Pular para o conteúdo principal

Esperança contra Canudos

Antônio Conselheiro. Imagem: Wikipédia
Você já ouviu falar em Canudos? Esse movimento libertário, liderado por Antônio Conselheiro, no interior da Bahia, prometia uma revolução social, com distribuição de terras e socialização dos haveres, numa região dominada pelo polígono da seca; também conhecido “movimento separatista”, chamou a atenção do governo federal, que deslocou tropas do exército para combater os revoltosos nos anos de 1896 e 1897.
Após saírem vencidas, as tropas nacionais, em três expedições, com o apoio de fazendeiros e da igreja, sob forte pressão, conseguiram aplacar aquela comunidade em um verdadeiro massacre, com a morte de 20 mil sertanejos e destruição total do arraial.
Antônio Conselheiro ainda hoje é mistificado no sertão, cuja figura icônica é lembrada em documentários, novelas e filmes como um religioso que antevê o futuro e profere sentenças como: “o sertão vai virar mar, e o mar vai virar sertão”.
Pois bem. Em nossas pesquisas encontramos um telegrama publicado no jorna “A União”, em que o povo de Esperança manifesta seu apoio ao final daquela guerrilha, adiante reproduzida:

“Redação “União”. Povo Esperança dá parabéns acabamento Canudos. Foi muito festejada notícia havendo discurso onde orou Dr. Pedro Assis. Viva a República. Os Habitantes” (A União: 16/10/1897).

A exemplo de tantas outras revoluções, e movimentos separatistas brasileiros, deflagrados no Nordeste, não foi desta vez que a região se tornou independente.
A prospera Vila de Esperança, embora dependente de Alagoa Nova, mantinha uma subdelegacia, a cargo de José Donato de Maria; era sede ainda do 2º Juizado de Paz, na pessoa de Thomaz Rodrigues. José Pereira Brandão – Santos Cacheiro – exercia a função de agente fiscal,  escrivão de paz e professor de instrução primária. Manoel Rodrigues de Oliveira fazia parte do Conselho Municipal em Alagoa Nova e, assim florescia a velha “Banabuyé”, destacando-se de sua cidade-mãe, inclusive nos impostos, cuja arrecadação era a maior.
O seu povo, ao menos ao que parece, mostrava-se ciente dos acontecimentos do cenário nacional, manifestando adesão a esta ou àquela corrente política. A publicação n’A União demonstra esta tenacidade.
Aquele movimento libertário, segundo rumores, tencionava invadir as cidades vizinhas e, rumar para a Capital, para depor o governo republicano, instalando a “nova” monarquia.

Rau Ferreira


Referência:
- A UNIÃO, Jornal. Ano IV, N° 869. Edição de 04 de agosto. Parahyba do Norte: 1896.
- ALVES, Ednaldo. Guarabira – um olhar sobre o passado: 2007.
- FERREIRA, Rau. História da Comarca de Esperança. Memorando n° 005/2012 – DII – Circular de 23 de fevereiro. TJPB. Esperança/PB: 2012.
- LAEMMERT, Almanak. Volume III. Rio de Janeiro/RJ: 1925.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Esperança caminha para instalação do seu instituto histórico e geográfico/ IHGE

Em reunião deliberativa autoridades, intelectuais, poetas, acadêmicos e algumas das principais instituições ligadas à história e à cultura de Campina Grande e Esperança, estiveram em reunião, na tarde desta quinta-feira (14/12), no Centro Cultural e Biblioteca “Dr. Silvino Olavo”, em torno do ideal da fundação do IHGE – Instituto Histórico e Geográfico de Esperança. A ideia que surgiu em 2014, volta a ser discutida pela sociedade esperancense, na perspectiva de resgate da memória local, com o apoio dos Institutos Paraibano, representado pela Dra. Maria Ida Steinmuller, Campinense (Edmilson Rodrigues) e de Serra Branca, na pessoa do Prof. Thomas Bruno Oliveira (IHGP, IHCG e IHGSB),  Nuphel – Núcleo de Pesquisa e História Local/UEPB, pelo Professor Flávio Carreiro, Fórum Independente de Cultura de Esperança, com o ativista Evaldo Brasil (FIC) e da Sociedade Parahybana de Arqueologia (SPA), através do escritor Vanderley de Brito. Participam ainda o Secretário de Educação do Município, pa…

Pesquisador do IHGE encontra documento histórico

O pesquisador Ismaell Filipe, sócio do Instituto Histórico e Geográfico de Esperança - IHGE, encontrou recentemente alguns documentos que datam de 1851, e que fazem alusão à origem do nosso Município. Trata-se de dois registros, para ser mais exato, de casamento, realizados no lugar denominado “Sítio Banabuié”, em casa de Severino de Medeiros Lima, cerimônia realizada pelo vigário José Antunes Brandão, pároco de Alagoa Nova. As buscas ocorreram junto aos arquivos paroquiais do Município de Alagoa Nova e constituem um marco divisório da nossa história. De fato, esta foi a denominação adotada, desde a concessão da Sesmaria de Banaboié e Lagoa de Pedra (1713) e que perdurou até 1870, quando então foi alterado para “Boa Esperança”. Segundo registros Ultramarinos existentes na Torre do Tombo em Portugal, este sítio ficava à beira de um açude, que em nossa opinião seria o reservatório do Araçá. O confrade Gilson Santiago, em conversa informal com o editor deste blog, certa feita, destacou que …