Pular para o conteúdo principal

Carnaval de Esperança - Parte II

Dando continuidade à temática sobre o “Carnaval”, hoje iremos contar algumas histórias e fatos pitorescos desta festa em nossa cidade. Comecemos pela “Última Hora”. A Escola de Samba surgiu na véspera do carnaval de 1967, até onde sabemos, composto por alguns ex-integrantes da Pioneiros do Samba, como Marré, ex-goleiro do América, Manuel Freire da Rocha, Chiclete, Jaime Pedão, Djalma de Máfia e Marconi. Com a ajuda do sanfoneiro Manuel Tambor conseguiram alguns instrumentos para sair às ruas. No segundo ano, foram ensaiar na casa de seu Pedro Lourenço. O nome da agremiação, segundo Janilson Andrade, veio porque seu Pedro era muito descansado, então alguém sugeriu “Última Hora”, que foi aceito de imediato. A presidência coube a seu Luziete de Arruda Câmara, que organizou e deu vida à escola. Em 1973 com mais de 30 componentes ganhou o 1º lugar no desfile em Campina Grande.
Os anos 60 ficaram marcados pelo “Corso”, que era o passeio de carros ornamentados pelas ruas principais da cidade, carregado de foliões; os blocos da época eram transportados por Jeeps, desse tempo, o mais conhecido era “As bruxinhas ripies”, cujo motorista era seu Ernane, esposo de Celita do Cartório.
O carnaval de 1974 ficou marcado por um temporal que veio a cair naquele ano. Por volta das duas ou três da tarde da terça-feira de carnaval, o céu se avermelhou, caindo uma forte chuva sobre a cidade. A rua do Boi alagou, numa enchente nunca antes vista. O bloco dos Índios que subia a rua de Areia, não suportou a enxurrada e lutaram muito para que a água não os levassem de rua abaixo. O engraçado é que, naquele momento, eles cantavam uma marchinha que dizia em seus versos: “Chuva grossa não me molha,/ Sereno quer me molhar,/ Meu senhor”.
Havia uma plantação de bananeiras nas margens do Banabuié pertencente ao senhor Elísio Brandão que quase foi levada pela chuva. Uns relatam que naquele ano caiu granizo, que não ficou uma antena de pé, houve ainda um grande apagão, deixando toda a cidade sem energia elétrica.
Os Taka-toxas era um grupo carnavalesco criado em 1982 por jovens. Costumavam desfilar vestidos de médicos e possuíam até uma “Imbulança”, com sirene e tudo. No final dos festejos, vendiam o automóvel todo amassado e com o motor batido.
Para participar tinha que saber dirigir, o problema é que nem Doginho nem Jailton Rodrigues na época tinham essa habilidade. Então resolveram aprender, colocando o carro na ladeira da rua Manuel Cabral. A marcha era sempre a primeira, não a primeira de força, mas a primeira que fizesse o carro pegar. O carro começou a desenvolver velocidade, quando Doginho perguntou a Jailton como é que fazia para parar o carro, depois de cruzar os pés, conseguiram acertar o pedal e estancar o carro no final da rua.
Certa vez um dos rapazes saiu para dar um passeio no carro, passou pela praça, foi até a Igreja e deu um “cavalo-de-paú”. Com isso houve uma denúncia anônima e o Delegado da época prendeu o veículo.
Os componentes em protesto saíram às ruas na tentativa de arranjar dinheiro para pagar o carro, pois tinham gasto tudo em cervejas. Encontraram um fogão velho, puseram sobre um carrinho de mão e fizeram uma rifa. Todos os foliões colaboravam independente do prêmio. Este fato mereceu registro fotográfico e pode ser visto no Livro do Município às fls. 58.
Em 1984 os Taka-toxas resolveram inovar se fantasiando de “Metaleiros do Rock”. Compraram um Opala 74 no ferro-velho, pintaram todo ele de preto, desenharam umas caveiras com fogo saindo do capú. E vestidos à caráter, tipo “roqueiros”, saíram no sábado de carnaval levantando muita polêmica para a sociedade conservadora da época.
A última participação do grupo em carnavais foi em 1986, deixando muita saudade pela sua irreverência e alegria.
Chegamos ao ano de 2009. O saudoso jornalista Jacinto Barbosa, então Secretário de Comunicação da Prefeitura, reviveu os antigos carnavais promovendo com o Rotary Club o “I Baile de Máscaras”. Esta festa foi um enorme sucesso em Esperança, e que se repetiu ainda por outros anos.
Agora vamos falar da “La Ursa”. Marquinhos Pintor e o Grupo Cultural Quero Mais, da comunidade S. Francisco, procuram manter viva essa tradição, coordenando um concurso de apresentações naquele bairro.
Há quinze dias da folia de momo as pessoas se trajam dessas figuras e percorrem a cidade com suas batucadas. São jovens, crianças e adultos que ao som do repique e tambor fazem a alegria de alguns e trazem desconforto para outros, pois ninguém agrada a todo mundo.
Os “ursos” no carnaval tem origem nos ciganos europeus, que percorriam as vilas com seus animais presos em correntes e dançavam de porta em porta em troca de algumas moedas. Na versão atual, as pessoas é que encenam esta apresentação vestidos de estopas e com máscaras de papel machê ou plástico fazendo a sua arrecadação, muitas vezes seguidas por uma multidão de foliões.
Citemos agora algumas bandas que já tocaram no carnaval de Esperança: Marajoara de Frevo, Sambagueto, Tribala, Orquestra Frevança, Locomotiva, Nalevada, Feitiço Elétrico, Afrodite, Pinel da Bahia, Eclipsamba e Balanço Elétrico. Aguardamos a participação dos ouvintes para complementar esse nosso trabalho.
Pra finalizar, quero dizer que o namoro dos meus pais teve início na última noite de carnaval. Na terça-feira, meu pai chamou minha mãe para dançar e, no final daquele baile que se realizou no CAOBE, meu pai disse até sábado, não falou nem mesmo em namoro, mas o casal já estava formado.

