Pular para o conteúdo principal

O Bloco Zé Pereira

O "Pereira" - Foto: Jornal A CIDADE
O Carnaval de Esperança começa oficialmente no Arrastão do Sábado. Mas, ainda na madrugada, nos dias de hoje há o primeiro grito que se dá com a saída do “Bloco Zé Pereira” pelas ruas da cidade, acordando as pessoas para dizer que os festejos do Rei Momo se iniciam.

A tradição no Brasil remonta ao Século XIX e recebe influência portuguesa. Por aqui data dos anos 40 quando o carnaval se popularizou.

O “Pereira” é caracterizado por todo tipo de bagunça e tem um ar de mistério que fica por conta do seu percurso durante a madrugada. A música é conhecida em todo o país:
Viva o Zé Pereira,
Que a ninguém faz mal,
Viva a pagodeira,
Nos dias de Carnaval,
(...)
           
Mas, a letra trazida de Portugal era assim:
E viva o Zé Pereira.
Pois a ninguém faz mal
E viva a bebedeira
Nos dias de Carnaval
           
Por aqui ganhou até variação, como certamente em outros lugares;
Viva o Zé Pereira,
Viva o Juvenal,
Viva o Zé Pereira,
Que é o bom do Carnaval
(...)

No Centro Artístico Operário e Beneficente de Esperança/CAOBE havia o baile pré-carnaval que acontecia no sábado. Adentrando a festa pela madrugada, ao sair daquele sodalício, ao primeiro canto do galo do domingo, as pessoas se juntavam a diversas troças e mascarados percorrendo as principais artérias numa verdadeira algazarra, gritando em coro:
Olha o Pereira,
Viva o Zé Pereira”.

Nos anos 80, o Pereira saia da Comunidade S. Francisco. Segundo dizem, a sua estrutura era montada em uma caixa de geladeira, com uma grande cabeça confeccionada em papelão e arame. Para o folião brincar não precisava de uma vestimenta, qualquer trapo de roupa velha bastava para cair na folia.

Muita gente tinha medo de abrir a janela para assistir a sua passagem, o que nos faz lembrar da áurea de mistério que envolve o bloco.

Hoje há grupos que sobrevivem graças a abnegação de alguns foliões, que ainda conseguem levar para as ruas da cidade o velho bloco do “Zé Pereira”. Ainda saindo em mais de uma troça, do Britador, do Morro do Piolho e do Catolé ou unificado quando as dificuldades de apoio são mais fortes que o desejo dos brincantes.


Rau Ferreira

Referências:
- FERREIRA, Felipe. O livro de ouro do carnaval brasileiro. Rio de Janeiro: Ediouro: 2005.
- FERREIRA, Rau. Banaboé Cariá: Recortes da Historiografia do Município de Esperança. Esperança/PB: 2015.
- MORAES, Eneida de. História do carnaval carioca. Rio de Janeiro: Record, 1987.- ESPERANÇA, Livro do Município de. Ed. Unigraf. Esperança/PB: 1985.
- SOUZA, Inácio Gonçalves de. Memorial do carnaval de Esperança. 1ª ed. Edições Lyrio Verde. Esperança/PB: 2016.

E X T R A
C49-019 O Carro da Madrugada vai engolir U-Perera? (I)
(Primeiro se conquista, depois se trai)

I- Tradicional Zé-Pereira/ Bloco das madrugadas/ Anuncias de primeira/ A festança escancarada! Para si mesmo dê vivas/ E o Carnaval, incentivas,/ Chama a gente à empreitada.

II- Vamos cantar! Vamos brindar! Vamos! Esse é novo dia! Vamos dançar! Vamos brincar! Vamos! Com grande alegria/ Viva o Zé-Pereira! – Viva! Viva o Carnaval! – Viva! Vai raiar um novo dia!

III- E por aqui o Zé-Pereira/ Também pelas madrugadas/ Anunciava de primeira/ A festança improvisada. Corre atrás pra ter apoio/ Mas parece que um joio/ Em seu trigo faz morada.

IV- E os gritos de “Ó U-Perera”/ Estão sendo sufocados/ Pelo inchaço oficioso/ Por “apoios” que são dados/ Sem clara contrapartida/ Sonorização mal definida. E os foliões, quase calados!

V- E a gente ficava esperando,/ O grito de guerra acordava,/ E a batucada vinha tocando,/ E a expectativa redobrava. Hoje a prova da melhora/ Ou sinal de: – Vá-se embora! Quem disso não concordava.

VI- – Isso é uma esculhambação/ Coisa de povo assombrado/ Que diante da omissão/ Acaba sendo controlado. E tudo o que vai fazer/ Depende de um parecer/ De um doutor advogado!

VII- Mas U-Perera nunca teve/ Uma ajuda merecida/ Até já mudou de nome/ Na trajetória sofrida: E agora virou um galo. Na madrugada resvalo/ Ante ação mal concebida!

Evaldo Pedro da Costa Brasil
(Em 05 de Fevereiro de 2008)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Esperança caminha para instalação do seu instituto histórico e geográfico/ IHGE

Em reunião deliberativa autoridades, intelectuais, poetas, acadêmicos e algumas das principais instituições ligadas à história e à cultura de Campina Grande e Esperança, estiveram em reunião, na tarde desta quinta-feira (14/12), no Centro Cultural e Biblioteca “Dr. Silvino Olavo”, em torno do ideal da fundação do IHGE – Instituto Histórico e Geográfico de Esperança. A ideia que surgiu em 2014, volta a ser discutida pela sociedade esperancense, na perspectiva de resgate da memória local, com o apoio dos Institutos Paraibano, representado pela Dra. Maria Ida Steinmuller, Campinense (Edmilson Rodrigues) e de Serra Branca, na pessoa do Prof. Thomas Bruno Oliveira (IHGP, IHCG e IHGSB),  Nuphel – Núcleo de Pesquisa e História Local/UEPB, pelo Professor Flávio Carreiro, Fórum Independente de Cultura de Esperança, com o ativista Evaldo Brasil (FIC) e da Sociedade Parahybana de Arqueologia (SPA), através do escritor Vanderley de Brito. Participam ainda o Secretário de Educação do Município, pa…

Pesquisador do IHGE encontra documento histórico

O pesquisador Ismaell Filipe, sócio do Instituto Histórico e Geográfico de Esperança - IHGE, encontrou recentemente alguns documentos que datam de 1851, e que fazem alusão à origem do nosso Município. Trata-se de dois registros, para ser mais exato, de casamento, realizados no lugar denominado “Sítio Banabuié”, em casa de Severino de Medeiros Lima, cerimônia realizada pelo vigário José Antunes Brandão, pároco de Alagoa Nova. As buscas ocorreram junto aos arquivos paroquiais do Município de Alagoa Nova e constituem um marco divisório da nossa história. De fato, esta foi a denominação adotada, desde a concessão da Sesmaria de Banaboié e Lagoa de Pedra (1713) e que perdurou até 1870, quando então foi alterado para “Boa Esperança”. Segundo registros Ultramarinos existentes na Torre do Tombo em Portugal, este sítio ficava à beira de um açude, que em nossa opinião seria o reservatório do Araçá. O confrade Gilson Santiago, em conversa informal com o editor deste blog, certa feita, destacou que …