Pular para o conteúdo principal

De Leandro à Benedito: a poesia de repente

Essa poesia cantada, adotada desde 1729, nos Cariris-velhos, tem origem na ribeira do Sabugi, com influência da canção portuguesa, no hibridismo regionalista que formou o nosso dialeto parahybano. Para Egídio de Oliveira Lima (esperancense, patrono da Cadeira nº 22 da Academia de Letras e Artes do Nordeste), Leandro Gomes de Barros representa a essência deste folclore.
Ele nos lembra que em Esperança, um parente de Nicandro Nunes da Costa, o professor Luiz Gil de Figueiredo, recitava de cor um improviso que exaltava o cordelista:
“Leandro Gomes de Barros
Escritor paraibano,
No ofício de escrever,
Escreve com calma e plano
Tem fama de repentista
Escritor e romancista
Tem folheto mais de mil
É ainda no Brasil,
- o seu primeiro humorista”.

Nas feiras do interior, ele próprio lia os seus folhetos, improvisando versos, que os “matutos” gostavam tanto de ouvir. À sua freguesia, Leandro repetia:
“Leve para casa o folheto
E veja que a história é boa
Pois sendo escrita por mim
Não pode sair a-toa
Pague dois mil reis por ela,
Se você pretende aquela,
Compre a minha coleção
Sendo esta ocasião
De você ficar com ela”.

Para enfrentar Leandro na cantoria, só Hugolino do Sabugi e Nicandro da Cangalha, isto dizia Manoel Raimundo de Barros, cantador pernambucano. E chegando o Benedito, os outros deitam a viola, em respeito ao velho cantador, que de escravo liberto, chegou a maestria, ensinando versos aos iniciantes do repente.
João Benedito morava ali, na rua do Boi, foi cantador afamado, precursor do repente, temível nos brejos parahybanos. Certa feita, cantando com Antônio Correia Bastos, afirmou:
- Antônio eu nunca encontrei
Forte que não destruísse,
Nem peso que eu não erguesse,
Perigo que eu não investisse,
Nem cantador de seu jeito
Que uma hora me resistisse.

Átila Almeida, em seu Dicionário bio-bibliográfico de repentistas e poetas de bancada (1978), escrito em parceria com José Alves Sobrinho, é quem nos diz: Grandes repentistas e preparadores foram Joaquim Sem Fim e João Benedito, segundo a opinião insuspeita de Antonio Ferreira da Cruz, que também foi poeta popular excepcional”.
O próprio Zé Alves teria aprendido a cantar com João Benedito e Manoel Raimundo, após fugir de casa com 15 anos incompletos, levando a viola nas costas.
Para Coutinho Filho (Violas e repentes: 1972), Benedito era “fabuloso”. Não é por menos, que Câmara Cascudo cita o cantador esperancense, em sua obra “Vaqueiros e Cantadores”.
Do cantador esperancense, ainda repercute esta quadra:
“Há entre o homem e o tempo
Contradições bem fatais!
O homem não faz, mas diz!
O tempo não diz, mas faz!
O homem não traz nem leva!
Mas o tempo leva e traz”.

Bendito cantou com Romano, Nicandro e seu irmão Hugolino, Zé Patrício e Silvino Pirauá, Zé Duda, Caludino e Josué da Cruz.

Rau Ferreira
Fonte:
-        LIMA, Egídio de Oliveira. Os cem melhores folhetos de Leandro Gomes de Barros. Revista Ariús. Campina Grande/PB: 1952.
-        ALMEIDA, Átila Augusto F. De, SOBRINHO, José Alves. Dicionário bio-bibliográfico de repentistas e poetas de bancada. Volumes 1-2. Ed. Universitária: 1978, p.

-        FERREIRA, Rau. João Benedito: O cantador de Esperança. Edições Banabuyé. Esperança/PB: 2011. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A menor capela do mundo fica em Esperança/PB

A Capela de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro está erigida sob um imenso lajedo, denominado pelos indígenas de Araçá ou Araxá, que na língua tupi significa “lugar onde primeiro se avista o sol”. O local em tempos remotos foi morada dos Índios Banabuyés e o Marinheiro Barbosa construiu ali a primeira casa de que se tem notícia no município, ainda no Século XVIII. Diz a história que no final do século passado houve um grande surto de cólera causando uma verdadeira pandemia. Dona Esther (Niná) Rodrigues, esposa do Ex-prefeito Manuel Rodrigues de Oliveira (1925/29), teria feito uma promessa e preconizado o fim daquele mal. Alcançada a graça, fez construir aquele símbolo de religiosidade e devoção. Dom Adauto Aurélio de Miranda Henriques, Bispo da Paraíba à época, reconheceu a graça e concedeu as bênçãos ao monumento que foi inaugurado pelo Padre José Borges em 1º de janeiro de 1925. A pequena capela está erigida no bairro da Beleza e sua entrada se dá pela Rua Barão do Rio Branco. Nele encont…

Esperança caminha para instalação do seu instituto histórico e geográfico/ IHGE

Em reunião deliberativa autoridades, intelectuais, poetas, acadêmicos e algumas das principais instituições ligadas à história e à cultura de Campina Grande e Esperança, estiveram em reunião, na tarde desta quinta-feira (14/12), no Centro Cultural e Biblioteca “Dr. Silvino Olavo”, em torno do ideal da fundação do IHGE – Instituto Histórico e Geográfico de Esperança. A ideia que surgiu em 2014, volta a ser discutida pela sociedade esperancense, na perspectiva de resgate da memória local, com o apoio dos Institutos Paraibano, representado pela Dra. Maria Ida Steinmuller, Campinense (Edmilson Rodrigues) e de Serra Branca, na pessoa do Prof. Thomas Bruno Oliveira (IHGP, IHCG e IHGSB),  Nuphel – Núcleo de Pesquisa e História Local/UEPB, pelo Professor Flávio Carreiro, Fórum Independente de Cultura de Esperança, com o ativista Evaldo Brasil (FIC) e da Sociedade Parahybana de Arqueologia (SPA), através do escritor Vanderley de Brito. Participam ainda o Secretário de Educação do Município, pa…

Antiga Capela do Cemitério

A ampliação do cemitério público acontecida há alguns anos fez desaparecer a antiga capela que existia no centro deste Campo Santo. Muitos ainda se lembram daquele galpão dedicado as orações, onde se acendiam velas às almas. Não era muito grande, mas o suficiente para se encomendar o corpo com as exéquias. Ali se encerrava o cemitério, existindo poucas covas por trás daquele edifício e em sua volta, por onde se passava com dificuldades. Até 1930 a administração do cemitério era atribuição da igreja, por ter sido por esta construída, segundo a tradição, no final do Século XVII por obra do missionário Padre Ibiapina para enterrar as vítimas da cólera. Através do Ofício nº 70, de 17 de dezembro de 1930, em ordem ao Decreto Estadual nº 29 do mesmo mês e ano, que direcionava às prefeituras municipais todos os cemitérios existentes no Estado, solicitava o Vice-prefeito Inácio Rodrigues de Oliveira da autoridade eclesiástica local as chaves do cemitério. Foram entregues à edilidade não apenas…