Rau Ferreira


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Antiga fábrica de caixões

Houve um tempo que não existiam planos pós-morte e que o povo carente se enterrava com a própria rede. Ser conduzido em um ataúde para a morada eterna era um luxo para poucos. Os falecidos eram velados nas próprias residências de um dia para o outro. Servia-se café na cozinha, enquanto que os homens ficavam na sala contando histórias de “trancoso”. O município passou então a dar o artefato, mas dia sim e dia não tinha uma viúva batendo a porta da prefeitura, foi então que alguém resolveu instalar uma fábrica de caixões na rua Theotônio Tertuliano, por trás da Secretaria de Educação. O caixão fúnebre era construído dessas madeiras de caixa de batata, com alguns caibros para dar sustentação. Forrava-se com um plástico fino, de cor azul para homem ou roxo e rosa para mulheres. Na tampa se colocava um vidro para ver o ente querido. Era pequeno e, a depender do defunto, precisava fazer alguns ajustes. A prefeitura também dava a mortalha, que era um camisão, enquanto que as flores ficaram a …

Esperança sob o golpe do AI-5 (Parte I)

O AI-5 (Ato Institucional nº 5) foi o mais duro golpe da Ditadura no Brasil. Baixado pelo em 13 de dezembro de 1968, impôs uma série de restrições aos direitos individuais, conferindo carta branca para ações arbitrárias do governo. Muitos cidadãos foram perseguidos, presos, cassados, torturados e até mortos em nome do ultranacionalismo. As consequências deste nefasto ato chegaram a nossa pequenina Esperança, onde o Centro Estudantal que funcionava perto do calçadão teve suas portas arrombadas e toda a documentação espalhada pelo chão. De certo que os autores deste delito procuravam alguma prova que pudesse incriminar os estudantes, contudo nada encontraram. Um dos líderes estudantis por presságio ou algum sentido apurado, na manhã daquele dia retirou de lá panfletos e manuscritos que poderiam ser taxados de subversivos pelos militares. À noite quando o crime foi cometido encontraram apenas material escolar sem qualquer implicação. Em nossa cidade foram poucos os que ousaram se opor àque…

Boato de jornal

A festa da padroeira de Esperança podia ser vista de diversos ângulos: a homenagem que se presta a santa, a celebração de mais um ano com a liturgia do Bom Conselho, o pastoril com suas donzelas e o pavilhão onde se amealhava donativos através do leilão de pratos típicos. Nesse contexto, sempre existiu, o jornalzinho de festa, produzido pelos mais letrados da comunidade, veiculando fofocas, disse-me-disse e outras particularidades da nossa gente. Na vanguarda, temos “A Seta” (1928) de Tancredo Carvalho. Podemos citar, ainda, o “Gillette” (1937) de Sebastião Lima e Paulo Coêlho, que se perpetuou com Zé Coêlho e sua filha Vitória Régia. Pois bem. Nos anos 40 surgiu “O Boato”, com direção de Eleazar Patrício e gerência de João de Andrade Melo, que se denominava “Órgão da Festa de N. S. do Bom Conselho”. Impresso na tipografia S. João, de João Andrade, seu primeiro número circulou em janeiro de 1941, com os quadros: Verdades & Mentiras, Ontem e Flores Bela. Com versinhos, notícias fant…