Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2018

Digitalização do acervo da União

O Núcleo de Pesquisa e Extensão em História Local (NUPEHL), através de seu coordenador, o Professor Flávio Carneiro de Santana, iniciou essa semana os trabalhos de digitalização dos jornais “A União” existentes na Biblioteca Municipal “Dr. Silvino Olavo”, do município de Esperança/PB. O projeto que tem a parceria da Secretaria Municipal de Educação, através do Secretário Michael Lopes, pretende fazer a limpeza, restauração do acervo e captura das imagens dos mais de 20 volumes deste jornal, que compreendem as décadas de 20 a 1960 do século passado. Esse valioso acervo teve seu início na gestão do prefeito Manoel Rodrigues de Oliveira no ano de 1925, e tem sido conservado pela municipalidade, servindo de objeto de pesquisa para trabalhos científicos e históricos de todos os recantos da Paraíba. O Jornal “A União” foi fundado pelo Presidente da Província Álvaro Machado no ano de 1893, constituindo o principal periódico do Estado para veiculação dos atos oficiais, notícias, reclames etc, i…

Lembranças de meu pai

No bordado de Ednilza Morais de Amorim estava escrito: Rau Ama Beinha. Uma pequena frase que ativou boas lembranças.
Tínhamos uma ligação além de tudo, nem sei como explicar. Papai me levava para todo canto, não sabia sair sem mim; e nas peraltices, sempre lembrava de me incluir. À noite, eu ficava esperando na calçada da rua do Sertão, por volta das 7 horas da noite, ele vinha da S. José. Corria assim uns cem metros, me jogava no pescoço dele, e vinha pendurado. Era uma festa! Fazia isso todas as noites.
Mamãe ralhava: - Meu filho, tu vai matar teu pai, deixa ele quieto, que Beinha está cansado. E ainda jantava no colo dele. Papai ria, não reclamava de nada.
Um dia, lembro muito bem, ele estava no banheiro fazendo a barba, quando fui lhe chamar para jantar, dizendo: - Velho, vem jantar!
Foi um escândalo, mamãe quase me bate: - Velho não! Seu pai ainda é jovem, respeite seu pai.
E ele taciturno, com um sorriso pelo canto da boca, disse apenas: - Ele é meu amigo, deixa ele me chamar do jeito…