Pular para o conteúdo principal

Círculo Operário São José (COSJ)

Círculo Operário São José, Sociedade Operária Beneficente, foi fundada em nossa Paróquia no dia 25 de maio de 1922. Como o próprio nome diz, era uma entidade formada por operários e artistas (artesões) de nossa comunidade, que se reuniram com o objetivo comum de empreender uma atividade missionária e social.
Fundado pelo Padre José Borges de Carvalho, que exercia a sua presidência e era legítimo depositário, mantinha arquivos e documentos de receita e despesa, fichados com o selo da entidade e guardados no arquivo paroquial.
Os seus membros eram chamados de “circulistas” e muitos deles trabalhavam no serviço da igreja, colaborando com a liturgia. Participavam como sócios: Severiano Rufino de Araújo, Claudino Rogério de Souza, Francisco Protásio de Oliveira (orador), Antônio Bastos (adjunto), João Celestino, Manuel Luis Pereira e José Gonçalves de Farias (1º Secretário)
A sua arrecadação garantiu certo patrimônio, adquirindo para as suas reuniões 10 bancos, uma mesa grande e 15 cabides que foram vendidos a prefeitura após a sua dissolução. E mantinha com os seus recursos uma das primeiras escolas particulares de Esperança: A Escola do Círculo Operário.
O COSJ terminou em maio de 1929, embora a sua declaração deixasse espaço para a criação de um outro com a mesma denominação, tendo arrecadado 250 mil réis, doando mil réis aos Vicentinos para o custeio do seu hospital, e confiando 556 mil reais ao pároco, que depositou este numerário junto à Caixa Rural de Alagoa Grande.
O Padre João Borges deixou a paróquia naquela mesma época, encarregando o Cônego João Coutinho em julho daquele ano para conduzir os trabalhos da igreja, até a chegada do padre Francisco Severiano.

Rau Ferreira


Referências:
- FERREIRA, Rau. Banaboé Cariá: Recortes da Historiografia do Município de Esperança. Esperança/PB: 2015.

- PARÓQUIA, Livro Tombo (da). Nossa Senhora do Bom Conselho. Edição Nº 01/1929 em diante. Esperança/PB: 1908.

Comentários