Pular para o conteúdo principal

Antiga fábrica de caixões

Antiga Fábrica de Caixões
Houve um tempo que não existiam planos pós-morte e que o povo carente se enterrava com a própria rede. Ser conduzido em um ataúde para a morada eterna era um luxo para poucos.
Os falecidos eram velados nas próprias residências de um dia para o outro. Servia-se café na cozinha, enquanto que os homens ficavam na sala contando histórias de “trancoso”.
O município passou então a dar o artefato, mas dia sim e dia não tinha uma viúva batendo a porta da prefeitura, foi então que alguém resolveu instalar uma fábrica de caixões na rua Theotônio Tertuliano, por trás da Secretaria de Educação.
O caixão fúnebre era construído dessas madeiras de caixa de batata, com alguns caibros para dar sustentação. Forrava-se com um plástico fino, de cor azul para homem ou roxo e rosa para mulheres.
Na tampa se colocava um vidro para ver o ente querido. Era pequeno e, a depender do defunto, precisava fazer alguns ajustes.
A prefeitura também dava a mortalha, que era um camisão, enquanto que as flores ficaram a cargo das beatas.
Era costume ver aqueles caixões subirem a ladeira do cemitério, empurrados por Pedro “Vai-levando” ou sua mulher Rita.
Por sem bem simples, muitas vezes o ataúde se desfazia antes da hora e o imprevisto acontecia: de repente, o morto caia com o braço para um lado, deixando todos atônitos. Há quem diga que em alguns enterros o próprio fundo se rompeu, e quando a multidão percebeu o defunto tinha ficado para trás.
Durante muitos anos estes caixões foram construídos naquele prédio, numa marcenaria improvisada, para atender a gente pobre de Esperança. Serviam muito bem ao seu propósito, num tempo onde o social era o caminho.


Rau Ferreira

Comentários