Pular para o conteúdo principal

Afrescos da Igreja Matriz

J. Santos (http://joseraimundosantos.blogspot.com.br/)
A Igreja Matriz de Esperança passou por diversas reformas. Há muito a aparência da antiga capela se apagou no tempo, restando apenas na memória de alguns poucos, e em fotos antigas do município, o templo de duas torres.
Não raro encontramos textos que se referiam a essa construção como sendo “a melhor da freguesia” (Notas: Irineo Joffily, 1892), constituindo “um moderno e vasto templo” (A Parahyba, 1909), e considerada uma “bem construída igreja de N. S. do Bom Conselho” (Diccionario Chorográfico: Coriolano de Medeiros, 1950).
Através do amigo Emmanuel Souza, do blog Retalhos Históricos de Campina Grande, ficamos sabendo que o pároco à época encomendara ao artista J. Santos, radicado em Campina, a pintura de alguns afrescos.
Sobre essa gravura já havia me falado seu Pedro Sacristão, dizendo que, quando de uma das reformas da igreja, executada por Padre Alexandre Moreira, após remover o forro, e remover os resíduos, descobriram-se algumas pinturas que depois foram sobrepostas por tinta e cal.
Eram afrescos no estilo florais, de uvas, folhas e ramagens de cor laranja que circundavam todo o entorno do templo, no chamado roda-teto, contendo em seus intervalos, um círculo com a inscrição “PX”, abreviação de ictus, que significa peixe, e era usado pelos primeiros cristãos para se identificarem em meio à multidão.
Esses desenhos, postos como se fossem “mosaicos”, chegaram a ser copiados pelo artista plástico Renato Rocha em papel manteiga, para uma eventual restauração. Contudo, este disse me disse que depois de um tempo foram extraviados.
José Raimundo dos Santos (J. Santos) fora contratado por Monsenhor Francisco Severiano de Figueiredo, administrador paroquial, para pintar os tais afrescos em 1934. Aqui chegou e se demorou algum tempo, casando-se dois anos depois com a esperancense Odília Ribeiro de Luna, e retornando a sua terra natal, para administrar um cineteatro.
Anos mais tarde, fixou residência em Campina onde diversificou a sua arte. O mestre foi professor cenógrafo, professor da Escola de Artes e Ofício, diretor do Hospital Pedro I, e arquiteto chegando a construir a Loja Maçônica Renegeração Campinense sem colunas de sustentação.
Monsenhor Severiano administrou a paróquia em duas oportunidades, no período de julho de 1929 à março de 1930, e de fevereiro de 1933 à junho de 1935. Suas principais realizações foram a construção da Gruta de N. S. de Lourdes e a reforma da Igreja Matriz, incluindo os mosaicos.

Rau Ferreira

Referência:
- BlogRHCG, Retalhos Históricos de Campina Grande. Disponível em: http://cgretalhos.blogspot.com/
- CASCUDO, Luís da Câmara.História do Rio Grande do Norte. Coleção Vida Brasileira. Ministério da Educação e Cultura, Serviço de Documentação: 1955;
- Revista do IHGP, Volumes 10-13. Instituto Histórico e Geográfico Paraibano. João Pessoa/PB: 1946, p. 123;
- ROCHA, Renato. Artista plástico esperancense, consulta virtual. Concedida em 18 e 22 de julho de 2015.
- SANTOS, Hiram Ribeiro (dos). Biografia de um artista! O Pintor José Santos.  Disponível em: http://joseraimundosantos.blogspot.com.br/
- BOM CONSELHO, Paróquia Nossa Senhora (do). Esperança/PB. Disponível em: http://paroquianossasenhoradobomconselho.org.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…

Passagem da Imagem Peregrina do Carmo (1951)

A Paróquia do Bom Conselho, no Município de Esperança (PB), recebeu e hospedou em 1951, a embaixada cívico-religiosa em preparação ao VII Centenário do Escapulário do Carmo. O Padre Zé Coutinho, filho da terra, e Carmelita devoto, buscou meios para desviar a peregrinação até Esperança. E quem negaria um pedido de Padre Zé? A Virgem peregrina chegou por volta das 13 horas, do dia 11 de setembro, acompanhada pelos reverendos padres Cônego José Coutinho, Pedro Serrão e Cristovam Ribeiro, este último vigário de Campina Grande; e de algumas irmãs carmelitas. A imagem trazia a “mensagem de paz, amor e benção de N. Senhora a todos os cristãos, suplicando pela pátria”, combatendo os “inimigos da pátria e da humanidade, uma vitória para Cristo e à Igreja”. Cerca de dez mil fiéis aguardava no pátio da matriz, sendo recepcionada com grande galhardia. O vigário da Paróquia fez a saudação às 17 horas, com a presença de autoridades locais e classes religiosas, sob a Presidência do Revmo. Frei João Bo…