momo. Nos dias que antecedem a data comemorativa, já aprecem as primeiras “Ala-ursas” percorrendo a cidade e, na véspera a abertura se faz com o Bloco do Zé Pereira chamando os foliões para a brincadeira.
Há uma tradição de blocos, charangas e troças que vem de longe. A primeira representação que se conhece data de 1932, com o “Coronel nas ondas”, que era o grupo freqüentado pela elite esperancense.
As sedes carnavalescas foram uma “invenção” bem recente e, dentre umas cem delas que surgem todo ano em prédios e residências alugadas para os brincantes, a que se tem destacado é chamada: Faculdade de Bacural.
O nome é em homenagem a um antigo mecânico da cidade (Bacural), já falecido. Localizada na rua João Mendes, oferece um curso intensivo durante os três dias de carnaval.
O bacural é um pássaro de asas longas (acinzentadas) e pernas curtas. Seus hábitos são noturnos e não costuma fazer ninhos. Vive em bandos ou agrupamentos e seu canto é estridente.
Faculdade "Bacurau" (2010)
Não sabemos ainda qual a razão de se apelidar o cidadão de Bacural. Mas o certo é que ele foi um mecânico (eletricista de carros) das antigas, que durante muitos anos trabalhou nesse mister, profissão que foi abraçada também pelos filhos Josa, Naldo (estes dois já falecidos), Neguinho e Boica, e que hoje segue já na terceira geração com o neto Wagner (Waguinho de Josa).
O bloco irreverente reúne uma turma de jovens que gosta de brincar o carnaval, dentre eles citemos: Gazo do Mercadinho, Tico, Chorão, Toinho, Chupeta, Edson e Tatá. A fachada permanece durante todo o ano, dando a entender que as atividades da sede vão além da folia de Momo, talvez em algum curso de pós-graduação!
A cada novo ano a pintura da fachada é modificada, mas este ano (2017) os foliões optaram por colocar um banner alusivo ao bloco carnavalesco. A faculdade “Bacurau” tem evoluído em sua sede, mas os princípios são os mesmos: alegria, amizade e folia de rua.

Rau Ferreira

Comentários

  1. Oi vi seu poste e gostei muito pois bacural é meu avô.só gostaria de corrigir sobre.pois ele era mecânico só que na parte elétrica e os filhos que abraçaram a proficao são 4 sendo 2,que já faleceram muito conhecido aqui na cidade de Esperança. que era Josa de bacurau e Nilson os outros 2 vivos são neguinho e Boica também muito conhecido aqui e o único neto que abraçou também foi Wagner(waguinho) filho de josa.gostei muito do post..parabéns gosto muito de História Esperancence.👏👏👏👏👏👏👏

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário! A sua participação é muito importante para a construção de nossa história.

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Esperança caminha para instalação do seu instituto histórico e geográfico/ IHGE

Em reunião deliberativa autoridades, intelectuais, poetas, acadêmicos e algumas das principais instituições ligadas à história e à cultura de Campina Grande e Esperança, estiveram em reunião, na tarde desta quinta-feira (14/12), no Centro Cultural e Biblioteca “Dr. Silvino Olavo”, em torno do ideal da fundação do IHGE – Instituto Histórico e Geográfico de Esperança. A ideia que surgiu em 2014, volta a ser discutida pela sociedade esperancense, na perspectiva de resgate da memória local, com o apoio dos Institutos Paraibano, representado pela Dra. Maria Ida Steinmuller, Campinense (Edmilson Rodrigues) e de Serra Branca, na pessoa do Prof. Thomas Bruno Oliveira (IHGP, IHCG e IHGSB),  Nuphel – Núcleo de Pesquisa e História Local/UEPB, pelo Professor Flávio Carreiro, Fórum Independente de Cultura de Esperança, com o ativista Evaldo Brasil (FIC) e da Sociedade Parahybana de Arqueologia (SPA), através do escritor Vanderley de Brito. Participam ainda o Secretário de Educação do Município, pa…

Antiga Capela do Cemitério

A ampliação do cemitério público acontecida há alguns anos fez desaparecer a antiga capela que existia no centro deste Campo Santo. Muitos ainda se lembram daquele galpão dedicado as orações, onde se acendiam velas às almas. Não era muito grande, mas o suficiente para se encomendar o corpo com as exéquias. Ali se encerrava o cemitério, existindo poucas covas por trás daquele edifício e em sua volta, por onde se passava com dificuldades. Até 1930 a administração do cemitério era atribuição da igreja, por ter sido por esta construída, segundo a tradição, no final do Século XVII por obra do missionário Padre Ibiapina para enterrar as vítimas da cólera. Através do Ofício nº 70, de 17 de dezembro de 1930, em ordem ao Decreto Estadual nº 29 do mesmo mês e ano, que direcionava às prefeituras municipais todos os cemitérios existentes no Estado, solicitava o Vice-prefeito Inácio Rodrigues de Oliveira da autoridade eclesiástica local as chaves do cemitério. Foram entregues à edilidade não apenas…