Pular para o conteúdo principal

Banabuyé 1817: Alarme falso!

Bandeira revolucionário de 1817. Fonte: Wikipédia
A “Revolução Pernambucana” foi assim denominada por ter origem naquela Capitania. Deflagrada em 06 de março de 1871, a revolta separatista contava com o apoio de sociedades secretas influenciadas pelos ideais iluministas e alguns provincianos, destacando-se dentre eles o cidadão Antônio Gonçalves da Cruz (Cabugá), que poucos dias depois embarcara para os Estados Unidos como embaixador do governo revolucionário.
A monarquia vivia o seu declínio. Napoleão Bonaparte estava exilado na ilha de Santa Helena e a única tentativa de resgate foi frustrada. O governo imperial – a exemplo de outras revoltas – enviara tropas para aplacar os revoltosos.
Em meio a todos esses acontecimentos, chega ao conhecimento do comandante Antônio José da Silva a notícia de que foi visto um exército em Banabuyé (atual município de Esperança) que precisava ser reprimido. O conteúdo desse documento histórico nos foi enviado pelo confrade e sócio do IHCG, historiador Josemir Camilo de Melo, que passo a transcrever:
Senhores do Governo Interino,
Ontem pelas 9 horas da noite veio uma notícia de que foi visto um exército no lugar Bonabuie, distante deste lugar 6 léguas, dei logo as providências necessárias e mandei um piquete avançado a saber da certeza, e agora chega o dito piquete certificando-me que era mentira, e sim foi um alvejamento de espingardas, logo fiz diligência por prender o dito mentiroso.
Por esta causa foi preciso fazer algumas matalotagens para dar o sustento às tropas que aqui apareceram e as fiz do gado do preso Antônio Fernandes Nobre que aqui se achava.
Agora me chegaram cartas do Seridó e Piranhas dos comandantes e capitães das ditas ribeiras em que me certificam que os ditos lugares se acham em sossego e com bandeiras portuguesas, só sim dizem que as tropas de Seridó, Piranhas e Açu subiram para Porto Alegre aonde se dizia que havia algum partido dos provisórios.
Brejo de Areia, 27 de maio de 1817.
Deus guarde a Vossas Senhorias.
De Vossas Senhorias soldado súdito
(a.) Antônio José da Silva"

Único movimento que ultrapassou os limites da conspiração, seu governo provisório teve duração efêmera (apenas três meses), mas a sua ideologia, transmitida por líderes como Domingos José Martins e Frei Caneca, disseminou no reino a semente da democracia e da república
Em relação a participação de Banabuyé neste corso, as informações colhidas pelos milicianos nos dão conta de que tudo não passou de um “alarme falso”.

Rau Ferreira

Referências:
-         CONTINENTE, Revista. Ano XVII. Edição Nº 195. Edição de março. 1817: Um ano para não esquecer. Companhia Editora de Pernambuco – CEPE. Recife/PE: 2017.

-         FERREIRA, Rau. Frei Caneca em Campina Grande. Ebook. Edições Banabuye. Esperança/PB: 2013.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Esperança caminha para instalação do seu instituto histórico e geográfico/ IHGE

Em reunião deliberativa autoridades, intelectuais, poetas, acadêmicos e algumas das principais instituições ligadas à história e à cultura de Campina Grande e Esperança, estiveram em reunião, na tarde desta quinta-feira (14/12), no Centro Cultural e Biblioteca “Dr. Silvino Olavo”, em torno do ideal da fundação do IHGE – Instituto Histórico e Geográfico de Esperança. A ideia que surgiu em 2014, volta a ser discutida pela sociedade esperancense, na perspectiva de resgate da memória local, com o apoio dos Institutos Paraibano, representado pela Dra. Maria Ida Steinmuller, Campinense (Edmilson Rodrigues) e de Serra Branca, na pessoa do Prof. Thomas Bruno Oliveira (IHGP, IHCG e IHGSB),  Nuphel – Núcleo de Pesquisa e História Local/UEPB, pelo Professor Flávio Carreiro, Fórum Independente de Cultura de Esperança, com o ativista Evaldo Brasil (FIC) e da Sociedade Parahybana de Arqueologia (SPA), através do escritor Vanderley de Brito. Participam ainda o Secretário de Educação do Município, pa…

Pesquisador do IHGE encontra documento histórico

O pesquisador Ismaell Filipe, sócio do Instituto Histórico e Geográfico de Esperança - IHGE, encontrou recentemente alguns documentos que datam de 1851, e que fazem alusão à origem do nosso Município. Trata-se de dois registros, para ser mais exato, de casamento, realizados no lugar denominado “Sítio Banabuié”, em casa de Severino de Medeiros Lima, cerimônia realizada pelo vigário José Antunes Brandão, pároco de Alagoa Nova. As buscas ocorreram junto aos arquivos paroquiais do Município de Alagoa Nova e constituem um marco divisório da nossa história. De fato, esta foi a denominação adotada, desde a concessão da Sesmaria de Banaboié e Lagoa de Pedra (1713) e que perdurou até 1870, quando então foi alterado para “Boa Esperança”. Segundo registros Ultramarinos existentes na Torre do Tombo em Portugal, este sítio ficava à beira de um açude, que em nossa opinião seria o reservatório do Araçá. O confrade Gilson Santiago, em conversa informal com o editor deste blog, certa feita, destacou que …